quarta-feira, 29 de junho de 2011

Duas Quintas 2008

Características
Tipo: Tinto
Castas:
Tinta Roriz, Touriga Nacional e Touriga Franca
Região: Douro
Teor Alcoólico:
13 ,5%
Produtor:
Ramos Pinto
Preço: 9 € vap
 

Nota de Prova
A Ramos Pinto tem no Duas Quintas um dos porta estandarte da casa em termos de vinhos de mesa. Este Duas Quintas 2008 apresenta-se, mais uma vez, como um dos grandes vinhos do Douro.
Cor granada de média concentração, com reflexos avermelhados, muito límpido e cativante. No nariz temos os frutos silvestres bem maduros e frutos pretos com a ameixa preta, com notas evidentes de especiarias, como a pimenta branca, e algum fundo vegetal. Na boca temos um vinhos de taninos muitos suaves, algo untuoso e mesmo guloso, muito fácil de beber e gostar. Continuamos a sentir a fruta silvestre, com muita frescura e elegância. O final de boca é longo, persistente e fresco.

Classificação: 89/100

terça-feira, 28 de junho de 2011

Herdade do Esporão Verdelho 2010

Características
Tipo: Branco
Castas:
Verdelho
Região: Alentejo
Teor Alcoólico:
13 ,5%
Produtor:
Esporão SA
Preço: 8 € vap
 

Nota de Prova
Colocado recentemente no mercado, o Herdade do Esporão Verdelho 2010 mantém o seu rótulo com um visual muito atractivo, elegante e directo. Na prova, apresenta visualmente uma cor citrina brilhante, com alguns laivos esverdeados, muito cristalino e limpido. Nariz de grande intensidade entre a fruta citrina e a fruta tropical, com grande complexidade e com presença da frescura da fruta como a lima, manga, abacaxi ou papaia. Excelente no plano aromático. No boca revela uma excelente acidez, meio-seco, com corpo, muita frescura, notas de lima, com alguma mineralidade e com um final de boca comprido, persistente e delicioso. Um Premium desta casa que não engana.

Classificação: 88/100

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Vale dos Barris 2010

Características
Tipo: Branco
Castas:
Moscatel
Região: Península de Setúbal
Teor Alcoólico:
13 %
Produtor:
Adega Cooperativa de Palmela, CRL 
Preço: 1,90 € vap
 

Nota de Prova
Continuamos na Adega Cooperativa de Palmela para mais uma escolha de Verão e de excelente relação Qualidade - Preço.
Cor amarela palha seca, citrina, muito brilhante e límpida. Aromas típicos da casta Moscatel com intensas notas a flor de laranjeira, muito floral, com presença de lichias frescas, pêra cozida e boa sensação de frescura. Na boca sente-se um branco bem estruturado, muito correcto, com a casta Moscatel a transmitir uma certa doçura à prova, bom equilibrio e um final de boca agradável e de média duração.

Classificação: 79/100

domingo, 26 de junho de 2011

Vale dos Barris Pink 2010

Características
Tipo: Rose
Castas:
Castelão, Syrah e Aragonês
Região: Península de Setúbal
Teor Alcoólico:
12,5 %
Produtor:
Adega Cooperativa de Palmela, CRL 
Preço: 1,90 € vap
 

Nota de Prova
Com este calor só apetecem vinhos frescos, com fruta, muito leves e que nos façam companhia numa esplanada ou à beira de uma piscina. Apresenta uma cor rosa intensa, brilhante e aromas predominantes a frutos vermelhos como o morango ou a framboesa, com muita frescura. Na boca continuamos com a presença da fruta em bom plano, muito equilíbrio a nível de doçura e acidez, e com um final de boca bastante duradoura para quilo que estaria à espera. A relação Qualidade/Preço é assinalável.  

Classificação: 79/100

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Costeletas de Porco com Passas e Linguiça

Umas costeletas de porco com as passas as adocicar e a marcar presença numa carne que costuma casar muitos bem com frutos secos e frutas passa.

Ingredientes:
6 Costeletas de Porco
2 Linguiças
100 g Passas Uva Preta
1 Copo de Vinho Branco
1 Copo de Leite
3 Dentes de Alho
Azeite
Sal
Pimenta

Preparação:
Uma prato de fácil preparação e muito rápido de fazer. Coloque numa frigideira um fio de azeite, os dentes e o dentes de alho finamente picados. Aloure. Entretanto envolva as costeletas em sal e pimenta a gosto. Junte na frigideia, passe as costeletas levemente de um lado e do outro no azeite, regue com o copo de vinho branco e aguarde.Quando o vinho tiver praticamente evaporado, junte um copo de leite. Deixe levantar fervura e junte então a linguiça cortada às rodelas e as passas. Ferva durante cerca de 5 minutos e sirva com arroz de feijão. Acompanhe com um Tinto Alentejano.

terça-feira, 21 de junho de 2011

The Lost Village Verdelho 2009

Características
Tipo: Branco
Castas:
Verdelho
Região:
Alentejo
Teor Alcoólico: 13%
Produtor:
Aldeias de Juromenha 
Preço: 6€ vap
 

Nota de Prova
Cor amarela clara, citrina, brilhante e jovial. Aromas a frutos tropicais bem definidos, manga e abacaxi, com leves notas florais e algum vegetal verde. Na boca revela um branco com estrutura, equilíbrio, muito leve, e com um nível de acidez correcto. Na boca a fruta cítrica volta a estar em destaque atribuindo frescura e elegância. O final de boca é de média duração. Ideal para um peixe branco grelhado, massas carnes brancas e marisco não muito condimentado.

Classificação: 76/100

domingo, 19 de junho de 2011

Visita ao Casal de Sta Maria - Senhor da Adraga -

No passado dia 28/05/2011, em Sintra, estive presente na Visita ao Casal de Santa Maria e Adegas do produtor do vinho Senhor D'Adraga. Uma prova especialmente preparada para o grupo Portuguese Wine Bloggers, na qual fomos guiados e acompanhados pelo Enólogo da Adraga Explorações Vitivinícolas António Figueiredo e pelo seu Presidente o Barão Bruemmer, aos quais deixo o meu especial agradecimento pela disponibilidade, pelo entusiasmo, paixão e bela história de vida de acabou por nos contar no final desta visita. 
A visita compreendeu todo o espaço do Casal de Sta Maria. O belíssimo jardim com belos canteiros de rosas, as Vinhas que envolvem e circundam todo o espaço habitacional e as Adegas muito bem adaptadas de anteriores espaços de cavalariças. No conjunto, um espaço a visitar, numa zona de Sintra muitas vezes apenas lembrada pela sua praia e que conta aqui com um bocadinho do paraíso na Terra. 

A prova decorreu em ambiente informal e bem acompanhada por algumas delicias da região como os Travesseiros de Sintra, as Queijadas e o Melão fresco.  

Senhor D'Adraga 2009 Branco
Cor amarelo claro palha nova, com aromas intensos a fruta citrina, lima, notas florais e fruta doce. Muito fresco e elegante. Boca com entrada de veludo, cremoso,  com alguma mineralidade, acidez vivaz e continuidade de muita fruta citrina. Final de boca de média duração com continuação de sensação de frescura. 

Casal de Sta Maria 2010 Branco
Cor amarelo muito claro, com leves rasgos esverdeados. Aspecto cintilante e atractivo. Nariz com algum vegetal, complexo, com fruta tropical em bom plano, mas nunca perdendo a sensação de verde, arbóreo. Na boca suavidade, com nível de acidez muito vivo, tomate meio verde, folha de tomate. O final de boca é de média duração e muito fresco e frutado.

Senhor D'Adraga 2007 Tinto
Cor purpura, concentrado com plano aromático a fruta vermelha e preta, muito especiado, algum vegetal, tostado e balsâmico. Na boca apresenta muita suavidade, equilibrado, opulento e untuoso. Taninos suaves e nível de acidez correcto. Final de boca de média/longa duração.

Casal de Sta Maria 2009 Tinto
Cor rubi, avermelhado de média concentração, notando-se bem a casta pinot noir na cor do mesmo. Aroma muito vegetal, com muito pimento verde e folha de tomateiro, ligeiro especiado, alguma resina e sem dúvida balsâmico. Boca com taninos suaves, todavia presentes, com corpo, muito equilíbrio e madeira bem harmonizada no conjunto. Final longo e persistente.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Cadão Reserva 2005

Características
Tipo: Tinto
Castas:
Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz
Região:
Douro
Teor Alcoólico:
14 %
Produtor:
Mateus E Sequeira Vinhos, SA
Preço: - € vap
 

Nota de Prova
Este tinto sem dúvida que me surpreendeu pela positiva. Uma boa surpresa e um valor seguro. Cor rubi, com ligeiros violetas nos bordos do copo e muito límpido. Aromas intensos a frutas vermelhas, pretas e silvestres, algum floral, com notas especiadas e tostadas em fundo. Na boca apresentada taninos suaves, aveludados, onde a fruta madura se sente presente em harmonia com a madeira e o corpo  do vinho. Muito equilibrado. Final de boca longo e final de copo com aromas a ligeiro tostado, evoluindo para cacau e fumados. 

Classificação: 85/100

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Restaurante "Porco Ibérico" - Massamá

Depois de ter experimentado o Restaurante "Touro Ibérico" em Alcabideche fui conhecer o Restaurante "Porco Ibérico" em Massamá. Os mesmo donos, os mesmos pratos, algumas caras conhecidas entre os empregados , música ao vivo e a mesma carne grelhada do outro mundo. A decoração deste espaço é diferente, muito acolhedor, com peças de caça, ornamentos tribais e uma colecção / garrafeira de vinho que apetece. Destacam-se os Barca Velha, mas há muito por onde escolher e deitar o olhar.À mesa a mesma organização desorganizada. Pratos, talheres, copos, jarros, etc. cada qual deve ter vindo de seu canto do mundo. A presença de cor é essencial. Ao contrário do que é habitual, vemos muito pouco branco nesta sala.
Tal como referi anteriormente, a carne grelhada continua a ser fantástica. Imperdivel. Este Restaurante apenas perde no atendimento. Casual e descontraído demais, algo lento em alguns momentos e pouco interventivo à mesa. A coisa acaba sempre por correr um bocadinho ao som do "olhe se faz favor!", "podia trazer mais ...", "olhe, olhe..."... e isto nem sempre é bom.
Morada: Av. Aquilino Ribeiro, Nº 6 Massamá
Contacto: 214 304 167
Preço médio por refeição: 20€
Atendimento: Descontraído, Simpático
Satisfação: 7/10

terça-feira, 14 de junho de 2011

Classificação dos Vinhos da Dica da Semana - Lidl

Cada semana que passa é mais um vinho de aproximadamente 1,50 € que é classificado com notas de prova entre 80 e 100 pontos pelo "painel de enólogos da APE*" no Jornal Dica da Semana. Os vinhos classificados estão à venda no Lidl, raras são as vezes em que os conheço ou ouvi falar deles e os adjectivos utilizados, sempre majorativos, andam sempre em redor de  algo como "Bom", "Muito Bom", "Qualidade Comprovada", "Perfeito", etc. Não quero ser desconfiado ou coisa que o valha, mas o facto é que qualidade a bom preço parece ser por ali mesmo e, por outro lado,  este painel de provas sótem acesso a coisas muito boas. Que grande filão por ali existe.
Gostaria de saber, de entre aqueles que normalmente fazem do Lidl a sua garrafeira de eleição ou de ocasião, se estas notas de prova são realmente ajustadas à realidade do vinho apresentado e estou a perder néctar divino atrás de néctar divino, ou se, pelo contrário devo continuar afastado de tal adega. Esta semana temos o "Uvas Douradas 2008 Tinto, de 1,59€, com 82 pontos em 100 possíveis. Perfeito para consumo imediato, mas que na nota de prova temos "taninos evidentes mas sem equilíbrio" ou "termina com ligeiro amargor" ou ainda "aroma característico da casta predominante, marcadamente vegetal, lembrando folha de videira". Desculpem se não me sinto atraído por este espécimen de grande relação qualidade /preço.

*APE-Associação Portuguesa de Enologia (indicado pelo Jornal)

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Pasmados 1990



Características
Tipo:
Tinto
Castas: Castelão Francês, Touriga Nacional, Moreto e Alfrocheiroto
Região: Terras do Sado
Teor Alcoolico: 12 %
Produtor: José Maria da Fonseca, Succ.
Preço: - € pvp

Nota de Prova
Este é um daqueles vinhos que marcam uma casa e também quem o bebe. O Pasmados 1990 não fugiu a esta regra. Após decantado o vinho, uma hora depois iniciou-se a prova. Cor atijolada, casca de cebola, ainda de aspecto muito límpido. Aromas já muito parecidos com os Portos Ruby, muita fruta madura, leve iodado e com madeira bem casada. Alguma caixa de tabaco. Na boca sente-se ainda a sua vivacidade, acidez correcta, equilibrado, enchendo a boca com ligeira untuosidade.. Comparável aos memoráveis Garrafeira CO e Garrafeira RA. Final de boca em crescendo, persistente, evolui no copo de forma surpreendente.

Classificação: 92/100

sábado, 11 de junho de 2011

Grande Prova Quinta do Noval - Wine O'Clock Lisboa

No passado dia 06/05/2011, na Wine O´Clock de Lisboa, estive presente na Grande Prova Quinta do Noval que contou com a presença e os comentários da Directora Comercial Rute Monteiro. Mais uma vez, parabéns à Wine O'Clock por conseguir proporcionar provas com esta qualidade.

Maria Mansa 2010 Branco
Cor amarela muito clara, quase incolor, muito brilhante e transparente. Aromas a liches, fruta tropical, alguma pêra cozida, muito fresco e algo adocicado. Na boca revela acidez fina, boca com presença, muito fresco e frutado, com muita lima. Termina com elegância. .

Maria Mansa 2007 Tinto
Cor rubi definida, límpida e com lágrima fluída. Aromas com destaque para a fruta vermelha madura, com notas florais e alguns baunilhados discretos. Boca a mostrar estrutura, com vivacidade com ligeira adstringência inicial. Ainda novo mostrar muita garra. Final persistente.

Cedro do Noval 2007 Tinto
Cor rubi de média concentração, intenso e vivo. Plano aromático inicialmente um pouco fechado muito devido a temperatura a que foi servido, mas abrindo aos poucos e mostrando muita fruta vermelha e boas notas florais acompanhadas de leves tostados, especiarias e madeira muito bem harmonizada com o conjunto. Na boca apresenta-se suave, com continuidade de presença da fruta, bem balanceado, com estrutura e um final de boca longo.

Labrador Syrah 2008 Tinto
Cor rubi central com ligeiro violetas no bordo do copo. Não totalmente opaco, todavia de elevada concentração. Aromas com fruta vermelha e preta, alguns florais e tostados. Na boca revela taninos suaves, maduros, mais uma vez com boa presença da fruta, muito equilibrado e complexo. Final de boca em crescendo.

Quinta do Noval Doc 2007 Tinto
Cor pupura d média concentração, com aromas intensos a fruta vermelha e preta, muita amora silvestre. Em fundo as notas florais, com tosta e especiarias presentes num conjunto bastante fresco. Na boca percebe-se um vinho com corpo, gordo e untuoso nos lábios, com muita fruta, boa acidez e muito equilibrado. Enche a boca toda.

Quinta do Noval Doc 2008 Tinto
Cor granada de média concentração, definida e atraente. Aromas intensos a fruta vermelha e preta bem madura, com madeira bem casada e com notas florais presentes. Na boca destaque para a suavidade, veludo, untuoso, gordo, um corpo espectacular. Com uma estrutura a garantir bom envelhecimento na certa. O ano de 2008 no Douro foi generoso. Guardar e aguardar.

Noval Tawny 10 anos
Cor alaranjado escuro, fazendo lembrar os tijolos maciços. Aromas com boa presença de fruta seca, com relevo para a noz, avelã e amêndoa, com algum iodado inicial. Suavidade na boca, com notas de caramelo e nozes. Final com alguma secura.

Noval Black
Cor muito negra, opaca, "preta". Muito concentrado. Aromas intensos a fruta vermelha e preta em compota, muita cereja espapaçada e algum cacau. Na boca nota relevante para o adocicado, fruta em compota, com boa estrutura e final de boca de médio comprimento.

Quinta do Noval LBV 2004
Cor rubi muito concentrado e fechado. Aromas muito elegantes a fruta vermelha em compota, sem excessos. Boca suave, sem álcool em desequilíbrio, muito figo seco, fruta passa, com notas adocicadas e algum melaço. Final de boca extenso, bem extenso. Muito bom.

Quinta do Noval Vintage 2008 
Cor quase opaca, muito escuro, concentrado e com lágrima duradoura e de aspecto melado. No nariz grande intensidade e complexidade. Fruta em compota, muito floral e fresco, verdadeiramente aliciante. Boca com muita pujança e vivacidade, com um equilíbrio notável de doce, estrutura de corpo e álcool. Excelente. O final de boca é duracell. Parece não ter fim e queremos que não tenha. Grande Porto, Grande Vintage.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Couteiro-Mor 2010 Branco

Características
Tipo:
Branco
Castas: Antão Vaz, Chardonnay, Roupeiro e Arinto
Região: Alentejo
Teor Alcoolico: 12,5 %
Produtor: Sociedade Agricola Gabriel Francisco Dias
Preço: 2,60€ pvp

Nota de Prova
Branco de cor amarela claro, cristalina e com ligeiro esverdeado. Aromas intensos e austeros a fruta citrina, alguma maça verde, floral e ligeira sensação a banana. Muita mineralidade. Na boca revela-se fresco, citrino e com um nivel de acidez muito vivaz e interessante. Revela ser um vinho meio-seco, com final de boca sólido, apetecível  e muito limonado. Nota positiva para a relação qualidade/preço; nota negativa para a qualidade da rolha.

Classificação: 75/100

terça-feira, 7 de junho de 2011

Porto Oiro da Cepa

Características
Tipo:
Porto
Castas: n/a
Região: Douro
Teor Alcoolico: 19 %
Produtor: Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, SARL
Preço: n/a

Nota de Prova
Dia de aniversário do meu Tio Manuel e eis que me surge com esta garrafinha, nem sabe bem o ano da dita, mas que diz contar já com algumas décadas em cima.Vamos a isso! - dissemos todos - e assim foi. Cor já de um âmbar escuro, muito límpido, com laivos esverdeados e acastanhados nos bordos do copo. Aromas intensos a fruta seca e passa, muita amêndoa e noz, algum melaço, casca de laranja confeitada e leve iodado. Ou seria vinagrinho? Na boca, para minha surpresa, ainda um vinho vivo, muito untuoso, com corpo, com notas de melaço, uva passa branca e ligeiro caramelo. Final de boca longo e persistente. Fiquei surpreendido. Não estaria à espera de tanto.

Classificação: 80/100

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Bolonhesa de Soja e Feijão com Esparguete

Saudável. Acima de tudo uma receita que engana muitos quando bem cozinhada. Esta ficou uma delicia para não variar.

Ingredientes:
- 150g de Soja Texturizada Fina
- 1 Cebola média
- 5 Dentes de Alho
- 2 Tomates Maduros
- Vinho Branco
- Azeite
- 1 Caldo de Carne
- Molho de Soja
- 100g de Feijão Encarnado Cozido
- 1 Folha de Louro
- Sal
- Pimenta


Preparação:
Coloque a soja durante 30 minutos num recipiente com água quente. Numa frigideira, faça um refogado com a cebola e os dentes de alho finamente picados e azeite. Junte depois a folha de louro, os tomates picados, o caldo de carne e um copo de vinho branco. Deixe levantar fervura. Junte a soja já hidratada e tempere de sal e pimenta. Mexa constantemente. Junte duas ou três colheres de sopa de molho de soja. Deixe apurar. Entretanto, num recipiente misturador, reduza a pasta 100g de feijão Encarnado cozido coberto com a água da cozedura. Adicione à soja mexendo bem. Acompanhe com Esparguete branco.

domingo, 5 de junho de 2011

Quinta da Alorna 2009 - Colheita Tardia

Características
Tipo:
Branco
Castas: Fernão Pires
Região: Tejo
Teor Alcoolico: 11 %
Produtor: Sociedade Agricola da Alorna, SA
Preço Médio: 10€

Prova
Podemos encontrar já no mercado o colheita tardia da Quinta da Alorna 2009. O colheita tardia feito a partir da casta Fernão Pires está este ano ainda melhor que os anteriores e o preço voltou a descer em relação ao ano anterior.
De cor amarelo palha levemente dourado, muito brilhante e com lágrima bem definida. Os aromas, não sendo de uma intensidade elevada, presenteiam-nos com muita fruta tropical, alguma lima, notas bem presentes de mel e frutos secos com relevo para amêndoa. Na boca não é um colheita tardia demasiado doce e enfartado, apresenta-se leve, muito equilibrado e harmonioso, com continuidade da fruta, mel e fruto seco e com um nível de acidez muito interessante para este tipo de vinho, não o deixando chato em nenhum momento. O final de boca é persistente.

Classificação: 80/100

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Prova Especial de Vinhos do Porto da Ramos Pinto na Quinta de Ervamoira

No passado dia 22/04/2011, no decurso da minha visita à Quinta e Museu de Ervamoira, efectuei a convite uma prova especial de Vinhos do Porto da Ramos Pinto. Mais uma vez, agradeço à Sónia Teixeira toda a disponibilidade e amabilidade que teve connosco durante toda a tarde.

Ramos Pinto Collector Porto Reserva - Cores de tonalidade avermelhado escuro do centro para os bordos do copo num avermelhado mais claro. Límpido e brilhante. no nariz muita fruta vermelha madura, macerada e compota. Na boca apresenta-se com uma estrutura licorosa, com presença da fruta, equilibrado e com boa acidez. Final de boca de média persistência.

Ramos Pinto Adriano Porto Reserva - Cores de tonalidade avermelhado e alaranjado, de aspecto límpido. No nariz é intenso com notas de fruta fresca predominantemente vermelha e com os aromas a frutos secos e alguns balsâmicos a aparecer com boa harmonia. Algum caramelo no final do copo vazio e notas a folha de tabaco. Na boca é profundo, licoroso, com um excelente equilíbrio de doce e álcool, muito suave, mas acima de tudo, elegante.

Ramos Pinto LVB 2001 - Cor rubi/vermelho opaco e profundo com aromas a fruta vermelha e preta madura, algum figo, casca do figo e com notas leves de madeira. Na boca é muito suave, aveludado, percebendo-se um equilibrio notável entre todas as partes. Com corpo e vivacidade para uma evolução em grande O final de boca é longo, persistente e muito suave.

Ramos Pinto Porto 10 Anos Quinta de Ervamoira - Cor tijolo, com laivos esverdeados no bordo do copo. Aromas intenso a casca de laranja, ameixa passa e algum melaço. Em fundo o bom casamento com a madeira resultando um suave baunilhado. Na boca é untuoso, gordo, muito polido e suave. Continuamos a ter a presença da fruta e da casca de laranja confeitada. Final de boca longo, persistente e frutado.

Ramos Pinto Porto 20 Anos Quinta do Bom Retiro - Cor muito bonita, um âmbar alaranjado bem definido, com rasgos de leves esverdeados e de lágrima persistente. Os aromas são intensos, vivos, com presenta de fruta passa e fruta seca em abundância, alguns tostados, caramelo da régua e mesmo grão de café. Sente-se um leve iodado também muito interessante. Na boca é excelente. Corpo, estrutura, equilíbrio, fruta seca, acidez, álcool tudo em perfeita harmonia. Um portento este 20 anos. O melhor da tarde.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Visita à Quinta e Museu de Ervamoira

No passado dia 22/04/2011 tive o prazer de visitar a Quinta e Museu de Ervamoira da Ramos Pinto situado em Vila Nova de Foz Côa. A visita teve inicio em Muxagata onde a Sónia Teixeira, da Ramos Pinto, nos esperava já com o jipe a aquecer para uma viagem por caminhos sinuosos,onde iriamos atravessar ribeiras, subir e descer montes e penedos, observar perdizes e chegar à Quinta de Ervamoira. Muito obrigado pela sua disponibilidade e pela alegria que tem em fazer o que gosta.
Chegar a Ervamoira e observar, de cima, a grandiosidade desta vinha não é algo que se veja todos os dias. José Ramos Pinto Rosas encontrou aqui o lugar perfeito para no Douro conseguir um terreno onde pudesse mecanizar todo o processo baixando assim os custos de produção. A Quinta de Santa Maria, posteriormente rebatizada de Quinta de Ervamoira, foi o local ideal. Dois anos depois da aquisição em 1974, esta tornou-se a primeira Quinta do Douro a ser plantada ao alto e por talhões, onde cada talhão correspondia à plantação de uma casta diferente.
Mais tarde, com o inicio dos trabalhos de construção da Barragem do Côa, a Quinta de Ervamoira esteve em risco de ficar submersa. Todavia, com a descoberta das famosas Gravuras de Foz Côa, os trabalhos pararam e em 1996 quando por ordem do então recentemente eleito Governo Português foi posto um ponto final definitivo da construção da barragem, acabaria o pesadelo e seriam então plantadas as sementes de um novo projecto: o Muse de Ervamoira. Com a inauguração do mesmo em 1997 pelo então Ministro da Cultura, o Prof. Doutor Manuel Maria Carrilho e com a decisão da UNESCO de elevar as gravuras do Vale do Côa à categoria de Património da Humanidade, a Quinta de Ervamoira teve o privilégio de se converter na primeira quinta vinhateira a usufruir do título de Património da Humanidade.
No final da visita, numa verdadeira esplanada para a vinha e com uma paisagem em pano de fundo de cortar a respiração, efectuamos a prova de três vinhos do Porto da Ramos Pinto.
Ramos Pinto Porto Dry White - Apresenta cor amarela palha clara, com aromas muito frescos, com notas de mel, figo seco, alperce e uva passa. Algum verniz. Na boca pesar de corpolento, é elegante e mantém a frescura do nariz, boa acidez e muito equilibrado. Final seco e persistente.

Ramos Pinto Porto Lágrima Branco -Cor amarelo dourado, brilhante e atractivo. Plano aromático intenso com fruta doce, fruta passa. mel, flor de laranjeira e muito floral. Na boca cremoso, untuoso e gordo, sensação a doce de melaço,todavia não sendo pesado. Final de boca persistente.

Ramos Pinto Porto Lágrima Tinto - Cor ruby com traços avermelhados veludo. No nariz destaque para a fruta vermelha e preta compota, alguma amora e ameixa preta bem maduras. Na boca um lágrima menos doce que o brnaco, muito redondo, equilibrado e com continuação da fruta madura. Final persistente. 

Mais tarde, e após um reconforntante olhar pela paisagem, lugar a uma prova especial de Vinhos do Porto da Ramos Pinto da qual darei nota amanhã.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails