terça-feira, 12 de junho de 2012

Blogger | Ser Ou Não Ser? Eis a Questão.

 
Nos últimos dias, em virtude de Jamie Goode, também ele autor de um Blog de Vinhos, ter dito a seguinte frase, "Blogging is dead! People now realise that a blog is just one of many communication tools. I blog, but I'm not a 'blogger'.", voltei a ouvir falar de um tema que de vez em quando volta a ser assunto em terras lusas. Afinal, faz ou não sentido intitular-me de Blogger Vínico? A questão é um pouco matreira, quiça um pouco filosófica, mas tem a sua razão de ser principalmente se olharmos à evolução dos social media disponíveis e a facilidade com que cada vez mais podemos aceder a cada um. Como diz o João Pedro Carvalho no seu Copo de 3, quando muitos de nós começámos já a alguns anos atrás, ser autor de um Blog era o must, o máximo dos máximos dos social media para divulgar uma simples opinião ou conteúdos complexos acerca de que tema fosse. Não vou tão longe com tu JPC. Deixei de ser Blogger?, I don't think so! Também no Pingas No Copo se toca recentemente neste tema no seu último post. Ao de leve, mas está lá. O ponto de foco então era o Blog e hoje o que somos?
A verdade é que hoje, o dito Blogger, tem para além do Blog uma página no facebook, um conta no twitter, um scoop.it, uma newsletter e mais não sei quantas formas de efectuar a sua comunicação. A este tipo de "comunicador" poderemos apenas chamar-lhe Blogger? Será este sujeito um Blogger? Nos cartões que alguns de nós temos poderemos sem pudor alterar o titulo para freak dos social media? Algo mais soft?
Ou nada disto realmente interessa? É que esta hipótese também pode fazer sentido. 
Sem querer cair no abismo de se voltar a questionar o que é no fundo um Blogger Vínico, considero que alguma coisa está a mudar neste âmbito. O actual Blogger tem um papel a interpretar nesta questão, assim como o produtor que parece procurar cada vez mais neste meio divulgar os seus produtos.
O Blogger ainda cá está, mas sem dúvida que está a nascer um novo bicho, um ser mutante com outros poderes para além do simples Blog. Vou aguardar com interesse o desenvolvimento dos próximos episódios.

12 comentários:

  1. Meu caro, somos tão amadores, que faz impressão como é que atacamos tão áreas?
    Será que todos os blogues, e seus autores, acreditam piamente nisso que falas ou vão na corrente para não ficar atrás? Di tipo não gosto: mas tem que ser? ;)

    ResponderEliminar
  2. Caro Janeiro, se me permites a intromissão, deixo aqui a minha opinião.
    Jamie Goode não é comparável a ninguém em Portugal, primeiro porque há muito deixou de limitar a sua atuação no meio à mera apreciação de vinhos e divulgação de eventos. JG é um agente ativo na comunidade vínica britânica. Tem uma influência muito grande nos consumidores britânicos e tem uma projeção internacional. Os produtores de todo o mundo querem ter os seus vinhos provados por ele. Estás a ver a diferença? Estás a ver o dilema dele?
    Se a questão fosse mesmo a divulgação em múltiplas plataformas, a validade da sua afirmação era nula, se a intenção dele for continuar a escrever naquele espaço, então continua a ser blogger.
    Parece-me que, na realidade, se passa o contrário, ou seja, ele quer é deixar de ser considera um blogger, os motivos não os tentarei adivinhar…. Mas presumo!
    O “problema” dele parece-me que, dada a sua actividade quer ser considerado Jornalista, nada de novo afinal, muitos dos blogs que agora se apaixonam pela sua conveniente declaração andam há anos a dizer barbaridades do Rui Falcão por este ser normalmente apresentado como jornalista.
    Vamos ver por onde andam essas coerências, essas espinhas e esses rins! Vou ficar sentado…. À espera!

    ResponderEliminar
  3. Desculpem-me intrometer-me aqui no meio dos bloggers.Na essencia vocês continuam a ser bloggers,agora nos tempos que correm,na quantidade de plataformas em que se deslocam e usam,cada vez são mais vistos,lidos,criticados,elogiados,etc.O que acontece?o que levavam 10 anos a fazer ou a evoluir,agora demora dez minutos e é essa evolução rápida que anda a assustar uns que não querem evoluir,mas que vão ter que evoluir, outros que cheiravam e aperceberam-se à mais tempo desta transformação foi para eles a cereja em cima do Bolo.Para muitos ser Blogger não chega,têm outros projectos mais ambiciosos,com todo o direito,mas nunca vão deixar de ser Bloggers.Penso que a figura Blogger nunca vai desaparecer,pois por cada um que se dedique a outra actividade,será substituido por um novo Blogger.

    ResponderEliminar
  4. Ora grande Antonio Maria. Tal como tu penso dessa maneira. O Blogger nunca desaparece. Tenho o cuidado de o dizer no post. O que existem são novas plataformas que EU uso para potenciar o Blog. No fundo são formas de buscar mais leitores. As paginas de facebook dos bloggers não são nada de novo diferente, no meu caso coloco mais noticias, mais press releases, mas no fundo a ideia é puxar o vicio para o Blog. António, tás lá.

    ResponderEliminar
  5. Pingus, Um dos meus onbjectivos foi tentar ver se isto tremia. Tremeu. Deu para sentir. O tipo que vai na fila indiana continua a ir. Mas já reparás-te que muitos continuam a ir na onda? Continuam num mesmo sentido onde nunca podem ser beliscados? Qto menos arricar em publico menos sofro. é isso. Tem de ser e pronto.

    ResponderEliminar
  6. Hugo, antes demais dizer que prezo muitos os teus comentários sejam eles mais doces ou acres. Essa é uma questão pertinente. A do Jornalista. Tambvém vou ficar à espera pois acho que são muitos os que querem chagar a esse titulo.

    ResponderEliminar
  7. Tanta loucura. Um Blogger é um Blogger! Gosto! Quero lá saber se tem outras plataformas. Se me fazem chegar a Blogs com qualidade como este, que seja. Se o seu autor hoje é Blogger, amanha é Dlogger e no dia seguinte é flogger, que raio isso interessa se ele mantiver o Blog e a sua manutenção como até hoje.
    Também concordo com o Sr. Antonio Maria, "Na essência continuam a ser bloggers"

    ResponderEliminar
  8. Estou completamente de acordo com a frase do António Maria, "Na essência continuam a ser bloggers" ... tudo fica explicado assim desta forma simples. Como disse ao Carlos, no meu texto apenas digo que deixei de ser Blogger, acho que o que faço hoje nada tem a ver com o que fazia quando comecei... muita coisa mudou, muito tem vindo a mudar e há tanta ferramenta nova à nossa volta que nada é hoje como era antes. Mas a essência blogger continua viva, o blogging não morreu... continua vivo e com saúde, estes comentários que aqui leio são prova disso mesmo.

    Hugo, o Jamie Goode sempre que veio a Portugal foi tratado como jornalista, agora até pode querer desmarcar-se da cena blogger e está no seu direito, só não partilho da opinião em que ele diz que o blogging morreu... de resto acho que o ser Blogger já não é como foi... por isso mesmo escrevi o que escrevi.

    Sobre a cena de apresentar como jornalista... em Portugal só é Jornalista quem tem carteira profissional, basta ires ao http://www.ccpj.pt/ e vês quem tem e quem não tem.

    ResponderEliminar
  9. Sobre o jornalismo, é coisa que não interessa nada!
    Janeiro, como disse, fizeste tremer e devias fazer tremer mais ainda. É que estou farto, para além de velho, de andar sozinho ;)
    Outra, sobre o risco, não tenho qualquer dúvida que a prática é o "nim" ou do "deixa-me estar aqui quietinho e só falo às escondidas."

    ResponderEliminar
  10. João, estou baralhado. és blogger, mas já não és Blogger.... mas isso já todos sabemos, o novo acordo ortográfico acabou com isso.
    agora, o conceito de médico, de policia, de professor, de enólogo não evoluiu? O conceito de politico, de benfiquista, de carteirista e de ladrão, não evoluiu? Vamos dar-lhe um novo nome?
    Isto já me faz lembrar aquele sketch dos gato fedorento sobre o nome do casamento homosexual:
    http://www.youtube.com/watch?v=Zr9vgAnmfR4

    Eu vou fazer o papel do tipo que não complica. tenho um blog... sou um blogger.

    ResponderEliminar
  11. Será um blogeer com outras "armas". Um blogger porque usa a plataforma Blog, mas usa outras plataformas para comunicar?

    ResponderEliminar
  12. Antes de bloger ou outra coisa vínica qualquer talvez sejamos enófilos não? Casos há em que ficamos na dúvida quem terá aparecido primeiro o blogger ou o enófilo. O blogger vínico deveria surgir porque, no momento em que se decidiu publicar alguma coisa sobre vinhos, era a plataforma mais adquada (mais simples, mais iterativa, com um bom cunho de identidade …etc.). Blogger, para mim, faz sentido única e exclusivamente enquanto aqui estes prossupostos forem os melhores.

    ResponderEliminar

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails