segunda-feira, 1 de março de 2021

Alto do Pocinho Reserva 2019 Branco

ALTO DO POCINHO RESERVA 2019 BRANCO | DOURO | 13% | PVP  9€
RABIGATO, VIOSINHO
QUINTA DOS TERMOS, LDA
17

Localizada na aldeia do Pocinho, em Vila Nova de Foz Côa, a Quinta do Pocinho é uma propriedade histórica do Douro Superior. Conta com cerca de 22 hectares de vinhas em patamares e vinhas ao alto, entre as cotas de 200 e 350 metros de altitude. 
As castas predominantes desta propriedade são as tintas Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinto Cão e Tinta Roriz, e as brancas Rabigato e Viosinho, tendo ainda algumas vinhas velhas com mistura de dezenas de outras castas, originando vinhos que expressam a força telúrica do lugar. 
A Quinta do Pocinho foi integrada na família da Quinta dos Termos desde a colheita de 2019, e ambiciona reforçar o conceito de produção sustentável com foco nas castas tradicionais.
Cor amarelo citrino, bastante aberto, tonalidade esverdeada, aspecto límpido e jovem. Aromas com intensidade bem medida, elegante e delicado, com a fruta critrina a mostrar-se num primeiro plano, bem ladeado por lado mineral, silex e pedra molhada. Na boca, com boa densidade e volume, toque aveludado, fruta sumarenta citrina , acidez no ponto, com ligeira secura, boa amplitude e final de boca longo. 
A 200/350 metros de altitude e num local onde as temperaturas no verão honram o epíteto de inferno parabéns à frescura e elgância com que se apresenta. Fiz questão de o casar com dois momentos distintos. Com um Pargo Mulato assado no forno e no dia seguinte com algumas peças de sushi. E que bem que esteve em ambas as ocasiões.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Pelo Reino de Jorge Rosa Santos e Rui Lopes no Projecto Lés a Lés

J
orge Rosa Santos e Rui Lopes formam a dupla que corre o País de Lés a Lés por um projecto com o mesmo nome e que nasce com o objectivo de recuperar não só castas menos utilizadas e/ou à beira da extinção, como também antigos estilos de produção de vinho que, por alguma razão, têm vindo a ver o número de garrafas produzidas cada vez mais limitado.
Os quilómetros feitos pelas estradas nacionais noutros projectos juntam-se a este de cariz mais pessoal sendo impressionante a dinâmica, irreverência e, ainda assim, alegria que demonstram ao falar do projecto. 
Na noite em que estivemos juntos, Jorge Rosa Santos chega ao restaurante já com alguma distância percorrida nas pernas e Rui Lopes apenas se junta à mesa cerca de uma hora depois pois teve de fazer uma cansativa viagem desde a região de Távora-Varosa até Sintra para poder estar presente. Com a curiosidade de pouco depois confidenciarem que às 6 da manhã do dia seguinte seguiriam juntos para o Douro. É obra. Haja vontade!
A noite foi agendada para conhecer, mais e melhor, o trabalho de ambos em vários produtores onde fazem vinho, todavia o projecto Lés a Lés, pela sua pessoalidade, despertou outra atenção.
A rotulagem em forma de bilhete antigo de autocarro, como que a dizer que vamos fazer parte da viagem e os nomes dos vinhos, bastante sui generis, aguçam a curiosidade. Em cima da mesa três representantes da ainda pequena colecção de vinhos, com regiões escolhidas a dedo e com número de garrafa bastante limitado. 
O Sério de Síria, Beira Interior, 100% Síria de vinhas a 650 metros de altitude; o L'Immigrant, um Sauvignon Blanc de Lisboa, de uma vinha perto da Merceana; e o Medieval de Ourém, também de Lisboa, Doc Encostas de Aire, com uma história belíssima, embora talvez o vinho mais dificil de concretizar.
 
LÉS-A-LÉS SÉRIO DE SÍRIA 2017 BRANCO | BEIRA INTERIOR | 13,5% | PVP 14,90€
SÍRIA 
WINE ATTITUDE, LDA 
17,5
Uma Síria que é um caso sério. Revela uma elegência e delicadeza imensa, ao mesmo tempo que mostra ter um toque de volúpia e sensulalidade que só os grandes Sírias conseguem revelar. 
Cor citrino intenso, tonalidades esverdeados, aspecto limpo e brilhante. Aromas, contidos de inicio, a fruta de caroço madura, pêssego, alperce e alguma ameixa amarela, envoltas em floral delicado, algum chá de limão e mel, pedra lascada, fresco e desafiante. Envolve-nos na boca com uma equilibrada sensação de cremosidade e acidez, tanino macio, fruta fresca, leve toque baunilhado, ligado e harmonioso, finalizando com muita elegância e frescura.
 
 
LÉS-A-LÉS L'IMMIGRANT 2018 BRANCO | LISBOA | 13,5% | PVP 14,90€
SAUVIGNON BLANC
WINE ATTITUDE, LDA 
17
Uma interpretação do Sauvignon Blanc num registo menos exuberante e clássico, mas mais contido, com mais gordura e largura de corpo e com uma versatilidade mais abrangente. 
Cor amarelo definido, com tonalidade palha e leves esverdeados, aspecto límpido e brilhante. Nariz onde as notas de fruto exótico aparecem bem medidas, com elegância, bem ligadas com notas citricas, algum vegetal envolvente, couve cortada, complexo, em crescendo à medida que vai respirando. Boca muito expressiva, com cremosidade bem colocada e uma acidez aguçada o suficiente, alguma pedra lascada e lado salino, fruta bonita, harmonioso e com término de boca longo.
 
LÉS-A-LÉS MEDIEVAL DE OURÉM 2019 TINTO | ENCOSTAS DE AIRE | 14,5% | PVP 21€
FERNÃO PIRES, TRINCADEIRA
WINE ATTITUDE, LDA 
17
Um desafio imenso reproduzir um vinho feito à base de uma técnica ancestral, que terá chegado a Portugal que via da Ordem de Cister que se diz terá tentado replicar os vinhos das suas origens e que terá resultado neste palhete que dá um prazer imenso a beber.
Cor vermelho intenso, pouca concentração, aberto, luminoso e límpido. No plano aromático as notas de fruta vermelha madura e fresca em relevo, muito nítida e atraente, com um lado mais de bosque, turfa levantada, míscaros, pedra lascada, fresco. Na boca brinda-nos com algum volume e cremosidade, acompanhado por uma rugusidade e acidez mais rústica, brilhando novamente a fruta vermelha, um lado muito fresco e com término de boca longo, elegante e viciante.
 
Um projecto cativante e a seguir com atenção. Cada vinho é uma viagem.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

António Madeira 2016 Tinto

ANTÓNIO MADEIRA 2016 TINTO | DÃO | 14% | PVP  14€
VINHAS VELHAS, ALFROCHEIRO, JAEN, BAGA
ANTÓNIO JOSÉ MADEIRA
17,5
 
As uvas que fazem nascer este vinho vêm de vinhas do sopé da Serra da Estrela com mais de 50 anos de idade e com um trabalho desde esse local até à adega onde o objectivo é a expressão do terroir onde tudo acontece, tentando mostrá-lo o mais natural possível.
Cor vermelho granada intenso, média concentração, tonalidades violáceas, aspecto límpido. Aromas mostrando uma fruta preta silvestre e fruta de baga, lado a lado com traça fresca de bosque, pinhal, alguma resina, respirante, evidenciando muita elegância e frescura. Boca que, sem deixar de mostrar corpo e estrutura, nos brinda com elegância, com finess, secura refinada e prolongada, sem pontas soltas, embora com tudo mais em destaque, mais fruta e mais acidez, continua num registo de equilibrio e notável harmonia, terminadno longo e persistente. Sente-se por aqui a Serra.
À mesa a cozinha regional, os pratos de carna com tempero, com gordura, com complexidade e com identidade para um vinho também ele com muito de único e particular.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Messias Porto Colheita 1995

MESSIAS PORTO COLHEITA 1995 | PORTO | 20% | PVP  49€
SOCIEDADE AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS MESSIAS, SA
TOURIGA NACIONAL, TOURIGA FRANCA, TINTA BARROCA, TINTA RORIZ, TINTO CÃO
ENGARRAFADO EM 2018
18

A Messias é bem conhecida por ser uma referência na produção de Vinho do Porto e por, neste sector, nos brindar com Colheitas de elevada qualidade e com a felecidade de ainda contar com muitos anos disponiveis para venda. Este 1995, que podermos dizer "teve o azar" de vir a seguir a um colheita estrondoso como o 1994, mostrou estar num excelente momento de forma e pronto a fazer boa compa nhia em tempos de confinamento. 
Cor âmbar intenso, já um pouco mais escuro, ligeira tonalidade avermelhada, límpido, brilhante e de lágrima persistente. Aromas exuberantes , casca de laranja, fruto seco, figo seco, alperce passa, com notas bem medidas de mel e envolto por uma camada de fina especiaria marroquina, elegante e harmonioso. Boca com volume, untuosidade, toque de veludo, com alguma densidade, com acidez equilibrante, boa secura, sempre num nível de elegância elevado, envolvente, com final de boca longo e persistente.
Cá em casa fez casamento com o crumble de maça à sobremesa, mas experimente juntá-lo com uma tarde de amêndoa, uma torta de noz ou um leite creme queimado. 


terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Quinta dos Termos Vinhas Velhas Reserva 2017 Tinto

QUINTA DOS TERMOS VINHAS VELHAS RESERVA 2017 TINTO | BEIRA INTERIOR | 13,5% | PVP  9€
TRINCADEIRA PRETA, JAEN, RUFETE, MARUFO
QUINTA DOS TERMOS, LDA
17,5

Esta garrafa foi pouco para uma refeição a dois na qual apenas eu bebi. Um prazer imenso a beber. É produzido a partir de vinhas velhas plantadas em 1931, quase 100 anos de vida, onde aparecem as castas mais tradicionais desta região em destaque. Estagia depois cerca de 12 meses em barricas, num equilibrio entre novas e usadas, de carvalho francês. Chega às prateleira a 9€. Não há desculpas para não conhecer.
Cor vermelho rubi intenso de média concentração, tonalidade violácea, aspecto límpido e jovem. No nariz a fruta vermelha e preta madura destaca-se pela sua pureza e definição, fruta silvestre, bagas, com especiria fina, balsâmico refrescante, algum fumado, leve, desafiador, envolvência, queremos continuar. Boca com volume, untuosidade e toque de veludo, com acidez bem medida, tanino polido, envolvente, aconchegante, mais uma vez com a fruta muito bonita e limpa, com frescura, harmonioso, barrica completamente integrada, com término de boca longo e elegante.
À mesa com certeza, mas dei por mim a bebê-lo sem mais nada e nem sequer me importar com isso. Valor seguro. Daquelas compras a repetir.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

Tapada do Coronel Vinho de Talha 2017 Branco

TAPADA DO CORONEL VINHO DE TALHA 2017 BRANCO | ALENTEJO | 14% | PVP  22€
ARINTO, ROUPEIRO, ANTÃO VAZ, OUTRAS 
ARES ALENTEJANOS SOC VITIVINICOLA, LDA
17
 
O Vinho de Talha, com o pormenor de nascer na Serra de São Mamede e com vinhas a 750 metros de altitude, mostra aqui mais um exemplo do potencial de perfil com o qual podemos ser brindados. Acabou por me surpreender pela sua menor marca da fruta fresca, um lado terroso e ligeiro oxidado bem interessante e um conjunto de boca mais gordo e rústico que que estaria à espera. 
Mais um belo exemplar deste tipo de vinho, reforçando-se aqui o lado gastronómico e a ligação ao receituário alentejano. 
Cor amarelo intenso, ligeiros aloirados, aspecto límpido. No nariz as notas de fruta amarela madura é suplantada pela presença do fruto seco, fruta passa, alguma cera de abelha, flor branca, ligeiro oxidado bem medido, terroso envolvente, fresco. Boca com algum volume e gordura, macio à primeira impressão, com acidez espigadota, alguma fruta citrina, toranja em destaque e fruta de polpa amarela, harmonioso, alguma rusticidade, envolvente e com final de boca longo.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Anselmo Mendes Vinhão Escolha 2019 Tinto

ANSELMO MENDES VINHÃO ESCOLHA 2019 TINTO | VINHOS VERDES | 12% | PVP  5,50€
VINHÃO 
ANSELMO MENDES VINHOS, LDA
16
 
A época da lampreia está no começo e os vinhos verdes tintos têm de ser chamados ao palco mesmo não sendo da colheita de 2020, como é este o caso, e quando o prato à mesa não é a dita lampreia. A verdade é que este vinho é um portento na ligação a certos pratos de inverno que teimo colocar à mesa. A sua acidez, textura e frescura faz deles parceiros ideais para a gordura de pratos tradicionais como a Lampreia, Bacalhau com Migas, Cabrito Assado, Lombinhos de Cordeiro, Cozido à Portuguesa, Papas e Arroz de Sarrabulho, Rojões, Tripas e mesmo a Sardinha Assada.  
Cor vermelho rubi intenso, tonalidade viva, média concentração, reflexos bonitos, aspecto límpido. No nariz brilha a fruta vermelha e preta madura, com alguma exuberância, fruto silvestre, baga azul, cereja, ameixa, envolvente e com muita frescura. Na boca, embora se repare ser um vinhão mais polido e domado, não deixa de nos brindar com a sua acidez bem característica, alguma rusticidade, bom corpo, com a fruta a mostrar-se bonita e fresca, cativante, apetece beber e beber e ir acompanhando a refeição.