segunda-feira, 30 de setembro de 2019

San Román 2009 Tinto

SAN ROMÁN 2009 TINTO | TORO (ESP) | 14,5% | PVP  27,30€
TINTA DE TORO
BODEGAS Y VIÑEDOS MAURODOS
18

Chega da pequena região de Toro em Espanha, que me tem vindo a conquistar com vinhos como este, robustos, com grande capacidade de guarda, expressivos, feitos a partir da casta Tinta de Toro, que, no fundo, nada mais é que um clone local da casta Tempranillo ou, como alguns afirmam, um Tempranillo adaptado ao terroir de Toro.
Na verdade é um vinho que impressiona. Neste caso, um 2009 que parecia acabado de sair para o mercado tal a forma com que se apresenta. Daqueles que precisam de um sono bem longo de garrafa.
Cor vermelho granada concentrado, de violetas carregados, completamente fechado, aspecto jovem e limpo. Nariz onde predominam os frutos vermelhos e pretos, framboesas, morangos, cereja preta, ameixa, bem acompanhado por notas de violeta, algum cacau, licorice, fumado, toque refrescante da madeira de cedro, muito respirante, fresco e complexo.
Boca sólida, grande estrutura, cheio de vida, poderoso, enche por completo o palato, tanino firme, mas como veludo, presentes, mas macios, com a fruta sumarenta, madura, com boa especiaria, caixa de tabaco, fresco mentolado, terminado longo e envolvente.
A colheita mais recente no mercado é a de 2016. É comprar e ter a paciência de esperar uns aninhos.

domingo, 29 de setembro de 2019

Herdade do Sobroso Cellar Selection 2018 Rosé

HERDADE DO SOBROSO CELLAR SELECTION 2018 ROSÉ | ALENTEJO | 13% | PVP  12,69€
SYRAH
SOCIEDADE AGRO-PEC HERDADE DO SOBROSO, LDA
16,5

Quem disse que o verão já acabou enganou-se. O tempo quente continua por cá e este rosé merece-nos como companhia. Rosado de Provença, bem sequinho e fresco, perfeito para se beber sozinho ou bem acompanhado.
Cor salmonada, rosado aberto, estilo Provença, aspecto limpo e cativante. No nariz, muito delicado, notas de fruta vermelha madura e fresca, perfumado floral bem casado, toque mineral, atraente e fresco. Na boca um primeiro impacto bem sequinho, acidez bem medida, ligeira untuosidade e corpo, framboesas e morangos sem estarem maduros demais, leve e equilibrado, terminando longo e com muita elegância.

sábado, 28 de setembro de 2019

Restaurante Pão à Mesa Com Certeza - Lisboa

Em pleno reboliço, muito próprio da zona do Príncipe Real, em sentido já descendente em direção ao Chiado, fica este Pão à Mesa que oferece uma ementa diversa à carta ou mesmo um menu de degustação em cinco momentos, que foi a experiência a que nos propusemos.
Espaço sóbrio e ao mesmo tempo com uma sensação de conforto e aconchego que parece querer a nossa presença em dias mais de outono e inverno do que ainda em pleno verão, no entanto, também há uma pequena esplanada para quem gostar mais do ar livre. Nós fomos lá para dentro.
Espaço amplo, com algumas mesas a partilharem o assento tipo sofá que se encontra junto à parede, mesas com pouca tralha, apenas o necessário e temperatura correta para um jantar relaxante.

O menu de degustação acompanhou com um seleção do próprio restaurante de vinho a copo que se mostrou eficaz, em doses mais do que aceitáveis, temperaturas correctas e copos à altura. A carta de vinhos, embora curta, mostra uma selecção cuidada e muito interessante, com alguns deles com a opção de vinho a copo a preços razoáveis.

Após simpática recepção e feita a escolha chega o couvert à mesa. Pão de Fermentação Natural, Manteiga Caseira e um Infusão de Azeite em companhia com o espumante blanc de blancs de Luís Pato. Momento um pouco plano, melhor a harmonização do que o a entrada em si.

De seguida, um prato muito bem conseguido. Quer nos sabores, quer na concepção e como na própria técnica aplica. A Telha de Tinta de Choco e Batata Doce. Crocante, sabores bem delicado e equilibrados. Amouse Bouche formidável. Neste prato continuámos com o espumante bairradino anteriormente servido que também se mostrou adequado.

O Espadarte e Citrinos elevou ainda mais o nível da experiência. Braseado, com tártaro do mesmo, puré de cenoura, espuma de citrino  e daishi de peixe. Fabuloso. Apeteceu-me pedir outro logo de seguida, mas ainda agora havíamos começado. A maridagem com o vinho foi feito com um branco duriense de 2018, Noemi de seu nome, que desconhecia. O prato brilhou um pouco mais.

Passámos para a carne logo de seguida. com a Bochecha de Porco, Raviolis de Camarão e Couve Flor. Um prato um pouco confuso e marcado em demasia, para o meu gosto, pelas notas fumadas que acabaram por tapar um pouco os restantes ingredientes. No copo, a companhia bem conseguida com o alentejano Howard's Folly Sonhador colheita de 2012. Belo vinho.

No momento seguinte voltámos ao peixe com o Arroz de Peixe e Marisco. O peixe do dia junta-se ao polvo, ao camarão e ao mexilhão num arroz bem malandrinho como é de lei. Deveria ter sido servido logo a seguir ao espadarte. Apesar dos sabores intensos e da complexidade do mesmo, a força mais bruta do prato anterior cortou-lhe um pouco as pernas.
O vinho, mais uma vez, mostrou ter dedo acertado com o Vidigueira Reserva branco de 2013.

Com a sobremesa voltámos ao nível dos primeiros dois pratos.  O Pudim de Ovos e Citrinos mostrou um equilíbrio fantástico. A ligação com o Porto Tawny 10 anos da Andresen acompanhou com harmonia. Belo final de refeição.

No conjunto uma experiência que não desilude, com serviço rápido e simpático mesmo para casa cheia, momentos bem altos em alguns pratos e o serviço de vinhos também a bom nível. Soubemos que existirão novidades na carta para breve e a curiosidade ficou cá plantada.
Até breve.
______________________________
PÃO À MESA
Tipo de Cozinha: Portuguesa 
Copos de Vinho Adequados: Sim
Vinho a Copo: Sim
Estacionamento: Sim. A pagar e alguma dificuldade. Escolha transportes públicos para evitar o stress.
Preço do menu de degustação com a harmonização de vinhos: 58€

Morada: Rua D. Pedro V, Nº 44 Príncipe Real  1250-094 LISBOA
Telefone:  +351 966 122 675 /+351 213 460 988
Na net: Pão à Mesa Com Certeza

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

D. Graça Reserva 2015 Tinto

D. GRAÇA RESERVA 2015 BRANCO | DOURO| 14% | PVP  7,90€
TOURIGA NACIONAL,TINTA RORIZ, TOURIGA FRANCA, TINTA BARROCA, SOUSÃO
VINOLOURENÇO, LDA
16,5

Dias mais cinzentos e frios pedem um vinho que tragam mais aconchego, que nos confortem e que tragam uma boa memória. A ligação à carne de porco assada no forno fez-se na perfeição e ainda estou a pensar naquilo no preço a que se encontra à venda. Bela opção.
Cor vermelho rubi concentrado, com violetas bem definidos e carregado, aspecto limpo e jovem. No nariz muita fruta vermelha fresca e preta silvestre, perfumado floral, flor branca, notas de barrica bem integrada, perfil equilibrado e fresco. Boca com boa estrutura, volumoso, a revelar bom equilíbrio entre o tanino marcante, mas polido e sedoso, a fruta vermelha bem sumarenta e fresca e uma acidez que se junta bem ao conjunto e lhe dá mais nervo. Final de boca longo, persistente e elegante.
Mostrou jovem e cheio de vida para a sua idade. Uma prova de boa longevidade se a esquecermos na garrafeira.

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Regateiro. Vinhos de Família na Bairrada

Regateiro, nome de família com mais de 350 anos de ligação aos vinhos da região da Bairrada, que teve em 1990 um único descendente a continuar o projecto. Casimiro Gomes, especializou-se na área da viticultura e enologia na década de oitenta, construiu diversos projectos vitivinícolas em sociedade com outros profissionais na região da Bairrada, como também no Dão, no Douro, no Alentejo e no Brasil. Lançou os vinhos da Família como o culminar de todo este conjunto de experiências e do saber adquirido ao longo do tempo.
No âmbito do evento Aqui na Bairrada, fui conhê-los em sua própria casa. À mesa, a comida havia sido preparada pela família. A começar pelas entradas, com os carapaus fritos, as sardinhas de conserva e do pote, terminando numas iscas de cebolas extraordinárias. Tudo isto bem acompanhado pelo espumante bruto Regateiro.

Depois, algo que ainda nunca tinha visto. Um bacalhau no forno com castanhas demolhado e assado por inteiro. 11,8 quilos de bacalhau. Obra de mestre harmonizada com o Regateiro branco reserva. Belo branco. Jovem e com a acidez na mouche para batalhar com este bacalhau.

Na Bairrada não podia faltar o leitão que aqui também fora preparado pela família e assado no próprio forno. Uma delicia. Direi mesmo dos melhores que me passaram pelo prato ultimamente. Um vicio.
Por fim, as sobremesas. Um pequeno bufete de delicias onde também predominavam as feitas em casa. Ver galeria fotográfica aqui.

REGATEIRO ESPUMANTE BRUTO 2015 BRANCO | BAIRRADA | 12,5% | PVP 10,50€
BAGA
ARES DA BAIRRADA - SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, LDA 
16,5
Cor amarelo citrino, definido, com ligeiras tonalidades rosadas, revelando bolha muito fina e de cordão persistente. No nariz, a fruta vermelha fresca mostra-se bem ligada com notas levemente tostadas, ligeiro biscoito, perfil todo ele muito fresco e elegante.
Na boca, espuma leve e fresca, nota-se a bolha fina, fruta de caroço, maça verde, algum marmelo, seco, mostrando longa persistência final.

REGATEIRO RESERVA 2016 BRANCO | BAIRRADA | 12% | PVP 9,50€
ARINTO, BICAL, MARIA GOMES
ARES DA BAIRRADA - SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, LDA 
16
Cor amarelo citrino, definido e intenso, com ligeiras nuances esverdeadas, aspecto limpo e jovem. No plano aromático mostra um harmonioso conjunto de notas de fruta de caroço, fruta amarela e fruta citrina. Ameixa amarela, pera, lima, toranja. Perfil fresco, bem ligada com leve perfumado floral e notas quase impercetíveis do estagio em barrica de carvalho francês.
Boca harmoniosa, com algum volume, aveludado, fruta citrina fresca, rasgo salino e de pedra lascada, término de boca longo.

REGATEIRO VINHA D'ANITA 2015 TINTO | BAIRRADA | 12,5% | PVP 19,50€*
BAGA
ARES DA BAIRRADA - SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, LDA 
17
Vinho de homenagem à Mãe de Casimiro Gomes, de seu nome Ana, mas a quem todas as pessoas próximas tratam por Anita. Sempre preferiu vinhos tintos, sem muita extração, mas com boa persistência de boca. Foi neste sentido que foi feito.
Cor vermelho de média concentração, violetas bonitos, aspecto limpo. No nariz sobressaem os frutos vermelhos com muita frescura e nitidez, leve floral, muito elegante e frescura natural. Na boca mantém-se num registo de elegância e muita finess, mostrando uma fruta vermelha muito arejada e bonita, acidez com equilíbrio e com final de boca longo e fino.
Um baga mais amigo, menos agressivo, mais "moderno", mas que se mostra cativante, de tanino muito elegante e a deixar-se beber com muito prazer. Beberam as garrafas magnum e que bem que estavam.

*pvp para a garrafa de 0,75cl

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Duorum 2018 Branco

DUORUM 2018 BRANCO | DOURO | 13% | PVP 12,49€
RABIGATO, GOUVEIO, ARINTO, CÓDEGA DO LARINHO
DUORUM VINHOS, SA
16,5

Proveniente das vinhas da Quinta de Castelo Melhor plantadas a uma altitude de 500 metros este vinho mostra ser um belo exemplar da qualidade do terroir do Douro Superior para a produção de grandes vinhos brancos.
Acabado de aterrar no mercado, mostra ser um branco muito versátil à mesa, sendo parceiro para pratos de peixe variados ou mesmo para carnes brancas com algum tempero. À sobremesa, com queijos de pasta mole, fará também acertada harmonização.
Cor amarelo citrino, nuances esverdeadas, aspecto jovem e límpido. Aromaticamente elegante, com notas citrinas como a toranja e a lima, fruta amarela de caroço como o pêssego, flor branca, toque de pedra lascada, envolvente fresca. Boca com volume, ligeira untuosidade, bom corpo, acidez equilibrada, a secar ligeiramente o palato, citrino, maça verde, fruta fresca, equilíbrio, com final de boca longo e elegante.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Quinta da Fata Encruzado 2017 Branco

QUINTA DA FATA ENCRUZADO 2017 BRANCO | DÃO | 13% | PVP  11€
ENCRUZADO
QUINTA DA FATA AGRICULTURA E TURISMO, LDA
16,5

A mesa pedia branco. Os enchidos fatiados faziam fila e o presunto, finamente cortado à mão, quase translucido e com aquela untuosidade brilhante, chamava por um vinho com boca acidez e frescura. Os queijos, uns de pasta mole e outros mais curados, também queriam companhia a condizer. Este encruzado revelou ser o par ideal para este final de tarde. Bela acidez e frescura, com algum volume e corpo, equilíbrio e elegância no término de boca.
Cor amarelo citrino, aberto e com esverdeados leves, aspecto limpo e jovem. Aroma onde sobressai o fruta e a tez mineral, citrinos, ameixa amarela, maça verde, componente floral, bem casada, pedra lascada, perfil fresco. Na boca descobre-se um branco com boa largura, algum volume e untuosidade, fruta sumarenta e bem colocada, conjunto equilibrado a terminar longo e com muita elegância.
Tem vindo a ficar mais pronto a beber no momento da saída para o mercado.

domingo, 22 de setembro de 2019

Deu La Deu Alvarinho 2018 Branco

DEU LA DEU ALVARINHO 2018 BRANCO | VINHOS VERDES | 13,5% | PVP  6,89€
ALVARINHO
ADEGA COOPERATIVA REGIONAL DE MONÇÃO, CRL
16,5

De regresso a este Alvarinho do qual não me canso. Continua em grande forma, pleno de frescura, fruta bonita e aquela rapidez com que desaparece da garrafa. Parece que anda por aí em promoções e mais promoções que o faz andar pelos 4,79€ até ao final do mês. Claro que vale a pena comprar.
Cor amarelo citrino, esverdeados abertos, aspecto limpo. No nariz boa intensidade da fruta tropical, maracujá, abacaxi, bem ligado com notas de fruto amarelo de caroço e alguma pêra rocha, flores brancas e toque de pedra partida. Boca com acidez vivaz e crocante, a secar o palato, cheio de frescura, fruta madura sumarenta, volume médio,algum vegetal em final de boca, equilibrado e a terminar com longo comprimento.
À mesa fiz com que fizesse companhia a uns torresmos de rissol, croquetes de carne, fruta à fatia, presunto, queijo semi-curado e deu-se bem com todos.

sábado, 21 de setembro de 2019

Pacheca Colheita Tardia 2015 Branco

PACHECA COLHEITA TARDIA 2015 BRANCO | DOURO | 12,5% | PVP  24€
SEMILLON
QUINTA DA PACHECA SOC AGRÍCOLA E TURÍSTICA, LDA
17

Mais um vinho inédito na gama de vinhos a Quinta da da Pacheca. Sendo um colheita tardia a curiosidade deste lado era muita.
Casta semillon, aquela que mais me satisfaz neste tipo de vinho, colhida na segunda semana de novembro do ano de colheita. Uva já bem desidratada e consequente aumento de açucares.
Cor amarelo dourado, intenso, aspecto limpo e cativante.  No nariz saltam as notas de pêssego maduro, fruta passa, alperce, melaço, chá de limão com mel, perfil fresco. Na boca mostra corpo, algum volume e untuosidade, não tão gordo como se esperava, mais fino, elegante, acidez no ponto, com as notas de fruta bem colocadas, alguma manga madura, equilibrio do conjunto, doce, sem ser enjoativo, com término de boca longo e persistente.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Quinta do Gradil Alvarinho 2018 Branco

QUINTA DO GRADIL ALVARINHO 2018 BRANCO | LISBOA | 13% | PVP 11,5€
ALVARINHO
QUINTA DO GRADIL SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, SA
17

Este é o primeiro Alvarinho feito na Quinta do Gradil. Uma casta que muitos defendem apenas mostrar o seu expoente máximo na região dos Vinhos Verdes, mas que tem vindo a ser plantada pelos vinhedos por esse País fora e, em alguns casos,a produzir vinhos sérios e de excelente qualidade. Este é, sem dúvida, um desses bons exemplos.
Cor amarelo citrino, intenso, com tonalidade esverdeadas, aspecto limpo e jovem. Nariz com intenso, fruta de caroço, maça verde, pêssego, pera, algum citrino e tropical bem medido,  toque salino, pedra lascada, fresco.
Boca vivaz, acidez acutilante, bela envolvência, alguma untuosidade, sumarento, fruta citrina, maça verde, mordiscante,  equilibrado e final longo e elegante.
Tal como o Alvarinho mais a norte também este aguça a minha curiosidade com mais alguns anos de descanso em garrafa.

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Quinta de S. Lourenço Espumante Bruto 2008 Branco

QUINTA DE S. LOURENÇO ESPUMANTE BRUTO 2008 BRANCO | BAIRRADA | 11,5% | PVP 9,5€
BAGA, ARINTO, MARIA GOMES
CAVES DO SOLAR DE SÃO DOMINGOS, SA
17,5

Este foi o vinho que conquistou a Grande Medalha de Ouro no último Concurso de Espumantes e Vinhos Bairrada 2019. Porventura alguma surpresa por ser um espumante a receber esta distinção quando também existam grandes vinhos brancos e tintos a concurso, mas só o será verdadeiramente para quem ainda não provou este espumante de eleição.
Este espumante esteve 10 anos a descansar em garrafa foi degorjado apenas em Outubro de 2018. Sem dúvida um pormenor, mas é pelos pormenores que normalmente se chega a coisas extraordinárias.
Cor amarelo citrino, aspecto jovem, bolha de aspecto fina e persistente. No plano aromático revela alguma complexidade e elegância no notas de fruto vermelho, alguma flor branca e traço vegetal, maça reineta, com toque tostado quase imperceptivel, perfil fresco. Boca com espuma fina, leve e fresca, novamente com muita delicadeza e elegância,  bela textura, fruta de caroço e fruta vermelha, final de boca longo e elegante.
Versátil à mesa, embora com mais aptidão para o peixe, marisco cozido, ostras e percebes. E já me esquecia.... com preço em garrafeira a menos de 10€.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Concurso Espumantes e Vinhos Bairrada 2019

No âmbito do novo evento Aqui na Bairrada - Beber e Saborear realizou-se a edição de 2019 do Concurso de Espumantes e Vinhos Bairrada. Feitas as contas, o vinho mais pontuado foi o Quinta de São Lourenço Espumante branco 2008, das Caves do Solar de São Domingos, tendo arrecadado a Grande Medalha de Ouro. 
A concurso, e perante um painel de jurados de 15 provadores, estiveram quase 70 referências, entre espumantes, vinhos tranquilos brancos e vinhos tintos. A qualidade desta edição foi bastante elevada; a comprová-lo o facto dos néctares premiados – valor que corresponde a 30% da amostra – terem alcançado, todos, medalhas de ouro: 2 espumantes com estágio até 24 meses; 9 espumantes com estágio igual ou superior a 24 meses; 3 brancos e 7 tintos. 

CONCURSO ESPUMANTES E VINHOS BAIRRADA 2019

ESPUMANTES ESTÁGIO MENOS DE 24 MESES
Grande Medalha de Ouro
Quinta de São Lourenço Espumante branco 2008
Caves do Solar de São Domingos, S.A.

ESPUMANTES ESTÁGIO MENOS DE 24 MESES
Medalha de Ouro
Aplauso Espumante branco 2016 | Ampulheta Mágica, Lda.
Marquês de Marialva Espumante rosé | Adega Cooperativa de Cantanhede, C.R.L

ESPUMANTES IGUAL OU SUPERIOR A 24 MESES
Medalha de Ouro
Aliança Grande Reserva Espumante branco 2012 | Aliança - Vinhos de Portugal, S.A.
Casa do Canto Baga Bairrada Espumante branco 2015 | Anadiagro, Lda
Elpídio Espumante branco 2013 | Caves do Solar de São Domingos, S.A.
Marquês de Marialva Espumante branco 2014 | Adega Cooperativa de Cantanhede, C.R.L
Messias Espumante branco 2013 | Soc. Agrícola e Comercial dos Vinhos Messias, S.A.
Milheiro Selas Espumante branco 2014 | António Assunção Coelho Selas
Montanha Baga & Chardonnay Grande Cuvée Espumante branco 2010 | Caves da Montanha - A. Henriques.
Quinta do Poço do Lobo Baga Bairrada Espumante branco 2016 | Caves São João - Sociedade dos Vinhos Irmãos Unidos, Lda. Samião Espumante branco 2015 | Quinta Vale do Cruz, Lda.

VINHOS BRANCOS
Medalha de Ouro
Marquês de Marialva branco 2015 | Adega Cooperativa de Cantanhede, C.R.L
Quinta dos Abibes branco 2015 | Quinta dos Abibes Vitivinicultura Unipessoal, Lda.
Samião branco 2017 | Quinta Vale do Cruz, Lda.

VINHOS TINTOS
A. Henriques tinto 2016 | Caves Montanha - A. Henriques, Lda.
Marquês de Marialva tinto 2014 | Adega Cooperativa de Cantanhede, C.R.L
Nelson Neves Reserva tinto 2013 | Célia Moreira Briosa Neves -
Herdeiros Quinta do Poço do Lobo tinto 2015 | Caves São João - Sociedade dos Vinhos Irmãos Unidos, Lda.
Quinta dos Abibes tinto 2015 | Quinta dos Abibes Vitivinicultura Unipessoal, Lda.
 São Domingos tinto 2015 | Caves do Solar de São Domingos, S.A.
Samião tinto 2017 | Quinta Vale do Cruz, Lda.

Um valente e sonoro tchim, tchim para todos!

sábado, 14 de setembro de 2019

Mercearia na Tábua - Nazaré

A Mercearia na Tábua, na Nazaré, é o que costumo chamar de um verdadeiro antro de perdição. Entrar é fácil. Tudo nos faz brilhar os olhos e nos aguça o apetite. Parecemos crianças numa loja de brinquedos. O primeiro impacto, quase ainda nem sequer um passo se deu porta a dentro, é causado pelas peças de presunto pendurado que de imediato nos roubam a atenção. Outros enchidos e fumados preenchem o espaço por cima do balcão onde cintila ao fundo um generoso balde de gelo com duas garrafas de espumante preparadas para ser servidas.

À nossa frente, uma garrafeira de tamanho considerável, com uma selecção muito interessante de vinhos. Diferentes regiões do nosso País, espumantes, rosés, brancos, tintos e fortificados, havendo também duas referências de colheita tardia. Não estamos perdidos, sabemos que já temos companhia para as tábuas e, mais tarde, ficámos também a saber que é possível comprar ali o vinho como se fosse uma garrafeira. Perfeito!

Poderíamos logo ter assentado arraial numa das mesas, mas o facto é que estamos numa Mercearia. E a nossa curiosidade faz com que queiramos continuar a explorar.
O azeite e as conservas chamam-me à atenção. Sendo eu um apaixonado por estes produtos não podia deixar de ir espreitar. Provámos os azeites e o Terras De Azibo deteve, desde logo, a minha atenção. Viajo rapidamente até Trás-Os-Montes com os aromas mais verdes destes azeites e um equilíbrio notável na boca entre o doce, o amargo e o picante.

As conservas, por outro lado, atraem-me sempre. Quer seja pela embalagem ou pelo produto que está lá dentro. Uma perdição. Ainda como surpresa ou  novidade para mim, os doces em bisnaga que têm tanto de originais como de saborosos. O de ananás dos Açores é simplesmente divinal. Problema. Bem podem vir bisnagas. É impossível começar uma e não a acabar.

Mais ao fundo, vislumbramos mais um cantinho especial onde os queijos são a tentação. Os Castelo Branco, os Ilha, os Serra da Estrela, enfim, a mesa já estava à nossa espera, tivemos mesmo de nos sentar e começar a fazer o que ali nos dá vontade. Comer um pouco de tudo.

À mesa, com pouco mais do que o necessário em cima, explicaram-nos o conceito do Mercearia na Tábua. Engane-se que lá chega com a ideia que se trata de um normal restaurante. Não é. Aliás, o próprio horário de funcionamento transmite desde logo essa ideia. Comer, picar, conversar, beber um copo de vinho, sentir que se está completamente à vontade, sem os formalismos de um restaurante, sem a informalidade de um simples café.

Aqui o produto é Rei. A qualidade, a origem, a sua selecção criteriosa. Os sabores únicos de cada momento. Uma verdadeira experiência por aromas, cores e sabores de Portugal com a particularidade de ser tudo à volta de uma tábua.
Para inicio, em jeito de couvert / entrada, uma tábua com salame fatiado, frutos secos, pão torrado, chips de batata doce e um mix de pão fatiado. Os chips de batata doce voam rapidamente e o resto também não demora muito tempo.

Na tábua temos um sem fim de cores e "coisinhas" para provar. A alheira tradicional do Barroso, alheiras mais fumadas e intensas de sabor; a chouriça de cebola; os enchidos, como o presunto de vaca do Joaquim Arnaud regado com azeite e tiras de manjericão fresco; o salsichão e chouriço Ibérico de bolota, a Presa Ibérica, o Lombo do Cachaço Fumado e Barriga Fumada ambos da região do Barroso e o presunto de borrego de Ponte de Lima.
Para equilibrar isto tudo estão presentes algumas frutas frescas, como groselhas, amoras, mirtilos, manga, figos, maracujá, uvas, melão e frutos secos, como nozes, amendoim e caju.
Normalmente também incluiu sempre uma conserva, neste caso o bacalhau confitado com pimenta preta, mas pode também ser a sardinha ou filetes de cavala em azeite ou mesmo o atum.
Nos queijos vieram na tábua alguns da beira baixa, o ovelha de Castelo Branco doc e o amarelo doc da beira baixa, mas também outros queijos como o de cabra curado e o queijo da Ilha 7 meses.

Para terminar esta parte, e tendo em conta que fiquei impressionado com o presunto ibérico que veio na Tábua, ainda veio mais uma tábua, desta vez com apenas e só, com este maravilhoso presunto. O sabor, a textura e untuosidade, simplesmente irresistível.

A sobremesa também chega na tábua e com sabores bem tradionais e que contam histórias à mesa. Os rebuçados de Portalegre, a Amêndoa Coberta e o bolo, que desconhecia por completo, chamado de Borralha do Lis. Uma delicia que de inicio, de aspecto, parece uma espécie de bolo de mel da Madeira, mas que depois de provar se percebe ser uma experiência completamente diferente. Quer os rebuçados, quer o bolo se vendem também para levar.

A Mercearia na Tábua é isto. Os produtos portugueses mostram-se ao mais  alto nível e servidos com enorme simpatia. Quando de lá saímos temos de ir directamente para o confessionário pois do pecado da gula não nos safamos. É entrar e não querer sair.
______________________________
MERCEARIA NA TÁBUA
Tipo de Cozinha: Portuguesa
Copos de Vinho Adequados: Sim
Vinho a Copo: Sim
Estacionamento: Sim
Horário: 15:00h às 23:00h. Fecha à segunda-feira.
 
Preço Médio p/ Refeição: 25€
Morada: Edifício Reis, Loja AD, Av. Manuel Remígio, 2450-106 NAZARÉ
Telefone:  +351 262 562 267
Na net: Mercearia na Tábua

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Vista Alegre Vintage Port 2015

VISTA ALEGRE VINTAGE PORT 2015 | PORTO | 20% | PVP 33€
CASTAS TRADICIONAIS DOURO
VALLEGRE VINHOS DO PORTO, SA
17

Mais uma vez a ligação que nunca falha. Porto Vintage e chocolate. Uma tarte mousse de chocolate maravilhosa que se fez bem maridar com vintage ainda cheio de fruta preta madura e muita juventude.
Cor retinto, fechado, opaco, lágrima chorosa e aspecto limpo. O nariz é uma explosão de fruta preta madura, compota de fruta, alguma pimenta rosa, envolvente e com nota de frescura. Na boca mostra garra, texturado, corpulento, untuoso e aveludado ao toque, tanino macio, polido, pronto e fruta preta bem madura, mais quente de boca do que de nariz. Termina longo, embora se sinta que falta ainda qualquer coisa mais.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Quinta do Convento 2016 Tinto

QUINTA DO CONVENTO 2016 TINTO | DOURO | 14,5% | PVP  11,80€
TOURIGA NACIONAL, TINTA RORIZ, TOURIGA FRANCA 
KRANEMANN ESTATES, LDA
17

O Quinta do Convento Branco já me havia agarrado pela sua frescura e delicadeza e agora o tinto volta a deixar marca. A frescura e elegância está cá e faz dele um tinto com o qual se pode contar também em dias mais quentes. Equilibrado, fruta muito bonita e o lado mais mineral a sobressair também no conjunto.
De cor rubi, vermelhos vivos, com violetas na orla do copo, aspecto limpo e jovem. O nariz, marcado pelas notas da touriga nacional, revela aromas a fruta vermelha e preta silvestre, perfumado floral da violeta e da esteva, especiaria bem casada, fina, com ligeiro mentolado fresco no final.
Boca com boa frescura, generoso volume e estrutura, a encher o palato, num perfil elegante, com a fruta madura fresca, taninos finos e elegantes e acidez refrescante e equilibradora. Termina longo, com muita elegância.

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Vale Barqueiros Colheita Seleccionada 2018 Branco

VALE BARQUEIROS RESERVA 2015 TINTO | ALENTEJO | 13,5% | PVP  8€
ARINTO, SIRIA
SOCIEDADE AGRÍCOLA HERDADE DE VALE DE BARQUEIROS, SA
16

Este alentejano resulta de um blend de castas completamente surpreendente para a região, Arinto e Siria, mas que resultam muito bem, formando um branco de perfil fresco, citrino, acidez acutilante e final longo.
Cor amarelo citrino, aberto, nuances esverdeadas, aspecto jovem e limpo. Aromas intensos, fruta tropical e citrina, maracujá, lima, bergamota, sugestão mineral, pedra lascada, fresco. Boca com uma bela acidez, acutilante, a secar a boca, a chegar à gengiva, algum volume e cremosidade, fruta sumarenta, equilibrado, com final longo e persistente.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails