sábado, 29 de setembro de 2018

Harmonização | A Cor do Vinho Impera em Setembro

Quase no final de setembro. Mas a verdade é que em Portugal setembro é sinónimo de vindimas, de suor em redor do vinho, de azafama, de trabalho, de muita tradição. Quem como eu sabe o que é o mês de setembro na vinha (neste caso no Douro) sabe que setembro só tem um significado. Vinho!
A  tema para este final de mês é mesmo esse. Dê uma espreitadela no site Enólogo Chef Continente em mais uma publicação acerca do mundo do vinho.
"(...)Em setembro não são só as aulas que estão de regresso. As vinhas enchem-se de gente, as adegas e lagares ganham nova vida, as cancioneiro tradicional volta a ser ouvido e a cor das uvas destaca-se do verde da folhagem da videira. É ter de regresso todo o frenesim das Vindimas. [+].

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Deu La Deu Alvarinho 2016 Branco

DEU LA DEU ALVARINHO 2016 BRANCO | VINHOS VERDES | 13% | PVP  6€
ALVARINHO
ADEGA COOPERATIVA REGIONAL DE MONÇÃO, CRL
16,5

Posso dizer que gostei muito deste Alvarinho? Claro que posso e devo. Para além do prazer que dá a beber e aquela frescura do Alvarinho e da região impressa em toda a prova também me faz crer que será uma boa escolha quardar algumas garrafas para daqui a uns anos.
Cor amarelo citrino, esverdeados abertos, aspecto limpo. Aromas a fruta tropical, maracujá, abacaxi, com algum fruto de caroço e alguma pêra rocha verde a acompanhar, flor branca e pedra lascada. Na boca mostra acidez crocante, a secar o palato, cheio de frescura, fruta madura sumarenta, ligeiro volume, equilibrado e com final longo.
Façam-se a ele e aproveitem algumas feiras que eu já o vi por aí com preços ainda mais apelativos.

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Remelluri Reserva 2010 Tinto

REMELLURI RESERVA 2010 TINTO | RIOJA (ESPANHA) | 14% | PVP  18€
GARNACHA TINTA, GRACIANO, TEMPRANILLO
GRAN NUESTRA SENÕRA DE REMELLURI, SA
16,5

Este é mais um vinho da vizinha Espanha de uma região que, de facto, me tem trazido muitas boas experiências. E por vezes sem preços disparatados. É um vinho com todas as notas de um clássico da Rioja e que não engana. É aposta certa à mesa.
Cor rubi concentrado, intenso, com violetas no bordo do copo, aspecto limpo e jovem para a sua idade. Nariz elegante, com muita fruta preta madura, fruta do bosque, parece terroso, turfa, algum perfumado floral, bergamota e notas de cacau em fundo, muito fresco e desafiante.
Na boca mostra que os anos estão a demorar a passar. Encorpado, macio e ligeiro untuoso no toque, tanino ainda mastigável, com boa secura e com a fruta em pleno. Gostei muito do final. Longo, salivante e com travo algo terroso e fresco.
Carne com ele.

Tendências | A Garrafa de Vinho na Toalha do Pic-Nic

E que tal aproveitar este inicio de  Outono com temperaturas de Verão para fazer um relaxante pic-nic no fim-de-semana? Toalha colorida estendida no chão, a sombra dos pinheiros, o cheiro a bosque, a comida espalhada sem nenhuma espécie de ordem pela toalha e os tchim, tchim sonoros dos copos de vinho? Programa perfeito.
A  minha sugestão para que o vinho também chegue em pleno à toalha do vosso pic-nic em mais uma publicação no site Enólogo Chef Continente.
"(...)Apetece pegar na cesta de vime, escolher a nossa toalha de cor berrante aos quadrados, os pratos e talheres também eles cheios de cor e aquele mix de comida fria que tão bem sabe na companhia de familiares e/ou amigos. Preparam-se também as bebidas. Desde as águas e tradicionais sumos de fruta, até às proposta mais arrojadas como uma sangria de frutos vermelhos com base de espumante ou de uma garrafa de vinho que nos ajude na harmonização dos pratos escolhidos. (...)" continuar a ler [+].

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Cem Reis Syrah Reserva 2015 Tinto

CEM REIS SYRAH RESERVA 2015 TINTO | ALENTEJO | 16% | PVP  29€
SYRAH
MICHAEL BRIAN MOLLET - HERDADE DA MAROTEIRA
17,5

Um dos Syrah que faz palpitar o coração e a carteira dos enófilos portugueses é este Cem Reis com origem em terras alentejanas. Tem o condão de se encontrar tanto aos preços mais disparatados, como aos mais sensatos e, quiçá, justos, mas o interessante é que tem sempre comprador disposto a pagar e por isso... é lei do mercado.
Quanto ao vinho, desta colheita apenas foram produzidas 13.000 garrafas. Estagiou 16 meses em barricas de carvalho francês, 50% do lote, e em carvalho americano os restante 50%.
Cor vermelho granada intenso e concentrado, violáceos escuros, definidos, aspecto limpo. No nariz mostra a fruta preta e azul madura, notas quentes, ligeiro químico inicial, especiaria bem posicionada, cacau, envolvente e complexo. De grande estrutura e complexidade de boca, encorpado, mastigável, envolve toda a boca,  com tanino presente, marcado, redondo, cheio de fruta, algum vegetal a terminar. O final de boca é longo e seguro. Fica por lá.
Sem dúvidas para pratos de caça, borrego e carnes vermelhas. Aconselho que se baixe a temperatura até ao 16/17º e se arranje forma de a manter estável.

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Mesas Bohemia Cerveja - O Abel de Gimonde em Lisboa

O Mesas Bohemia voltou a trazer a Lisboa o Restaurante O Abel de Gimonde. Numa experiência gastronómica de três dias (21 a 23 de Setembro) foi possível comer alguns dos pratos ícone desta casa transmontana nas mesas do restaurante Lisboa Rio.
O conceito é muito simples. Se a Maomé não vai à montanha, vai a montanha a Maomé, mas de mãos dadas com uma experiência cervejeira com a versatilidade e alma gastronómica das Bohemia da Sagres.
Os restaurantes do Norte de Portugal vêm até Lisboa e os do Sul viajam até ao Porto. Bohemia tem alma gastronómica. Um tributo à incrível gastronomia portuguesa que, quando acompanhada com cerveja, resulta numa autêntica combinação gastronómica-cervejeira memorável.
O Abel é daqueles restaurantes de visita obrigatória quando se anda para os lados de Bragança. Na ementa estão basicamente as carnes da região, impecavelmente assadas na brasa, e condimentadas com ervas aromáticas que só existem ali e que tornam este restaurante num sítio mágico a descobrir.
Rodeado pelas belíssimas paisagens do Parque Natural de Montesinho, depois da experiência em Lisboa, vale a pena a romaria até à mesa original.

A refeição começou pelo Pão de Gimonde, chegado pela manhã a Lisboa, com o Azeite Transmontano. Logo de seguida, as notas mais picantes da Alheira Tradicional da Região e da Chouriça Assada (Tchouriça). É tão bom recordar aromas e sabores. Como companhia a Bohemia Hoppy Weiss que está pensada especialmente para petiscos. A sua frescura e leveza fez desta cerveja a ideal para acompanhar esta entrada.
Terminada a entrada e após um curto espaço de tempo lugar ao sabor único do Cordeiro Grelhado d'O Abel, criados pelo próprio, e a ligação perfeita com a Bohemia Puro Malte. Os seus lúpulos aromáticos envolvem-se na perfeição com o prato e transportando na boca um amargor mais  vincado, ideal para limpar o palato quando se trata de um prato com molho ou alguma gordura.
Por fim, e embora o Cordeiro Grelhado estivesse excepcional (até quem julgava não gostar desta carne o comeu), o prato a que ninguém resiste quando no O Abel. A Posta à Abel. Assada na brasa e vindo para a mesa no ponto ideal sendo no copo acompanhada pela Bohemia Original, encorpada, com notas de malte torrado, muito equilibrada e perfeita para pratos de carne.

Agora é só começar a pensar em ir ao Abel, mas em Gimonde.
_______________________________________________
RESTAURANTE O ABEL
Tipo de Cozinha: Tradicional Transmontana
Estacionamento: Fácil
Horário: Todos os dias das 12:00h às 14:30h e das 19:15h às 22:00h Excepto quinta-feira (Fechado) e domingo ao jantar (fechado)
Morada: Rua do Sabor,  5000-351 GIMONDE
Telefone:  +351 273 382 555

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Alva Magna Reserva 2015 Tinto

ALVA MAGNA RESERVA 2015 TINTO | DÃO | 13% | PVP  13€
TOURIGA NACIONAL, TINTA PINHEIRA, POEIRINHO, JAEN, ALFROCHEIRO
QUINTA VALE DO CESTO, LDA
16

O curioso nome deste vinho da região vitivinícola Dão surge da homenagem ao Rio Alva, um rio de montanha, que nasce na Serra da Estrela e desagua no Mondego. Alva Magna assim ficou, num Dão que primeiro causa impacto pelo formato da garrafa. Numa prova de garrafa tapada poderia enganar muita gente.
Cor rubi profundo, concentro e opaco, de aspecto limpo. Nariz com grande intensidade aromática, fruta preta silvestre, como amora, e de árvore, como ameixa preta ou cereja, com leve perfumado floral, alguma baunilha e fumados em fundo. Na boca mostra boa estrutura e volume, macio e polido, fruta vermelha madura e equilibrado. Final de boca longo, a querer mostrar mais amplitude e comprimento.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Herdade Grande Antão Vaz 2017 Branco

HERDADE GRANDE ANTÃO VAZ 2017 BRANCO | ALENTEJO | 13% | PVP  5,60€
ANTÃO VAZ
HERDADE GRANDE
16

A casta branca dominante nos encepamentos da sub-região da Vidigueira-Alentejo resulta aqui num branco com alguma estrutura e complexidade que permite uma boa ligação tanto com peixes com alguma gordura, como como marisco ou mesmo pratos de carne mais leves.
Cor amarelo citrino, leve palha seca, aspecto limpo e jovem. No nariz a fruta de caroço madura, tropical temperado, papaia e maracujá, alguma marca de pedra lascada, fresco. Boca com ligeiro volume, com boa acidez, equilibrado, fruta sumarenta, mais corpo e complexidade e com final de boca longo.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Quinta dos Currais Síria 2016 Branco

QUINTA DOS CURRAIS SÍRIA 2016 BRANCO | BEIRA INTERIOR | 13% | PVP  4,75€
SÍRIA
QUINTA DOS CURRAIS - SOCIEDADE AGRÍCOLA LDA
16,5

Encontrar este vinho à venda no El Corte Ingles a este preço e sem promoção alguma associada apenas reforça a minha convicção de estar perante uma das melhores relações qualidade-preço que por aí no mercado. No fundo, e não querendo enraivecer o consumidor que gosta de comprar bom e barato, sou levado a crer que é mesmo um vinho que poderia custar mais um bocadinho e ninguém se chateava.
Cor citrina, esverdeados nítidos, aspecto limpo. Aromas a fruta citrina, carregado de uma pedregosidade fresca e intensa. Boca sugerindo algum volume e cremosidade, acidez crocante, fruta sumarenta, citrinos, maça verde, pleno de elegância e num conjunto equilibrado. Termina longo e elegante.

domingo, 16 de setembro de 2018

Quinta do Cardo Colheita Tardia 2015 Branco

QUINTA DO CARDO COLHEITA TARDIA 2015 BRANCO | BEIRA INTERIOR | 12% | PVP  15,50€
SÍRIA
AGROCARDO, SA
17

Como alguns de vocês bem sabem os colheitas tardia/late Harvest são há muito um tipo de vinho que aprecio e não podia deixar de provar uma das mais recentes novidades neste plano chegada da região da Beira Interior. O primeiro colheita tardia da Quinta do Cardo, feito unicamente a partir da casta Síria,  chega pelas mãos do jovem e talentoso Enólogo Luís Leocádio.  Um colheita tardia biológico que alia o potencial do terroir de altitude, casta e a vindima já tardia a meio do mês de novembro de 2015.
Cor amarelo de tonalidade dourada, intenso, aspecto limpo e cativante. Nariz inebriante, complexo, com notas de pêssego, leve citrino, casca de laranja cristalizada, fruta passa como alperce, algum melaço, sem cair em exageros e revelando frescura e elegância.
Na boca conquista pela sua cremosidade, generoso volume e doce aliado uma acidez equilibrada e bela frescura. Não nos deixa cair em enjoos e doce em excesso.
No início de refeição escolha-o para companhia de uma entrada de foie gras com figo fresco, se para sobremesa, não me canso de o casar com fruta tropical variada laminada. Manga, papaia e ananás com uma bolinha de um bom sorbet de tangerina. Magnífico.
Pena é só existirem cerca de 700 garrafas.

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Herdade Monte da Cal Saturnino Grande Reserva 2013 Branco

HERDADE MONTE DA CAL SATURNINO GRANDE RESERVA 2013 BRANCO | ALENTEJO | 13,5% | PVP  14€
ALVARINHO, ANTÃO VAZ, ARINTO
HERDADE MONTE DA CAL, SA
17,5

Posso muito bem dizer que este vinho foi uma das mais recentes grandes surpresas (pela positiva) em termos de vinhos brancos. Em primeiro lugar, pouco conhecia deste produtor alentejano para além do nome do actual Enólogo, o Osvaldo Amado, e que era uma das marcas da Globalwines.
O vinho caiu na mesa após dois topos de gama que já haviam deixado a sua a marca naquela noite e ao passar para este pensei que não poderia ficar melhor. Mas ficou! Que vinho do caraças.
Cor amarelo citrino, reluzente, intenso, com alguns esverdeados, limpo.  No nariz mostra uma sintonia entre as notas mais tropicais e exóticos com fruta seca tostada, alguma especiaria, complexo e desafiante. Cativa desde o inicio.
Na boca na se acanha, vivaz, com acidez crocante a balancear com alguma macieza e untuosidade, bom volume, fruta fresca, no ponto, todo um conjunto pleno de equilíbrio e com um final de boca longo.
Acompanhou um prato de Bacalhau com Grão de Bico, mas também o levaria para um repasto de queijos num final de refeição.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Três Bagos Reserva 2015 Tinto

TRÊS BAGOS RESERVA 2015 TINTO | DOURO | 14% | PVP  30€
TINTA RORIZ, TOURIGA NACIONAL, TOURIGA FRANCA
LAVRADORES DE FEITORIA VINHOS DE QUINTA, SA
16,5

A terceira colheita do Três Bagos Reserva marca também a estreia da nova imagem para esta referência. Os três bagos alinhados na vertical, com as linhas que mimetizam o serpentear das vinhas da região e uma face mais clean que permite uma leitura mais objectiva e directa.
Feito a partir de uvas de vinhas com cerca de 30 anos de idade, fermentou posteriormente, durante o processo de vinificação, em cubas de inox, à qual se seguiu o estágio em inox de 50% do lote, tendo os restantes 50% estagiado metade em barricas de carvalho francês novas e a restante metade em barrica de carvalho francês de segundo ano.
Cor vermelho intenso, concentrado e opaco, mostrando a nível de aromas uma fruta vermelha e preta bem madura, ameixa preta, cereja e amora em destaque, com um casamento perfeito com as notas de barrica, leves, elegante e equilibrado. Na prova de boca a elegância continua a ser nota de destaque, corpulento, com boa densidade, tanino polido e macio, com a fruta madura em bom plano num conjunto equilibrado e com um final de boca longo.
Um bom valor para a sua qualidade, revela grande apetência para a mesa, pratos mais outonais e de inverno, mas que devido à sua frescura e elegância consegue também mostrar-se em boa forma no nosso verão deste ano.

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

By Rui Roboredo Madeira Douro 2013 Tinto

BY RUI ROBOREDO MADEIRA DOURO 2013 TINTO | DOURO | 14,5% | PVP  30€
VINHAS VELHAS
RUI ROBOREDO MADEIRA VINHOS, SA
18

Este é um dos vinhos de uma coleção de vinhos de Rui Roboredo Madeira que começou por representar o seu percurso em três terroirs de excelência: Douro, Beira Interior e Vinhos Verdes. Este é o Douro de 2013.
Cor rubi intenso e concentrado, ainda opaco e de violetas bem escuros e definidos. No nariz mostra a fruta preta em destaque, madura, cereja, amora, ameixa preta, com traço floral bem medido, alguma esteva, especiaria fina, leve mentolado, complexo e desafiante.
Boca segura, está no momento certo para ser bebido, em grande forma, corpulento, de textura mastigável, volumoso, untuosidade ao toque,  tanino presente, polido e guloso, fruta madura num conjunto equilibrado e complexo. Final de boca longo e persistente.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Esporão Colheita 2016 Tinto

ESPORÃO COLHEITA 2016 TINTO | ALENTEJO | 13,5% | PVP  9,99€
TOURIGA FRANCA, CABERNET SAUVIGNON
ESPORÃO, SA
16

Um blend resultante de uvas produzidas exclusivamente  na Herdade do Esporão segundo práticas de agricultura biológica e que expressa a tipicidade do ano de colheita,  a diversidade de solos e o carácter particulares das castas seleccionadas.
Cor rubi intensa, concentrado, violetas bonitos, de aspecto limpo e jovem. No nariz revela com bastante nitidez a fruta vermelha madura, alguma fruta preta e azul, com notas levemente vegetais, muito directo e fresco. Na boca mostra-se com bom corpo, com textura apreciável, de tanino presente, polido, amparando uma fruta vermelha fresca e mostrando um conjunto uno e equilibrado. Final de boca longo e persistente.
As carnes grelhadas serão a companhia de eleição, todavia, outros pratos à base de carne não lhe irão virar as costas.

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Novidades Herdade das Servas | A Expressão do Terroir de Estremoz Para Vários Momentos de Consumo

Os irmãos Carlos e Luís Serrano Mira, proprietários da Herdade das Servas, em Estremoz, viajaram até Lisboa para apresentação das novidades desta casa alentejana. Os vinhos foram apresentados pela dupla de enologia da Herdade das Servas, Luís Serrano Mira e Ricardo Constantino, tendo estado também presente o director comercial André Marques. 
Em prova as novidades da casa, colheitas novas de vinhos já com alguma história e uma novidade absoluta que, por enquanto, apenas em venda na loja da Herdade das Servas ou no Restaurante da mesma. 
Vinhos que são expressão de um terroir único no Alentejo e que são para ser levados à mesa em diversos momentos de consumo e de harmonização.

MONTE DAS SERVAS ESCOLHA 2017 ROSÉ | ALENTEJO | 13% | PVP 4,90€ 
TOURIGA NACIONAL, SYRAH 
SERRANO MIRA, SA - HERDADE DAS SERVAS 
15,5 
Cor vermelho alaranjado intenso, mais carregado que os rosés da moda e de aspecto limpo. No nariz fruta vermelha, cereja, morangos maduros, framboesa, leve floral, na medida certa, envolvente fresca. Ligeiro volume de boca, cremosidade ao toque, pleno de fruta sumarenta, acidez equilibrada e final de boca longo. 
Sem dúvida um belo rosé, diferente e a poder fazer a diferença quando a questão é traze-lo também para a mesa.

HERDADE DAS SERVAS COLHEITA SELECCIONADA 2017 BRANCO | ALENTEJO | 14% | PVP 8,20€ 
ROUPEIRO, VIOGNIER, VERDELHO, SAUVIGNON BLANC 
SERRANO MIRA, SA - HERDADE DAS SERVAS
16
Cor amarelo citrino definido, nuances esverdeadas, aspecto limpo. No nariz um belo mix de frutas, pêssego e alperce, citrinos e tropicais, fresco, intenso e envolvente. Na boca mostra secura, volume e bom corpo, acidez acutilante, com a fruta em bom plano, fresca e em harmonia com o conjunto. Final de bica longo e persistente. 
Casou com excelência com um Torricado de Sardinha. Este é um branco a ter muito em conta nesta gama de preços. Nunca desilude e é pena o número de garrafas produzidas não ser maior. 

HERDADE DAS SERVAS ALICANTE BOUSCHET 2015 TINTO | ALENTEJO | 15% | PVP 16,5€ 
ALICANTE BOUSCHET 
SERRANO MIRA, SA - HERDADE DAS SERVAS 
17
Cor vermelho intenso, concentrado, fechado, de violetas carregados e de aspecto limpo. Aromas a fruta preta madura, ameixa preta, amora silvestre, perfume floral, notas de cacau bem medidas, especiaria fina, complexo e de perfil fresco. Em boca encontramos grande estrutura, vigorosa, boa acidez e frescura, com tanino presente, sem agressividade exagerada, muita fruta, bonita, com as notas de especiaria e algum vegetal a fazê-lo crescer num final de boca longo e elegante. 
Um alentejano que não engana e que se mostra agora em grande forma. Com potencial de guarda.

HERDADE DAS SERVAS RESERVA 2015 TINTO | ALENTEJO | 15% | PVP 19,50€ 
ALICANTE BOUSCHET, CABERNET SAUVIGNON, ALFROCHEIRO, ARAGONEZ 
SERRANO MIRA, SA - HERDADE DAS SERVAS 
17,5
Cor vermelha intenso, concentrado, fechado no núcleo, aspecto limpo e de lágrima escorreita. No nariz mostra-se a fruta preta, ameixa e amora, cereja preta, bem ligadas com algumas notas de pimento, pirisina leve, sem se sobrepor à fruta, algum fresco de cedro, bosque, com fumados leves envolventes. Complexo, Cheio e mastigável, de grande largura, tanino pronto, equilibrado, com a fruta preta a destacar-se num conjunto harmonioso, onde a notas de estágio em barrica se mostram já ligadas. Final de boca longo.
Que grande tinto. Perfeito para a mesa, a comida regional alentejana agradece-lhe a presença.

HERDADE DAS SERVAS GARRAFEIRA 2010 TINTO | ALENTEJO | 14,5% | PVP 70€ 
ALICANTE BOUSCHET, ALFROCHEIRO, ARAGONEZ
SERRANO MIRA, SA - HERDADE DAS SERVAS 
18
Apenas à venda na loja da Herdade das Servas e no Restaurante. As castas tradicionais alicante bouschet, alfrocheiro e aragonez vindas da vinha da judia compõem o lote de um vinho com o objectivo (voltar a)mostrar os garrafeiras de antigamente. Engarrafado há 6 anos apenas mostra agora a cara com uma complexidade que, de facto, nos faz recordar os antigos garrafeiras.
Cor vermelho intenso, concentrado no núcleo, com ligeiros alaranjados/acastanhados, aspecto limpo. Aromaticamente rico, couro novo, alguma notas de material de graxa, terciários, pirisinas, pimento, vegetal, alguma turfa, muita frescura. Grande boca. Ainda novo, cheio de vontade, de garra, de tanino macio e aveludado, com a fruta num momento capaz de dar muito prazer.  
Apesar de ser do distante ano de 2010 e de apenas existirem cerca de 1059 garrafas gostava de o provar ou de o beber com ainda mais algum tempo de repouso. Um grande vinho.

domingo, 2 de setembro de 2018

Harmonização | Gelados de Vinho Para Comer Com Moderação

Os gelados de vinho não são novidade. Há muito que por aí andam, aliás como lhes fiz referência em 2013 numa publicação que também já vinha tarde no tempo. Hoje em dia parece que toda a gente os descobri - e ainda bem - e é ver nascer como cogumelos os locais onde os podemos apreciar.
As temperaturas elevadas das últimas semana também convidam à descoberta e se beber um copo de vinho é bom, comer um gelado à base de vinhos também não pode ser mau.
Já se aventurou nesta delicia? O que achou? Deixo a minha sugestão em mais uma publicação no site Enólogo Chef Continente.
"(...)No verão o que é que apetece? Gelados!! Mas o que é que também gostamos consumir para refrescar?? Um copo de vinho fresco!!! E porque é que não podemos juntar os dois e comer um gelado de vinho??? Podemos sim Senhor!!! Podemos? (...)" continuar a ler [+].

sábado, 1 de setembro de 2018

2º Concurso de Vinhos da Feira do Vinho do Dão "Eng.º Alberto Cardoso Vilhena" 2018 - Os Premiados

No âmbito da 27ª Edição da Grande Feira de Vinhos da Região Demarcada dos Vinhos do Dão, o Município de Nelas organizou, com a coordenação do Director da Revista “Grandes Escolhas”, Luís Lopes, o Concurso de Vinhos da Feira do Vinho do Dão numa homenagem clara à figura incontestável que foi o Eng.º Alberto Cardoso Vilhena e o Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão, com a atribuição desse troféu ao Melhor Vinho Tinto e ao Melhor Vinho Branco, do concurso. 
Para além do Melhor Vinho Tinto e ao Melhor Vinho Branco foram também eleitos os 10 Melhores Brancos e os 10 Melhores Tintos. Parabéns aos premiados.

MELHOR VINHO BRANCO
Morgado de Silgueiros Encruzado 2017 Branco 
Adega Cooperativa de Silgueiros CRL 

MELHORES 10 BRANCOS (Ordem alfabética)
Caminhos Cruzados Family Edition Reserva 2015 | Caminhos Cruzados
Castelo de Azurara Encruzado 2011 | Adega Cooperativa de Mangualde
Meia Encosta 2017 | Sociedade dos Vinhos Borges S.A.
Morgado de Silgueiros Encruzado 2017 | Adega Cooperativa de Silgueiros CRL
Quinta do Carvalhão Torto Encruzado Reserva 2016 | Carvalhão Torto - Soc. Vinhos Unip. Lda
Quinta do Cerrado Reserva 2016 | União Comercial da Beira, Lda
Quinta dos Carvalhais Encruzado 2017 | Sogrape Vinhos SA
Soito Encruzado Reserva  2016 | SoitoWines
Terras Madre de Água Encruzado 2017 | Madre de Água, Lda
Villa Oliveira Encruzado 2015 | O Abrigo da Passarela , Lda 


MELHOR VINHO TINTO
Ladeira da Santa Grande Reserva 2015 Tinto
Ladeira da Santa, Lda

MELHORES 10 TINTOS (Ordem alfabética)
Cabriz Reserva 2014 | Global Wines
Castelo de Azurara Touriga Nacional 2014 | Adega Cooperativa de Mangualde
Chão da Quinta Signature 2015 | Chão de São Francisco - Soc. Vitivinicultura lda
Ladeira da Santa Grande Reserva 2015 | Ladeira da Santa, Lda
Quinta do Carvalhão Torto 2008 | Carvalhão Torto - Soc. Vinhos Unip. Lda
Quinta do Cerrado Reserva 2014 | União Comercial da Beira, Lda
Quinta do Sobral Touriga Nacional 2016 | Quinta do Sobral
Quinta dos Carvalhais Reserva 2015 | Sogrape Vinhos SA
Quintas de Sirlyn Reserva 2014 | Quintas de Sirlyn
Ribeiro Santo Grande Escolha 2013 | Magnum Carlos Lucas Vinhos Lda

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails