terça-feira, 5 de junho de 2012

Blogger's Day na Herdade do Mouchão‏ | Os Vinhos

"Os 38 hectares de vinha são constituídos por diversas parcelas, colocadas em diferentes pontos da propriedade.
As mais antigas situam-se em solos de aluvião, numa zona única e irreproduzível, perto da adega, e estão particularmente vocacionadas para a produção de uvas de Alicante Bouschet de elevada qualidade.
Esta casta encontrou na Herdade do Mouchão um “terroir” de eleição
."


Os vinhos foram escolhidos pelo John da Herdade do Mouchão e numa ordem que acabaria por fazer todo o sentido. O local da prova? Na adega, por entre as barricas e paredes que fazem pare da história da casa.

Dom Rafael 1996 Tinto: Cor tijolada de concentração média no núcleo, bastante menos densa nos bordos. Aroma intenso a fruta muito madura, madeira bem integrada, especiarias e leves notas a frutos passa. Na boca ainda guloso e com uma secura no final de boca bastante interessante par a sua idade. Final persistente.

Dom Rafael 2010 Tinto: Cor rubi, aspecto jovem e lágrima visível e persistente. Nariz com predominancia da fruta, madura, com notas de madeira nova, ligeiro adocicado. Boca com boa estrutura, de secura média e com boa fruta . Bom comprimento de boca, sempre fresco.

Ponte das Canas 2009 Tinto: Aqui começámos pelo mais novo. Cor rubi, ligeiro granada com tonalidades violetas e de aspecto límpido. No nariz a fruta vermelha, algum álcool acima da fruta que também tapou um pouco as notas de madeira nova. Na boca a sensação de álcool sobrepõe-se ao conjunto e acidez não acompanha esta sensação. Final prolongado mas um pouco carregado.

Ponte das Canas 2006 Tinto:  Mais uns anos de garrafa e continuamos com um bonito rubi de concentração média, ligeiros atijolados mesclados com rasgos violetas. Aroma com fruta em bom plano, o álcool sente-se mas um pouco mais escondido do que no de 2009, notas licorosas e notas vegetais interessantes. Boca macia, com secura marcante, as notas de álcool voltam a surgir. Final de boca longo, mas com o rasto do travo de álcool.

Mouchão 1984 Tinto: Primeira nota de admiração na cor. Que cor! Um atijolado espesso, de núcleo concentrado, escuro, lembra o tijolo maciço e o barro. Aromas com marca de fruta seca e passas, adocicado, ligeiro cacau, guloso. Boca com atrito, boa acidez, seguro, maduro, com vida ainda pela frente e com notas voláteis de álcool. Boca vivaz, notas balsâmicas, ainda com comprimento e frescura. Muito interessante para a idade.

Mouchão Colheitas Antigas 2002 Tinto: Cor concentrada, de uma granada atraente e com lágrima de aspecto escorreito. Aromas com fruta bastante madura, madeira em excelente integração, subtil, notas especiadas e agradáveis tostados. Na boca está brutal, pujante, com vida, acidez no ponto para este tipo de vinho não tocando na frescura da fruta. Final intenso e extenso, longo, longo, longo....

Mouchão 2007 Tinto: Este ainda não foi para as prateleira. Que pena. Do tipo de vinho que nos coloca um sorriso na face e um turbilhão de expectativa para o momento em que estará à venda. Cor rubi, limpo, com lágrima já espessa no correr pelo copo. Aroma fino, elegante, fruta madura, toque certo da madeira e de especiaria, complexidade e desafiante. No palato enche-nos por completo, vivaz e gordo, posante. Grande vinho. Acidez ideal apenas com necessidade de arredondamento, por mais um pouco, dos taninos, todavia já muito acima da fasquia. Grande final. Deixa vir o dia.

"Nas outras vinhas situadas em zonas mais elevadas, em solos de boa drenagem, castas tintas autóctones tradicionais como a trincadeira, o Aragonez ou o Castelão, partilham os encepamentos com algumas castas brancas como o Antão Vaz, Arinto e Fernão Pires."

Sem comentários:

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails