domingo, 29 de janeiro de 2012

Adegas Cooperativas: O que podemos esperar?

Este fim de semana, após visitar a Adega Cooperativa de Borba, e depois do assentar da poeira que me poderia turvar o discernimento, pude olhar, em jeito retrospectivo cinematográfico, para toda a experiência. A velocidade das imagens foi galopante, todavia, pude perceber a grandiosidade de uma Adega Cooperativa de topo, quer em termos físicos, humanos e qualitativos. Momentos houve em que fiquei de boca aberta (acho que não fui só eu), atónito e siderado. Toda a infraestrutura, controlo de qualidade e produto final. Ainda antes de vós presentear com a reportagem de um dia inesquecível, gostaria de vos deixar uma pergunta. Eu já tenho a minha resposta, mas não posso deixar de vos deixar a questão. Uma Adega Cooperativa pode produzir vinhos de qualidade superior? e ombrear com os grandes produtores nacionais? As Adegas Cooperativas são história do passado ou realidade no presente e auspicioso futuro?

17 comentários:

  1. Se pode produzir vinhos de qualidade superior? Claro que pode. Só tem de ir ver onde é que estão os seus melhores sócios e separar o trigo do joio. Lembro-me de na década de 80, na zona de fernão pó, certos produtores ganharem montes de prémios nos concursos. Mas depois como eram sócios da coop de Palmela, ia a produção toda para lá. A mistura dos bons com os maus, dava um vinho mais para o mau!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Do que vi e ouvi do Eng. Oscar Gato pareceu-me muita competência e acima de tudo paixão e orgulho no trabalho da Adega, assim sendo só podem sair coisas boas da Adega de Borba.
    há 2 minutos · Gosto.

    ResponderEliminar
  4. Acredito que sim e pelo o que pude constatar nesta visita, desde que haja um investimento não só financeiro mas também na qualidade dos recursos humanos envolvidos e na vontade de efectivamente produzir algo muito bom, vejo mesmo com capacidade de "duelar" com outras referências privadas deste sector.Neste caso concreto consegui ver a união de duas coisas: capacidade de produção e qualidade no resultado final. Relativamente à última questão, serei mais generalista: acho que "pertencer ao passado" é o destino de muitas empresas deste sector... Trata-se de outros factores que não a denominação de Adega Cooperativa: péssima gestão de recursos e mau direccionamento técnico entre outros...
    Assim sendo, e em jeito de resumo,acho que uma cooperativa como esta e com produtos como os que veremos nas próximas postagens,mais facilmente pertencerá ao futuro.

    ResponderEliminar
  5. Janeiro,
    Em primeiro lugar devo dar-te os parabéns pelo belíssimo post. Em segundo, congratular-te pela ousadia de um post reflexivo e provocatório.
    A minha opinião:
    As adegas cooperativas são, quanto a mim as que mais sofrem da heterogeneidade das vontades. Não é possível, sem uma cultura de qualidade por parte dos sócios, fazer vinhos de qualidade média, quanto mais de uma qualidade superior.
    Reforço, o truque está na reeducação dos produtores, tanto na qualidade, como na questão cooperativa.
    Há muita coisa para discutir sobre este assunto (produção), mas por agora quedo-me por aqui.

    ResponderEliminar
  6. As adegas cooperativas devem ter uma politica de qualidade. Naturalmente que os associados deverão ser motivados para essa prática, sendo discriminados positivamento. Acredito que cada vez vez mais o espirito cooperativo pode ajudar a resolver o problema dos pequenos e médios viticultores. Será necessario que o poder instituido ajude este sector criando linhas de apoio especificas para o sector cooperativo

    ResponderEliminar
  7. Trata-se então de uma questão de organização e boa gestão de todos os recursos? Ou será mais do que isso? E o consumidor? Prefere vinho de AC, de produtor "privado" ou apenas lhe interessa o preço?

    ResponderEliminar
  8. Acho que existem consumidores para todos os vinhos, mas o preço para a maioria é o ponto principal.

    ResponderEliminar
  9. As Adegas Cooperativas não só podem, mas também devem produzir vinho de qualidade.

    A vantagem dos produtores se juntarem numa cooperativa tem de começar a alcançar mais que o simples escoar da produção. É preciso que o produtor tenha orgulho na marca que o representa.

    E a própria Cooperativa (seja esta ou outra qualquer) tem também a obrigação de honrar os seus associados. Tem certamente todos os recursos para produzir vinho de qualidade (e diria até de varias qualidades e apanhar vários segmentos de mercado).

    É preciso que os projectos das Cooperativas se comecem a demarcar de ver da alguma má fama que ganharam. O próprios associados só têm a ganhar com o aumento da qualidade dos produtos finais e deve ser eles próprios a exigir essa mudança.

    (Por último parabéns pelo post e por levantares esta questão e diálogo no blog. Tu sabes do que estou a falar..)

    ResponderEliminar
  10. Há um problema corporativo em Portugal, sempre houve, está-nos no sangue. Se é certo que os sócios têm razões para se queixarem das administrações, não é menos verdade que os enólogos têm razões para se queixar dos sócios. Enquanto a política de pagamento estiver baseada na dicotomia preço/grau alcoólico, jamais uma cooperativa pode ser competitiva ao nível do nível super Premium.
    Deixo a pergunta: Será que interessa, a uma cooperativa ser competitiva nesse nível?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queres dizer que existe o sócio que prefere vender rápido e em grande quantidade, mas com menos qualidade do que apostar efectivamente na qualidade e competir ao mais alto nível? E porque não os dois mundos?

      Eliminar
  11. Carlos apaguei o anterior comentário que tive de corrigir e colocar de novo aqui fica: O importante nisto é acima de tudo uma direcção competente, a Coop. Borba antes era uma coisa sem alma, com direcções pouco vocacionadas para o que a Coop precisava para crescer, o trabalho realizado nos últimos anos foi o de puxar do fundo para onde se encontra hoje, há um claro e notório investimento, há vontade e paixão e há uma formação continuada no que toca aos seus associados, mesmo a nível de campo que permite uma qualidade maior do produto que lá vão deixar... Como se ouviu, já não há carros de mulas com a uva em bidon de ferro.

    Certo é que o estigma de vinho de Coop ainda bate na cabeça de muito consumidor, bate ainda mais na cabeça dos consumidores de elites e de rótulos engalanados. O normal consumidor é da Cooperativa que bebe, são esses os vinhos que criaram fama na região, são esses os vinhos que nunca sendo caros acostumaram o grosso do pelotão consumidor a um perfil mais que fiável para um consumo diário. O resto veio com o tempo, a evolução chegou apenas aquelas Cooperativas que souberam primeiro curar os seus males e depois souberam crescer de forma sustentada, é isto que tem vindo a acontecer em Borba... e os vinhos que de lá vão saindo são exemplo do que falo. E a Coop de Borba é competitiva no segmento Super Premium, com vinhos de custo comedido e qualidade bem acima da média. Quem lá esteve sabe do que falo.

    ResponderEliminar
  12. Não, a maior parte das cooperativas é alimentada por viticultores de longa data, muitos deles sem conhecimentos técnicos. Na sua maioria têm uma ideia errada do trabalho dos enólogos. A sua preocupação acaba quando a adega recebe as uvas. A partir dai “não é problema deles”. Ora, se a esta mentalidade adicionamos uma forma de pagamento baseada no grau alcoólico (ecos do passado!), rapidamente chegamos à conclusão que os critérios de qualidade para os sócios passam a ser outros ligeiramente diferentes daqueles que são para os enólogos.
    Depois o vinho saia assim e assado, não se vende, e se não se vende atrasa-se o pagamento das uvas. Está mal.
    Contudo, as cooperativas que sobreviverão, serão aquelas onde a forma de pagamento se basear nos critérios de qualidade do enólogo.

    ResponderEliminar
  13. Carlos , não querendo deixar-te sem resposta às tuas pertinentes questões:

    Uma Adega Cooperativa pode produzir vinhos de qualidade superior? Pode.

    e ombrear com os grandes produtores nacionais?
    Em quantidade ombreiam e até superam, no que a qualidade diz respeito a conversa com o Oscar Gato foi essencial para entender que nem sempre esse pode ser o caminho, se bem que têm todos os mecanismos para produzir qualidade, mesmo quando toca a vinhas velhas e terroir se for caso disso.

    As Adegas Cooperativas são história do passado ou realidade no presente e auspicioso futuro ? São um pouco de tudo, marcaram uma época e uma geração de consumidores, nos dias que correm aquelas que importam souberam adaptar-se à realidade , modernizaram-se e cresceram de modo sustentável, renovaram-se e conseguiram preparar-se de forma correcta para o futuro.

    ResponderEliminar
  14. Joao, Então com a aposta correcta, e pelo que vi e ouvi na ACB, qualquer AC pode fazer vinhos de topo/premium (e nesse aspecto a ACB tem alguns).

    É pena não termos a opinião do lado das AC. Seria interessante perceber se, como diz o Hugo Mendes, ainda se previligia a forma de pagamento em critérios diferentes da qualidade do enólogo ou se esta opção está a ser alterada. Ou mesmo se este é de facto um ponto determinante nos vinhos de uma AC.

    ResponderEliminar
  15. Janeiro, não te esqueças de duas coisas:
    1º As adegas Cooperativas são propriedade dos sócios, logo, a vontade que prevalece é, ou terá de ser a deles. Não necessariamente a mais correcta.
    2º As cooperativas não são, nem nunca foram vocacionadas para fazer produtos super Premium. Nasceram da necessidade de acabar com a falta total e absoluta de salubridade dos vinhos e, mais importante ainda, para facilitar a regulação e o controlo.
    Pessoalmente, penso que o papel fundamental das AC é a produção de vinhos de gama média, com relações qualidade preço boas e com regularidade. Penso que é um disparate esperar que se batam com produtores individualizados.
    Resumindo, se algum dia aparecer um Barca Velha saído de uma AC é apenas a excepção que confirma a regra.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  16. Bom tema este. Temos um grande exemplo em Portugal, Lavradores de Feitoria, em que basicamente não se designam por Coop. mas trabalham como uma, com a diferença que os produtores não querem somente vender a uva, mas sim que se façam bons vinhos, e conseguem.

    ResponderEliminar

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails