sábado, 30 de novembro de 2013

António Madeira Vinhas Velhas 2011 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Vinhas Velhas (Tinta Pinheira, Negro Mouro, Tinta Amarela e Baga)
Região: Dão
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Quinta da Pellada - Unipessoal, Lda
Preço: 22€ vap

Nota de Prova
António Madeira, francês luso descendente, com raízes familiares no sopé da Serra da Estrela, depois de durante algum tempo ter vindo a estudar o potencial das vinhas velhas na região do Dão, decidiu apostar numa vinha com cerca de 50 anos, salvando-a do abandono e produzindo este primeiro vinho da colheita de 2011. A primeira etapa de uma aventura ainda no inicio está cumprida e o resultado é um vinho de cor rubi intenso e concentrado, com aromas bem delineados a fruta vermelha e preta silvestre, com traço mineral marcado, algum terroso, floral e vegetal. Cheira aos lameiros cheios de água a correr, com aquelas notas de terra e pedra no ar. Complexo. Na passagem ao palato temos um tinto vivaço,ainda um pouco rebelde, com uma acidez, mineralidade e frescura no topo e com a fruta a aparecer também bem colocada. Um Vinho de qualidade a pedir gastronomia local e a pedir também, para quem souber esperar, um tempinho de guarda.

Classificação: 90/100

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Rui Roboredo Madeira | Os Novos Vinhos do Enólogo

O Restaurante Petra Rio foi palco, no passado dia 3 de Outubro, para a apresentação dos novos vinhos do Enólogo Rui Roboredo Madeira.
Beira Interior, Douro e Vinhos Verdes. Estas são as regiões onde Rui Reboredo Madeira escolheu para produzir os seus vinhos. Todos eles ligados pelo Rio Douro e todos eles demonstrativos de cada Terroir e com uma dose extra de Paixão que o Enólogo dedica a cada vivência, a cada cheiro e a cada particularidade existente em cada região.

Assim, foram apresentados os vinhos abaixo com as respectivas harmonizações elaboradas para cada um deles pelo Chef Tiago Vaz Santos.

BEYRA 2012 BRANCO | PVP: 2,99€
Cor citrino, aspecto jovem, quase translúcido. No nariz aromas intensos a fruta citrina, toranja, muito mineral, muito pó. Na boca está macio, com boa acidez, equilibrado, perfil fruta citrina, notas de lima e toranja bem compostas, bem definidas, toque mineral. Final de boca fresco. Manter fresco durante a refeição.
Prato: Cogumelos Paris Recheados Com Bacon e Mozarella

BEYRA QUARTZ 2012 BRANCO | PVP: 3,99€
Cor amarelo citrino, limpo, muito claro e jovem. Aromas mais delicados, mais escondidos. Notas mais florais, mineral, com a fruta citrina mais escondida. Na boca surge com mais intensidade, mais corpo, acidez e mineralidade mais marcante, com um fruta citrina mais discreta. Final mais duradouro e fresco.
Prato: Atum Braseado com Arroz Basmati e Molho de Caril e Amêndoas

CASTELO D'ALBA VINHAS VELHAS RESERVA 2011 TINTO | PVP: 9,99€
Cor rubi, concentrado, fechado e opaco, com nuances violetas. Aromas com muita fruta vermelha madura, alguma compota, toque floral bem ligado, algum tostado muito leve. Boca larga, corpulento, fruta vermelha com muita frescura, especiaria e tosta leve, bom comprimento.
Prato: Tempura de Polvo com Risotto de Beterraba e Rúcula

ATALAYA 2011 TINTO | 14,90€
Cor rubi, concentrado e opaco, muito fechado. No nariz muita fruta vermelha e preta madura, com madeira a dizer presente, especiado, fresco, algum toffe, muito complexo mas também ainda jovem. Na boca está vivaz, macio, muito equilibrado, com boa fruta, fresca, muito bem ligado com as notas de estágio em barrica. Boca larga, profunda e fresca.
Prato: Peito de Pato Braseado com Puré de Requeijão e Castanha

BEYRA SUPERIOR 2011 TINTO | (Ainda não se encontra à venda)
Tinta Roriz, Touriga Nacional, Jaen e Alfrocheiro / 12 Meses de Barrica
Cor rubi retinta, espesso. Aromas de fruta preta compotada, ameixa preta, flores, fresco. Boca pujante, vivaz e rebelde, fruta fresca, madeira bem ligada, especiado, ligeiro vegetal, cacau. Final longo.
Prato: Novilho em Queijo Gratinado com Batata Fonte Nova e Couve de Bruxelas

Por último, voltamos ao BEYRA BRANCO mas o de 2011 para acompanhar uma sobremesa citrina. Uma Tarte de Lima e Mel de Rosmaninho que se juntou em prefeição ao vinho. Grande escolha e alguma surpresa por parte de todos. Fica na memória e será uma harmonia a repetir.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Adegga WineMarket 2013 | 7 Dezembro | Hotel Florida, Lisboa

O Adegga WineMarket está de regresso para mais uma edição. A 7ª edição que promete continuar a inovar e a surpreender terá lugar no próximo dia 7 de Dezembro em Lisboa, no Hotel Florida. A oportunidade para provar e comprar vinhos através de uma selecção de excelência de 40 produtores de todo o País.
Tudo isto em ambiente informal, descontraído e preparado para proporcionar uma grande experiência do Vinho. Como sempre, poderá juntar o vinho à gastronomia e este ano a petiscada está garantida.
Se tudo isto já não fosse o bastante ainda temos a Sala Premium. Uma oportunidade única para provar vinhos especiais com o acompanhamento sábio de uma equipa escolhida para o ajudar e a um preço quase que direi - lowcost-. Os Vinhos do Porto antigos e os 2011 vão ser as estrelas convidadas. Apareça!
Para mais informação visite o site do evento.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

ECVS Bairrada 2013 | Quinta das Bágeiras

Em continuação das visitas aos produtores no âmbito da primeira edição do Encontro Com o Vinho e Sabores Bairrada, após visitar a Quinta do Encontro, fomos visitar o produtor Quinta das Bágeiras de Mário Sérgio Alves Nuno.
Um produtor completamente diferente do visitado anteriormente quer a nível de dimensão de produção, quer a nível dos ideais de produção, mas com o mesmo objectivo em mente: produzir vinhos de alta qualidade. A produção de vinhos com o nome actual tem inicio num ano também marcante para mim e que por isso não podia deixar de referir. O ano de 1999.
A visita iniciou-se com uma pequena introdução à Quinta das Bágeiras pelo próprio Mário Sérgio Alves Nuno e que de imediato se prolongou às caves e adegas.

Nas caves pudemos entrar no que costumo chamar de momento de história ao vivo. Apesar de se poder considerar que não estaríamos na presença de um espaço com muito anos de antiguidade, o facto é que assim que descemos fomos de imediato envoltos pelo ambiente de cave, com garrafas que dormiam, com as teias de aranha, o pó, as paredes marcadas pelo tempo e pela humidade, o próprio aroma e as garrafas de espumante na sua tão bem conhecida posição de estágio.

Seguimos para o outro lado da estrada e fomos conhecer a adega. Uma adega de dimensões pequenas, sem grandes tecnologias e onde mais uma vez pudemos verificar a grande força dos vinhos deste produtor. Vinhos naturais, o mais naturais possível. Vinhos de produtor, não de enólogo. São estes os vinhos que Mário Sérgio quer produzir e nos quer servir. O consumidor agradece o empenho e paixão com que tudo é feito.
Referência ainda para o famoso Tonel nº 12, um verdadeiro hino à resistência. Tendo sido feito pelo bisavó de Mário Sérgio ainda está na adega para fins produtivos e não decorativos. É para durar!
A visita decorreu sempre com a voz douta de Mário Sérgio a guiar-nos os passos, cada palavra era escutada com atenção, era possivel verificar que também na transmisão da história desta casa havia paixão em cada frase.

Regressámos à loja para provar algumas das referências produzidas nesta casa. 

QUINTA DAS BÁGEIRAS 2012 BRANCO | Maria Gomes, Bical e Cerceal
Cor amarelo citrino. No nariz surge com alguma intensidade, notas frutadas, citrinos e toque mineral. Na boca continuamos com mineralidade, acidez, fruta verde, de média persistência e a pedir comida. O preço é fabuloso.
PVP: 3,70€

QUINTA DAS BÁGEIRAS GARRAFEIRA 2011 BRANCO | Maria Gomes e Bical
Cor citrina e de aspecto límpido. Aromas ainda um pouco fechados, com finess e elegância na fruta, citrina e fresca, com toque mineral. Na boca está mais polido, com bom volume e alguma untuosidade ao toque. Perfil frutado com uma acidez crocante e estaladiça. Final longo.
PVP: 13€

QUINTA DAS BÁGEIRAS GARRAFEIRA 2003 TINTO | Vinhas Velhas
Cor rubi vermelhão. com leves nuances atijoladas. Aromaticamente rico, muito frutado, com pouca ou nenhuma nota de velhice, encontra-se jovem e fresco. Na boca está pujante de vida, com uma acidez e secura fantástica. Já referi que está novo? Que complexidade, vida e frescura.
PVP: 20€

QUINTA DAS BÁGEIRAS GARRAFEIRA 2010 TINTO | Vinhas Velhas
Cor rubi concentrado e intenso. No nariz está cá a fruta madura bem presente, ainda rebelde e muito jovem. No palato surge com vivacidade, acidez pungente, a saltitar, com a fruta fresca bem ligada com todo o conjunto. Apesar de ainda jovem está já pronto a dar muito prazer à mesa.
PVP: 20€

QUINTA DAS BÁGEIRAS RESERVA 2010 TINTO | Baga e Touriga Nacional
Cor rubi de média concentração com nuances violeta no rebordo do copo. Aromas de média intensidade, muita fruta vermelha madura, notas florais e balsâmicas num fundo mineral e fresco. Boca onde mais uma vez se destaca a sua vivacidade e acidez, num conjunto onde ainda aprece muita fruta. Guarde este na garrafeira e beba o 2008.
PVP: 8,50€

QUINTA DAS BÁGEIRAS RESERVA 2008 TINTO | Baga e Touriga Nacional
Cor rubi de média concentração apesar do núcleo apresenta-se mais intenso. No nariz muita fruta vermelha fresca, notas florais e balsâmicas bem ligadas, com algum couro que não se estranha.Aromático. Vivaz de boca, seco, com fruta a continuar presente e final persistente. Com muitos anos pela frente.
Preço: 8,50€

domingo, 24 de novembro de 2013

Quinta da Soalheira 2010 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca e Tinto Cão
Região: Douro
Teor Alcoólico: 13%
Produtor: Sociedade dos Vinhos Borges, SA
Preço: 5,55€ vap

Nota de Prova
Tinto duriense de cor rubi intensa, concentrado no núcleo e com nuances violeta bem marcadas. No nariz boa intensidade dos frutos vermelhos e pretos bem maduros, alguma amora silvestre, ameixa preta, com notas florais discretas, sem marcar demasiado, com boa notas toffee e com frescura final. Muito equilíbrio. Na boca temos o Douro mais quente, entrada com força, vivaz, taninos macios, aveludados, com bom volume de boca e com a fruta preta fresca a notar-se bem. Caminha para um final de bom comprimento e a puxar por comida. Muito gastronómico e versátil.

Classificação: 87/100

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Herdade do Arrepiado Velho Riesling de Netas 2011 Branco

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Riesling
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Sociedade Agrícola da Herdade do Arrepiado Velho, SA
Preço: 15€ vap

Nota de Prova
Tão poucas garrafas de um Riesling alentejano que deixa saudades no copo e tristeza por apenas 1000 destas terem saído para o mercado. Como diz no rótulo "Deus tira com uma mão e dá com a outra" e, com o míldio tirou cerca de 80% da produção prevista, com as uvas netas que deram este néctar dos deuses deu 1000 garrafas e um branco fantástico.
Este Riesling no nariz, com muitas notas minerais, junta notas muito chegadas às de uma colheita tardia, não tão intensas, com mais elegância e frescura, mas com notas que por certo nos fazem lembrar esse tipo de vinho. Na boca, muita frescura e mineralidade, boa acidez e um trava também ele muito chegado aos colheita tardia. Uma fruta com alguma doçura e um certo repenicado de pêssego e lima. Está fabuloso. O problema será mesmo encontrá-la à venda.

Classificação: 90/100

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Paulo Laureano Apresenta "Coleção de Cromos Notáveis do S.L.Benfica"‏

Decorreu hoje, no Restaurante A Catedral da Cerveja, Estádio da Luz, a apresentação do vinho Paulo Laureano Premium Escolha 2010 Tinto escolhido para representar a "Colecção de Cromos Notáveis do S.L. Benfica, uma colecção de 35 notáveis deste clube dos quais foram hoje apresentados os primeiro 6: Cosme Damião, Eusébio, Coluna, Mário João, Shéu e Humberto Coelho.

As caricaturas estiveram a cargo  do cartoonista Ricardo Galvão num vinho Premium que presta homenagem às grandes figuras do clube encarnado.

Estive presente como Blogger, mas também como adepto numa das apresentações vinicas onde seguramente, como referiu o também Blogger Jorge Nunes, mais imprensa e fotógrafos estiveram presentes. Esta promete ser uma boa opção para ofertar já neste Natal pois tem tudo para ser um objecto/vinho coleccionador. Um vinho Premium com as castas Aragonez, Trincadeira e Alicante Bouschet, com 12 meses de estágio em barricas de carvalho francês e quase dois anos de repouso em garrafa ; com um rótulo muito bem desenhado, bonito, limpo e eficaz; uma caixa tubo distinta e um poster do jogador presente no rótulo. Uma bonita homenagem a 13,99€ pvp e que pode encontrar desde já à venda na Megastore  do Benfica, nas casas do Benfica que aderiram ao projecto e em várias garrafeiras seleccionadas. 

Ao adquirir este vinho está também a contribuir para a Fundação Benfica pois este é também um projecto de cariz social. Quer o Paulo Laureano Vinus como o Sport Lisboa e Benfica vão abdicar de uma parte dos seus lucros em favor da Fundação que os utilizará nas diversas acções sociais que protagoniza.

sábado, 16 de novembro de 2013

Barão de Nelas Encruzado 2011 Branco

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Encruzado
Região: Dão
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Carlos Pedro Barahona da Fonseca Paes de Brito
Preço: 15€ vap

Nota de Prova
Um branco que deixei ficar cerca de um ano na garrafeira para ver como se portaria com mais algum tempo de garrafa. Deste modo, a cor apresenta já um amarelo definido, sem dourados, mas também sem as nuances mais citrinas dos seus tempos de maior juventude. No nariz a fruta mais tropical, algum citrino e pêssego saltam com boa frescura, madeira bem ligada com pouca presença, toque mineral e muito elegante. Na boca revela volume, ligeiro creme e eeda nos lábios, acidez vivaz e boa dose de predicados provenientes da fruta. Está num bom momento neste plano. Alguma tosta e um travo vegetal e especiado final que nos faz pensar em comida .

Classificação: 88/100

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Adega Mayor | Viver Uma Experiência MAYOR

No passado 24 de Setembro, visitei novamente a Adega Mayor para viver uma experiência de vindima "Mayor" e observar de perto como são desenhados os vinhos desta casa já referência a nível nacional no sector vitivinícola.
Muito bem recebidos pela Administradora da Adega Mayor e neta do Comendador Rui Nabeiro, Rita Nabeiro guiou-nos, numa primeira fase da visita, a conhecer a vinha da Herdade das Argamassas que praticamente rodeia a Adega da autoria do arquitecto Siza Vieira, que se destaca no alto com a sua branca cor e os seus traços de elegância e bem incorporados com extra ordinária paisagem que é a planície alentejana de Campo Maior.
Aqui foi possível passear por entre as videiras, conhecer de perto algumas das castas aqui plantadas, como a Touriga Nacional, a Alicante Bouschet, a Syrah  ou a Trincadeira e, também, saber que, para além destas, também fazem parte das castas aqui existentes as brancas Verdelho, Roupeiro, Arinto e Antão Vaz, assim como, ainda as tintas  Castelão e Aragonez.

Alguns minutos depois, o sol fazia já das suas, e de chapéu de palha na cabeça, luvas calçadas e tesoura na mão... fomos vindimar! Ainda foram umas caixinhas cheias. O suficiente para perceber que tenho mais jeito para beber o vinho do que para colher os cachos de uva que lhe darão origem. Ou isso ou a sede já apertava.
Subimos então caminho a cima, deixando para trás os que realmente percebem do assunto, em direcção à Adega para não só a conhecer, mas também para acompanharmos mais um passo na concepção dos vinhos e provarmos alguns vinhos já deste ano, provas de barrica e dos inox onde pudemos perceber alguns pontos de evolução de vários vinhos. Aqui, fomos acompanhados pelo Enólogo Carlos Rodrigues, que mesmo estando em plenas funções e trabalho de acompanhamento da Vindima se mostrou tontamente disponível e fez transparecer nas suas palavras toda a paixão que sente pelo Vinho.

Por fim subimos ao terraço panorâmico, relvado e com um bonito espelho de água encabeçado por um painel esculpido em mármore, desenhado também pelo arquitecto Siza Vieira, onde as silhuetas de uma chávena de café, de um copo de vinho e de uma garrafa se sobrepõem. Descontraidamente provamos alguns vinhos, numa prova directa e informal, com a presença do enólogo, com interactividade que continuou também durante o almoço e onde foi possível passar por toda a gama de vinhos desta casa. 
Monte Mayor, Solista, Reserva do Comendador, Pai Chão, Orionte e alguns dos especiais "números" passaram pelos nossos copos e comprovaram que a qualidade e a inovação são cada vez mais uma aposta ganha.
Resta-me recomendar uma visita à Adega e deixar o desafio a todos de viver também uma experiência Vindima Mayor.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails