terça-feira, 29 de maio de 2012

Assobio 2010

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga Franca
Região: Douro
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: Esporão , SA
Preço: 7€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à Esporão SA pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Uma novidade com sabor a continuidade.Apresenta cor rubi, concentrado, profundo, com laivos violeta escuros, cor muito atractiva e cativante. No nariz revela boa intensidade a frutos vermelhos maduros, algum frutos silvestre preto como a amora, notas especiadas e tostados bem integrados. Sem mácula. Na boca continuamos a sentir a fruta, com frescura e uma jovialidade notória. O equilíbrio dado pela acidez fina torna-o mais elegante, ligeiramente seco no final, com boa extensão e prazeiroso. Tal como o do ano anterior está pronto a beber, mas mais uma vez irei comprar uma garrafita para "testar" a sua longevidade com qualidade. Acho que tem o que é preciso para ser aberto em 2014 sem qualquer problema.


Classificação: 88/100

"BARCA VELHA – Histórias de um vinho" - de Ana Sofia Fonseca

O Barca Velha nasceu em 1952. Sessenta anos e dezassete colheitas depois, continua a ser o mais conceituado vinho de mesa português – pela sua qualidade singular, mas também pela história que herdou e construiu. A saga de uma jóia do Douro. 
Neste livro contam-se as histórias que fazem a história do Barca Velha. A singularidade do mais conceituado tinto português está tanto nas gentes que lhe dão alma, como nos segredos da sua receita. Surge em colheitas excepcionais – em sessenta anos de existência conta apenas dezassete rótulos. É o único tinto que só chega ao mercado depois de uns oito anos a maturar em garrafa. E é o mais disputado nos leilões.
Os socalcos encosta acima, o rio lá em baixo, as vinhas a perderem de vista. A terra mágica. Homens e mulheres a suarem na vindima, o mosto a fervilhar na adega. O glamour das vidas dos proprietários, a dureza da sina dos trabalhadores, a alquimia do calendário dos enólogos. Os mistérios das quintas e das caves de Gaia. A saga de D. Antónia Adelaide Ferreira, que se aventurou num mundo para lá do fim do mundo. O génio de Fernando Nicolau de Almeida. Contra tudo e contra todos, o sonho de um tinto de excepção, num tempo em que o país bebia zurrapa e ninguém imaginava o Douro Superior como berço de vinhos de mesa. E as aventuras de hoje – ambições, negócios, novos sonhos.
Através de uma pesquisa exaustiva e com a ajuda de muitos testemunhos, a autora Ana Sofia Fonseca leva-nos ao Douro e à intimidade de um vinho com histórias próprias de romance.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Young Winemakers of Portugal: Os Vinhos

Dando continuidade ao artigo acerca do jantar de apresentação do Projecto Young Winemakers of Portugal, chegou agora a vez de conhecer os vinhos provados e bebidos nessa noite fantástica.

Clip Loureiro 2011: Cor amarela citrina de aspecto límpido e brilhante. Citrino no nariz, com intensidade mineral, notas de toranja e algo floral. Leve e descontraído na boca, continuidade cítrica, seco e muito fresco.
86/100

Camaleão 2011 Sauvignon Blanc: Inovação. O rótulo térmico muda de cor consoante a temperatura do vinho. Azul está pronto a beber. E estava azul. No copo é um Sauvignon Blanc. Intenso aromaticamente a fruta tropical, com ligeiras notas de espargos acabados de colher, fresco e muito cativante . Na boca sente-se algum corpo e ligeira untuosidade, continuidade da fruta e muito fresco. Uma secura e acidez no ponto dando bastante elegância a este vinho.
89/100

Contraste 2010 Branco: O branco entrada de gama, mas já um pouco acima dessa faixa. Cor quase translúcida, límpido e cristalino. Aromas complexos, com notas inicias bem presentes a fermento, depois notas florais  e alguma fruta de caroço cozida, um citrino fresco logo de seguida, mineral. Que voltas dei a este. A boca apresenta-se muito frutada, fruto exótico, com cremosidade, suavidade ao toque. Prazeiroso. Aquele toque mineral e fresco no final é delicioso. Para gama de entrada... começamos muito bem.
89/100

Conceito 2010 Branco: Aqui foi entrar num perfil de branco que já conheço e que gosto. Este 2010 não engana.Cor de uma amarelo definido. No nariz intensidade de aromas a fruta exótica, muita fruta fresca, toques de madeira subtil, mas presente e a presença mineral. Na boca continuamos com todas as notas já presenciadas anteriormente. A fruta e a madeira em perfeito equilíbrio com a acidez, frescura e mineralidade.  Fino e elegante. Bola longa e persistente.
91/100

Vadio 2010 Branco: Este foi um daqueles que ficou cá bem marcado. Muito bom. De cor citrina, quase incolor, muito brilhante. Belo bouquet de aromas, com ameixas brancas, nêsperas e notas minerais no ponto. Transmite frescura. Boca com corpo, bela acidez, ameixa branca meio verde e limas. Final seco.
91/100

Conceito Nova Zelândia Sauvignon Blanc 2011: Em relação ao provado anteriormente gostei mais deste no plano aromático. Simplesmente brutal (posso dizer isto assim?). Uma mousse de manga deliciosa, inebriante e fresca. Na boca prefiro o anterior embora se mantenha um nivel de secura que adoro, mas aqui mais frutado e com menos madeira. Muita pujança até ao final.
91/100

Hobby Fernão Pires e Chardonnay 2010: De cor amarelo palha seca, leves dourados, cativante ao olhar. Aromas delicados, com notas de fermento, um creme de leite guloso e alguma fruta exótica em fundo. Na boca o primeiro contacto acontece com alguma sensação de creme, untuoso, muito directo e fácil de agradar. Não está para muita complicação.
88/100

Hobby Antão Vaz 2010: Cor amarelo claro, laivos esverdeados, límpido, brilhante e de aspecto translucido. Aromas discretos e delicados, um pouco fechados, a fruta tropical está lá, mas sem o excesso que o poderia tornar monótono. No palato a fruta aparece com mais evidência, mas mais uma vez sem exageros, bom equilibrio com a acidez que o mantém fresco e vivo até ao final de média duração.
87/100

Hobby 2008 Tinto: Cor rubi, vermelho vivo, de concentração média e de aspecto cristalino. Aromas a fruta vermelha madura e algo especiado. Boca com força, pujante, bons taninos e com boa frescura. Um vinho equilibrado e para um ano como o 2008 no Alentejo, muito elegante. Final longo.
89/100

Vadio 2007 Tinto: Este foi para mim um dos vinhos da noite. Casou na perfeição com o prato apresentado e mostrou-se um baga fenomenal. Cor granada, com laivos acastanhados e de concentração média. Aromas com muita fruta vermelha e preta, boas notas de madeira, especiado e notas de caixa de tabaco. Tudo muito bem casado. Na boca o céu. Guloso e temperado. Com uma acidez fabulosa, elegante e para durar a noite toda. Final duracell.
93/100

Conceito 2007 Tinto: Cor rubi de média concentração, límpido após passar pelo decanter. Nariz com aromas maduros, muita fruta madura, compota, seduz logo desde o inicio. Na boca revela-se pujante, vivo, com força. A fruta aparece sem se dar muito pela passagem por barrica. Final persistente.
93/100

terça-feira, 22 de maio de 2012

Decanter World Wine Awards 2012: Aqui Estão os Resultados!

 A Decanter já divulgou quais os Vinhos premiados deste ano. Os vinhos portugueses, mais uma vez, apareceram com muitos premiados o que reforça a ideia de que Portugal é cada vez mais um dos grandes produtores de vinhos de qualidade do Mundo.

Decanter Regional Trophy Portugal

Decanter Gold Medal Portugal

 Clique na imagem para aumentar

Todos os prémios na página da Decanter.

domingo, 20 de maio de 2012

Young Winemakers of Portugal

No passado sábado, 12 de Maio, no Restaurante GSpot em Sintra, teve lugar o Jantar de apresentação do Projecto Young Winemakers of Portugal. O grupo, constituído por jovens enólogos, idealizou esta apresentação dentro do mesmo sentido de irreverência, ousadia e introdução de sangue novo. Optou por um restaurante que também ele respira todos os predicados da juventude e por convidar jovens jornalistas, bloggers e outros que tal (como disse o André Ribeirinho). 
Este grupo é constituído por: Luís Patrão (Vadio); Diogo Campilho e Pedro Pinhão (Hobby); João Maria Cabral (Camaleão); Pedro Barbosa (Clip) e Rita Marques (Conceito).

A noite começou como se exigia. Com a apresentação do projecto e com uma descontraída conversa e prova de alguns dos vinhos de cada um dos enólogos que deu lugar a bons momentos de conversa informal entre todos os presentes.


Depois o durante o jantar fomos brindados ou deverei dizer mimados com a excelência da cozinha do GSpot. Inicio com um Alfonsinho marinado e Percebes da Praia das Maçãs com o Clip Loureiro 2011; de seguida o Creme de Chufas com Foie Gras lado a lado com o Camaleão 2011; o Hobby 2010 Branco Fernão Pires-Chardonnay acompanhou a Espuma de batata com crumble de especiarias... delicioso; seguiu-se o Peito de novilho estufado com molho de alcaçuz e couscous com o Hobby 2008 tinto; depois um cachorro Vadio de borrego com ketchup de pimento com o Vadio tinto 2007; com a extraordinária Preconceito A Cabidela o Conceito Tinto 2007 casou na perfeição e por último o Conceito Vintage 2007 em harmonia com o Bolo de Chocolate e alfarroba com sorvete de framboesa. Sem dúvida que valerá a visita de qualquer um de vós.

Das notas de prova de todos os vinhos darei conta no artigo seguinte pois este será apenas para demonstrar como foi o ambiente da apresentação sem o formalismo das provas de outros eventos.
Por fim, o desejo de sucesso a este novo projecto, que trás consigo vinhos com qualidade e a vontade e o querer de gente jovem a trabalhar em equipa. Força!

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Loios 2011 Branco

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Arinto, Rabo de Ovelha e Roupeiro
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: João Portugal Ramos Vinhos, SA
Preço: 3€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à J. Portugal Ramos Vinhos SA pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
A minha maior nota de destaque neste vinho vai para a novidade da apresentação. Verdade seja dita rótulo sóbrio, simples e directo, que cativa o olhar e uma garrafa também ela diferente da anterior edição com personalização no vidro com a assinatura do produtor. Gostei.
Revela cor citrina com ligeiros esverdeados de tonalidades claras, limpido, brilhante e de aparência jovem. Aromas de perfil citrino, lima madura, ligeiro abacaxi e ameixa branca com uma mineralidade não esperada. Um pouco complicado. Melhora na boca, suave, boa dose de fruta citrina, com frescura, acidez no ponto, tudo muito certinho e com os 12,5º de álcool a atribuírem uma leveza estranha ao vinho.De inicio poderia dizer ser um vinho apenas para descontrair à beira da piscina, mas gostei mais dele com gastronomia. Boa relação qualidade-preço. Um branco para o verão em crise que se aproxima. Vale a pena experimentar.


Classificação: 77/100

Summer Wine Market 2012 - 16 de Junho

O Wine Market está de volta em edição especial de verão!
Uma tarde e noite de verão com alguns dos melhores vinhos de Portugal em ambiente informal onde é possível provar, escolher e adquirir os vinhos em prova.

Wine & Sushi - Uma das novidades do Summer Wine Market é a presença de Sushi Corner com diversas opções para tornar mais especial a prova de vinho no evento!

Onde e Quando?

O evento terá lugar no 16 de Junho entre as 17h e as 23:00h no Hotel Tivoli (Av. da Liberdade 185, Lisboa). A entrada custa 10 € e inclui um copo de prova. Não é necessária inscrição.

Horário para Profissionais - Entre as 15h e as 17h - Inscrição para profissionais (jornalistas, bloggers, lojas, restaurantes e outros) deverão ser feitas previamente através do seguinte email: sonia@adegga.com.

Lista de Produtores já confirmados

- Niepoort
- Quinta do Crasto
- Julia Kemper
- Casa de Mouraz
- Casa Ferreirinha
- Esporão
- J. Portugal Ramos
- Quinta do Pôpa
- Cortes de Cima
- Herdade do Peso
- Quinta dos Carvalhais
- Torre do Frade
- Quevedo
- Casa de Cello
- Azamor Wines
- Quinta do Filoco
- Quinta de Gomariz
- Young Wine Makers
- Herdade do Portocarro
- Quinta do Gradil
- Aveleda
- Herdade do Cebolal
- Poças
- João Barbosa & Filhos
- Quinta das Carrafouchas
- Quinta da Murta
- Quinta do Pinto
- MARKA
- Terras d'Alter
-Mais produtores a anunciar!
Visite o site do Summer Wine Market 2012

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Planeta Vínico

Convite feito, convite aceite. O Blog Comer, Beber e Lazer está agora também presente no Planeta Vínico.

O Planeta Vínico é um agregador de blogs que pretende reunir num único sítio o que de melhor se escreve em Portugal sobre o mundo do vinho e dos vinhos. São vários os conteúdos produzidos por vários autores relacionados com o vinho em Portugal e infelizmente estão espalhados por vários sítios e por isso nem sempre se consegue aceder a eles. 
O que o Planeta Vínico propõe é uma forma rápida e cómoda de seguir os melhores conteúdos, produzidos em Portugal, relacionados com o mundo do vinho.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

2004, Eu Sou Barca Velha 2004

 E soube-se à pouco que a novidade Barca Velha é do ano 2004. O Bet and Wine nãao deve ter lucrado muito neste dia pois era o resultado com mais apostas. Ainda assim é noticia. Mais não seja por ser Barca Velha.
Autor da foto: Andre Ribeirinho

Do You Wine Walk?

Em Novembro do ano passado, com a aproximação do Addega Wine Market, o Paulo Coutinho lançou um desafio. Efectuar um Wine Walk durante o evento liderado por Bloggers. Gostei da ideia e um pouco sem pensar respondi: - Conta comigo!
As regras eram simples e directas. Da lista de vinhos/produtores existentes e previamente disponibilizada pelo André Ribeirnho, seriam escolhidos 6 vinhos de, preferencialmente, 6 produtores diferentes e que se enquadrassem numa temática, por exemplo, melhor qualidade-preço, novidades, a minha selecção, etc. Seria definido com antecedência o percurso a tomar durante o evento, estabelecido o ponto de encontro e marcada a hora de inicio. A bem de se conseguir um nível de diálogo interessante e dinâmico o número de participantes seria limitado a 10. Posso dizer que foi gratificante e que só estou à espera do próximo evento do género e fazer o WineWalk 2.0 com algumas melhorias em relação a este.
Todavia, o que me fez reavivar este momento foi o artigo hoje publicado pelo Hugo Mendes no The Wizard Apprentice acerca do Summer WineMarket 2012 e da discussão que este despoletou acerca deste tipo de viagem enoturistica por entre bancadas de vinhos dos produtores.
Na minha opinião, este é sem dúvida uma acção em que se deve apostar, desenvolver e inovar ainda mais em relação à experiencia anterior. Os Bloggers são, sem dúvida, um dos intervenientes no mundo do vinho que mais podem dar ao despontar desta iniciativa nos eventos em Portugal. Gostam de comunicar, de transmitir conhecimento e de receber conhecimento. É isto que o Wine Walk deve ser. Liderado por um, mas com intercâmbio de experiências e conhecimento.
Gostaria que os Bloggers pensassem nesta hipótese como um "(...) dar vida às palavras (...)" que dia após dia se escrevem nos Blogs. Que tal agregarmos Blogs nesta ideia? Cada Blog escolhe um tema e 6 vinhos, com horários diferentes e temos num dia diversas perspectivas, dentro do mesmo evento e com a possibilidade até de cada blogger ir aos Wine Walks dos outros... se assim o entender. O que acham?

terça-feira, 15 de maio de 2012

Quinta da Canameira 2010 Rosé

Características
Tipo: Vinho Rosé
Castas: -
Região: Douro
Teor Alcoólico: 12%
Produtor: Sampaio e Melo Cabral, Vinhos de Quinta Unip, Lda
Preço: 5,50€ vap

Nota de Prova
O calor aperta e apetece algo fresco, leve e de prazer imediato. A escolha recai sobre um Rosé que estive a guardar para ver como seria passado algum tempo. Estava ainda impecável.
Cor rosada e salmonada, pouco concentrado, límpido e atraente. Aromas discretos, com notas de framboesa madura, algum morango, fresco e traços minerais apreciáveis. Na boca surge leve, fresco, mineral, com fruta ainda muito correcta e embora se note a acidez em fase decrescente, continua com vivaz. Directo e descomprometido e foi ideal para estes dias de calor. .

Classificação: 78/100

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Concurso Mundial de Bruxelas 2012: Vinhos Portugueses

E aí estão os resultados tão esperados do Concurso Mundial de Bruxelas 2012. Este ainda um dos certames a merecer respeito.
Aos vinhos portugueses couberam 297 medalhas: 10 Grandes Medalhas de Ouro, 93 Medalhas de Ouro e 194 Medalhas de Prata.  Com a curiosidade de se verificar que no prémio mais alto apenas foram contempladas duas regiões: Alentejo e Tejo e nos quais se destacam dois produtores por terem arrecadado duas Grandes Medalhas de Ouro cada. Foram elas a Herdade das Servas e a Quinta da Alorna. Fica a lista dos 10 Grandes Medalhas de Ouro e venham daí também os vossos parabéns.

Herdade das Servas Touriga Nacional 2008
Monte das Servas Colheita Seleccionada Tinto 2009
Cardal Tinto 2010
Portal da Águia Tinto 2010
Encostas de Estremoz Reserva 2009
Monsaraz Premium 2008
Palpite 2008
Poliphonia Signature 2008
Quinta da Lagoalva Castelão e Touriga Nacional 2010
Quinta de S. João Batista 2010

domingo, 13 de maio de 2012

Quinta do Quetzal Reserva 2010 Branco

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Antão Vaz
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Quinta do Quetzal- Sociedade Agrícola, Lda
Preço: 12€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à Quinta do Quetzal pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Branco Reserva Alentejano. 100% Antão Vaz com a mão de Rui Reguinga e José Portela.Cor citrina, palha seca com alguns laivos dourados, de aspecto límpido e brilhante. Nariz bastante complexo com a fruta tropical e as notas de madeira a predominarem, notas elegantes de tosta e algum baunilhado. Passei algum tempo apenas com ele nariz vai nariz vem. Na boca apresenta-se gordo, ligeira untuosidade e enche-nos a boca. O raio do vinho é guloso e pede gastronomia. Cativa-nos com uma complexidade no palato bastante agradável, com uma toranja apetecível e uma frescura que completa um conjunto pleno de harmonia. Tem um ligeiro travo vegetal no final de boca que me agrada. Persistente e sem dúvida com estrutura para acompanhar os nossos peixes em qualquer tipo de prato.

Classificação: 89/100

sexta-feira, 11 de maio de 2012

O consumidor de Vinho prefere a novidade ou a estabilidade?

Às vezes dou por mim a pensar um bocadinho. Eu sei. É melhor não fazer disso um hábito pois pode haver quem não goste. Mas a verdade é que às vezes lá aparecem aquelas interrogações, talvez devido à minha formação em Filosofia, e chega um momento que tenho de publicitar esses meus pensamentos.
A minha atenção vai desta vez para uma particularidade nos hábitos de consumo de vinho que, sem querer, tenho sido confrontado por diversas vezes.
Tenho observado ultimamente os hábitos do que chamarei normal consumidor de vinho, em contraposição a um tipo diferente de consumidor com o qual me identifico, e constato que uma grande parte desse número de consumidores de vinho quando encontra um vinho que gosta e a um preço que lhe agrada dificilmente muda num determinado período de tempo, tempo esse de média/longa duração.
Não é difícil ver aquele consumidor que até já sabe onde está a garrafinha que normalmente compra. Nem olha para as outras. A desviar o olhar só se para algum papel de cor berrante a indicar claramente PROMOÇÃO. Com o actual momento económico existe até o escudo da relação qualidade/preço que se levanta com muito mais rapidez que no passado. Se gosto e é barato porque haverei eu de mudar? - Ouço por vezes dizer.
Se estas minhas primeiras conclusões empíricas se confirmarem por mais alguns de vocês, isto quer dizer que toda a diversidade de vinho que existe em todo o mundo está na verdade apenas disponivel para alguns? Ou será que estou a generalizar demasiado?
Falando por mim, que estou sempre a querer conhecer vinhos novos e à procura de experiências novas, soa-me estranho ouvir certas frases de pleno conforto. Estou bem aqui por isso não arrisco. Daquele lado pode ser melhor, mas e se depois não é?
Compreendo assim que o trabalho de um novo produtor no mercado seja uma autêntica guerra. E quem diz o produtor diz a região produtora ou mesmo o tipo de vinho. - Eu só bebo tinto e do Douro. Branco é muito fraquinho, ácido ou o camandro de outra desculpa qualquer. Quem nunca ouviu dizer isto que ponha aqui um comentário. E as desculpas para os Rosé ainda são mais estapafúrdias. - Isso é restos do que não se vendeu de tintos e brancos, dizem alguns. Como gostamos de arranjar umas bruxas em tudo.
Quando encontro um vinho que me é desconhecido e que me agrada pergunto onde se vende. A resposta nesses casos prima sempre por uma delimitação de locais muito definida e às vezes ainda e só nas próprias adegas. Deixo o repto. Bora lá sair da zona de conforto e experimentar mais, viver mais o vinho e dar a oportunidade ao vinho para viver.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Harmonias ComProvadas: Bacalhau Com Presunto

A vigésima sexta prova do projecto Harmonias ComProvadas avaliou a harmonização entre vinhos nacionais e Bacalhau Com Presunto. Esta prova realizou-se no dia 2 de Maio novamente no templo do bacalhau, ou seja, A Casa do Bacalhau, em Lisboa.
 
Mais uma vez a Alexandra Maciel brindou aos presentes com uma noite inesquecível naquela que também foi a sua noite. Parabéns. O projecto ganha força e ganha também novos intervenientes.
Neste, para além do já habituais agradecimentos, ficam alguns particulares ao João Bandeira, ao Rui Henriques e a toda a equipa d' A Casa do Bacalhau por terem acolhido esta mega-prova com 72 jurados e 15 vinhos que terminou já para lá das duas horas da manhã. Muita paciência tiveram eles.
Também à Riberalves pelas condições especiais no fornecimento dos excelentes lombos de bacalhau, ao Joaquim Arnaud pela oferta do presunto de porco preto alentejano biológico e à Casa Anadia que ofereceu que ofereceu o elegante azeite que temperou este prato tão português. 
Ao Carlos Braz Lopes pela oferta d' O Melhor Bolo de Chocolate do Mundo e ao Alexandrino Amorim, administrador das Caves São Domingos pela oferta de espumante São Domingos Extra Bruto para a celebração do 40º aniversário da Alexandra Maciel que coincidiu com o dia da realização desta prova e que por este motivo se transformou numa mega-prova.
Fica também um agradecimento especial ao Dirk Niepoort que ofereceu e engarrafou um Porto de 1972 propositadamente para esta ocasião.

Os vinhos que, de acordo com os 72 jurados desta prova, melhor acompanharam o Bacalhau Com Presunto foram:

1º - Pôpa VV 2008
2º - Herdade do Portocarro 2008
3º - São Domingos Reserva Tinto 2008

Grande ano este de 2008! 

Júri e equipa da prova de harmonização entre o Bacalhau com Presunto e vinhos portugueses no restaurante A Casa do Bacalhau:

Alexandra Prado Coelho, jornalista do jornal Público e autora do blogue Mais Olhos que Barriga; Alexandre Bezerra, proprietário da empresa de enoturismo “Have a Wine Day Private Tour” e autor do blogue Portugal Legal;
Alexandre Pascoal, director do Teatro Micaelense;
Alexandrino Amorim, administrador das Caves São Domingos;
Alison Roberts, jornalista britânica free lance com colaborações no Guia Time Out Portugal para UK e no Guia Fodor's Portugal para USA;
Ana Maria Gouveia, engenheira agrónoma;
André Gomes Pereira, administrador da Quinta do Montalto;
António Falcão, jornalista de vinhos;
António Mendes Nunes, jornalista de vinhos;
Artur Silva, consultor imobiliário,
Assunção Falorca, directora financeira;
Bruno Portela, fotógrafo;
Carla Reis,autora do blogue Copo de Salto Alto;
Carlos Braz Lopes, autor e proprietário d’ O Melhor Bolo de Chocolate do Mundo;
Carlos Janeiro, autor do blogue Comer Beber e Lazer;
Daniel Matos, co-autor do projecto Desafios da Adega;
Daniel Oliveira, comentador político;
David Ferreira, editor de música gravada;
Eduardo Miragaia, jornalista e editor da Epicur;
Ema Martins, autora e editora do sítio/blogue Magna Casta;
Fátima Lopes, estilista;
Fernando Alvim, radialista, humorista e cronista;
Francisco Leong, fotógrafo;
Gabriela Marques, chefe de sala no Corinthia Hotel Lisboa;
Gonçalo Zagalo Pereira, investigador em filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e na State University of New York;
Helena Ales Pereira, editora da Lux Woman;
Helena Laymé, técnica superior de marketing no ISEG;
Henrique Cayatte, designer;
Isabel Lucas, jornalista;
Jessica Duarte, gestora de projectos turísticos;
João Bandeira, proprietário dos restaurantes A Casa do Bacalhau, Via Graça e Comidas de Santiago;
João Duque, economista, comentador, cronista e Presidente do ISEG;
João Paulo Velez, director na agência de comunicação LPM;
Jorge Nunes, autor do blogue jojojoli e co-autor do sítio na internet desafiosdaadega.com;
Jorge Simão, fotógrafo;
José Augusto Moreira, jornalista do jornal Público;
José Manuel Moroso, jornalista e crítico de vinhos do semanário Sol;
José Mota Capitão, Herdade do Portocarro;
José Miguel Dentinho, revista Exame;
José Nuno Martins, radialista e director do jornal O Benfica;
Luís Costa Guimarães, engenheiro químico e gastrónomo;
Luís Filipe Gomes, investigador em marketing na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universade Nova de Lisboa e na University of Texas em Austin, EUA;
Luís Miguel Viana, consultor de comunicação;
Luís Vasconcelos, fotojornalista;
Manuel João Vieira, músico e humorista;
Manuel Ribeirinho, empresário;
Maria Flor Pedroso, editora de política da Antena 1;
Maria José Lobo Antunes, antropóloga;
Mário Santos, músico;
Marta Moreira, estudante de Gestão;
Miguel Palma, director comercial da Herdade da Comporta;
Miguel Rangel, assessor do Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares;
Nuno Costa Santos, cronista do suplemento Tentações da revista Sábado;
Nuno Gonçalo Monteiro, autor e editor do sítio/blogue Magna Casta;
Patrícia Maia, editora do portal Boas Notícias;
Pedro Duarte Monteiro, Engº civil e administrador da Sociedade Agrícola Quinta Vale de Fornos S.A.;
Raul Cruz, empregado de restauração;
Ricardo Moraes, escanção do restaurante Bocca;
Ricardo Sá Fernandes, advogado;
Rodrigo Martinho, escanção do IBO;
Rosa Martins, jurista;
Sérgio Antunes, escanção;
Sérgio Leitão, director nacional de compras da Food Care;
Simone Arzeni, engenheiro agrónomo e consultor internacional para o desenvolvimento;
Tânia Ventura, empresária;
Tereza Palma, engenheira civil;
Teresa Vivas, directora geral da Chef’s Agency;
Tiago Machado, enólogo;
Vanessa Gonçalves, escanção;
Vasco Neiva Correia, gestor na DFJ Vinhos;
Vasco Pires, gestor da VDS Vinhos na região de Lisboa e Sul do Tejo;
Vicente Jorge Silva, cronista, comentador e cineasta.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Quinta do Quetzal Reserva 2008

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Syrah, Cabernet Sauvignon e Alicante Bouschet
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 14%
Produtor: Quinta do Quetzal- Sociedade Agrícola, Lda
Preço: 15€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à Quinta do Quetzal pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Vinho premiado com medalha de ouro pela Mundus Vini 2011 e Vinalies 2011, com os respectivos autocolantes na garrafa como que a condicionar a prova que vamos fazer. Tentei passar ao lado e nem olhar para a garrafa.
No copo estamos na presença de um tinto de cor intensa, concentrada, com bonitos violetas escuros nos bordos que nos atiça o olhar. Nariz onde não consegui fugir muito dos frutos silvestres e do bosque negros sempre acompanhados de bastante madeira. Tostados e especiarias com bastante marca. Percebe-se a boa madeira, mas um pouco em excesso. Na boca um ligeiro toque acetinado, taninos suaves, polidos com estrutura e com capacidade para nos surpreender daqui a uns anos. Continuamos a ter a presença das notas derivadas da madeira, mas com muito mais equilíbrio. O Final é persistente, longo e delicioso. Vou ter de arranjar maneira de o provar daqui a mais uns anos.

Classificação: 87/100

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Casa d'Arrochella Grandes Quintas

Denominação: DOP TRÁS-OS-MONTES
Variedades de Azeitona: Verdeal, Madural e Cordovil
Acidez: < 0,2º
Produtor: Sociedade Agricola Casa D'Arrochella
Garrafa: 500ml
Preço: 6,5€

Agradecimento à Casa d'Arrochella pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova deste produto.

Prova
Desde à muito tempo que provo azeites, o meu Pai continua a produzi-lo para consumo familiar, mas sempre gostei de o provar naqueles copinhos escuros e do aroma do lagar. Já não gostava tanto de ir à azeitona. O inverno em Trás-os-Montes é rispido e a antiga apanha deixava-me as mãos com uma cor desgraçada durante muito tempo.
A Casa d'Arrochella ofertou-me com este exemplar para prova e resolvi recordar bons momentos.
Conforme fotografia, este azeite virgem extra apresenta uma cor esverdeada, limpa e pouco concentrada. Aroma com boa intensidade do frutado da azeitona, com frescura, alguma maça verde e ligeira casca de amêndoa. Sente-se a presença do verde da erva acabada de cortar. Na boca é suave e harmonioso, ligeiro picante atrevido por entre a azeitona verde. Persistente na boca sem a marcar em demasia.

domingo, 6 de maio de 2012

Casa de Santa Vitória Licoroso

Características
Tipo: Licoroso
Castas: Touriga Nacional e Aragonez
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 18,5%
Produtor: Casa de Santa Vitória
Preço: 9€ vap

Nota de Prova
Este tipo de licoroso do Alentejo começa a surgir com cada vez mais insistência nas prateleiras das nossas garrafeiras como que a informar e a reclamar que o Alentejo também é capaz de produzir licorosos tintos de boa qualidade.Nos últimos tempos assim tem sido e, verdade seja dita, tenho provado alguns que me agradaram bastante. Neste momento a questão que me assalta mais acerca deste tipo de licorosos é o facto de nos serem apresentados quase sempre como um produto gourmet e em garrafinhas muito pequenas. Mas isto será para outro momento.
Cor vermelho tijolado, alaranjados escuros, límpido e lágrima de aspecto persistente. Aromas intensos com fruta seca e passa predominantes, a ameixa preta, a noz e a casca da laranja cristalizada. Algum cacau e especiarias em fundo muito interessante. Na boca mostra-se maduro, untuoso, boa acidez e um final de boca fresco.

Classificação: 82/100

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Fita Azul Woman

Características
Tipo: Espumante
Castas: Moscatel
Teor Alcoólico: 12%
Produtor: Sociedade dos Vinhos Borges, SA
Preço: 5,50€ vap

Nota de Prova
anteriormente havia provado este Espumante. Condições diferentes e num momento que o exigia resolver fazer dele a minha escolha. Não me desiludiu.
A sua cor amarela palha, muito límpido e a bolha fina e persistente confirmaram-se também agora. A mousse que se forma na boca é algo doce, mas era assim que o esperava. A casta Moscatel sente-se também nos aromas mais florais, boa intensidade e complexidade. Na boca é muito suave, doce e fresco ao mesmo tempo. Não é o tipo de espumante que mais gosto. Gosto dele mais seco e com o mínimo de doçura. Mas este serve e bem o propósito para o qual foi feita e, sendo assim, não o podemos colocar de lado.
O dia da Mãe está a chegar. Esta é apenas mais uma boa opção.

Classificação: 80/100

terça-feira, 1 de maio de 2012

Harmonias ComProvadas: Arroz de línguas de Bacalhau

A vigésima quarta prova do projecto Harmonias ComProvadas avaliou a harmonização entre vinhos nacionais e Arroz de Línguas de Bacalhau. Esta prova realizou-se no dia 29 de Março no templo do bacalhau, ou seja, n' A Casa do Bacalhau, em Lisboa.

Este é, sem dúvida, um dos projectos recentes mais inovadores que conheço tocando de imediato o plano gastronómico, o vínico e o literário. Alexandra Maciel, mentora e grande força motriz deste projecto, tem como objectivo final a edição de um livro onde possamos rever todas as Harmonias ComProvadas entre comida portuguesa e vinhos nacionais. 
Os participantes em cada harmonia querem-se do mais dispares possível. Desde pessoas ligadas profissionalmente ao vinho ou à gastronomia até àqueles que simplesmente gostam de comer, beber e conhecer mais o que de melhor Portugal tem. O importante não é a cor do vinho e os seus predicados xpto e também não é o prato que o acompanha. A harmonia entre os dois é o ponto a avaliar.
Os copos foram também escolhidos por forma a não existirem, desde logo, ideias pré-concebidas do tipo de vinho ideal para cada prato. O  Schott Zwiesel Sensus Black marca presença e atiça os mais curiosos. Boa escolha.

Os vinhos que, de acordo com os 22 jurados desta prova, melhor acompanharam o delicioso Arroz de Línguas de Bacalhau foram:
1º - Colheita do Sócio Reserva branco 2010
2º - Chão das Rolas tinto 2010
3º - VT' 07

Júri e equipa da prova de harmonização entre arroz de línguas de bacalhau  e vinhos portugueses no restaurante A Casa do Bacalhau:

Ana Henriques, Jornalista do Jornal Público;
Ana Sofia Luís, Técnica de Administração Tributária;
António Falcão, Jornalista;
Carlos Janeiro, Autor do Blog Comer Beber e Lazer;
Eduardo Malé, Artista Plástico;
Eduardo Miragaia, Jornalista e Editor da Epicur;
Helena Ramos, Editora;
Isabel Borges, Professora de Português;
José António Cerejo, Jornalista do Jornal Público;
Luís Costa Guimarães, Engenheiro Químico e Gastrónomo;
Neuza Aires, Técnica Superior de Educação;
Nuno Gonçalo Monteiro, Autor do Blog Magna Casta;
Nuno Sousa Gonçalves, Director Comercial da distribuidora Vinharia;
Pedro Sovela, Gastrónomo e Administrador de Sistemas Informáticos;
Sérgio Antunes, Escanção;
Ricardo Dias Felner, Jornalista da Revista Sábado;
Rui Barradas Pereira, Autor do Blog Reserva Recomendada;
Tânia Sarmento, Editora da Leya;
Teresa Capitão, Estilista;
Teresa Vivas, Directora-Geral da Chef’s Agency;
Virgílio Gomes, Food Writer.

Quanto ao Restaurante A Casa do Bacalhau imponho que lá regresse o quanto antes e desse modo então produzir um post apenas para o próprio. A qualidade gastronómica é evidente, a garrafeira cativa-nos só de a olhar e a sala é acolhedora. Vou querer uma daquelas mesas "à janela".
Mais uma vez os meus parabéns à Alexandra Maciel.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails