quarta-feira, 4 de julho de 2012

Adega de Borba | As Novas Colheitas

No passado dia 27 de Junho, no Restaurante Belcanto, foram apresentadas em prova as novas colheitas da Adega de Borba, seguida de almoço de degustação com um menú do Chef  José Avillez.

Com a orientação e os comentários do diretor de enologia da Adega de Borba, Óscar Gato, foram provados, antes do almoço, os novos vinhos Adega de Borba Rosé 2011, Montes Claros Colheita Branco 2011, Montes Claros Colheita Tinto 2010, Senses Syrah 2010, Senses Touriga Nacional 2010 e Senses Alvarinho 2011 e depois, durante o almoço, provar as novas colheitas dos vinhos Senses Alvarinho 2011, Montes Claros Reserva Branco 2011, Adega de Borba Premium 2010, Montes Claros Reserva Tinto 2010, Montes Claros Garrafeira 2008.

Adega de Borba Rosé 2011: Um rosé fresco que emana juventude e que se quer beber enquanto jovem. cor rosada e de aspecto limpo. Aromas de média intensidade a fruta vermelha frecsca, ameixa vermelha e framboesa em destaque. Na boca é fresco, frutado e jovem. Ideal para começar uma tarde de verão.

Montes Claros Colheita Branco 2011: Mais um vinho com uma extraordinária relação qualidade-preço. Visualmente de cor citrina, claro, limpido e brilhante. Aromas predominantemente a fruta tropical e alguma fruta de caroço cozida. Equilibrado na boca, boa acidez, frescura e jovialidade com continuidade da fruta até ao final.

Montes Claros Colheita Tinto 2011: O irmão tinto do anterior branco. A mesma nota no capitulo da relação qualidade-preço que surpreende nesta gama. Cor rubi / granada, com traços violetas bem distintos. Nariz intenso com muita fruta madura, notas adocicadas e especiado em fundo. Palato com mais do que realmente esperava. Toque suave, macio, com continuidade da fruta madura, mas não em demasia atribuindo-lhe uma frescura muito interessante. Bom final.

Senses Alvarinho 2011: Um Alvarinho alentejano que me continua a surpreender. Havia tido com ele um primeiro contacto aquando da minha visita à Adega e já então a imagem deixada havia sido positiva. Desta vez confirmou tudo o que prometia. Apresenta cor amarela limão e aspecto cristalino. Aromas de boa intensidade a frutos tropicais e citrinos sem que sejam em demasia e se tornem chatos, com uma certa mineralidade a compor o quadro. Na boca ligeiro toque untuoso, bom casamento de notas de frescura e acidez correcta com as notas de mel, de ameixa amarela madura e ligeiro abaunilhado. Final de boca muito elegante.

Senses Syrah 2010: Cor rubi granada, violetas escurecidos, concentrado. Palete de aromas com boa intensidade a frutos vermelhos e pretos, cacau em pó (não é Carla Reis?), desafinate. Na boca não desilude. Vivo, com toque suave, continuidade de fruta bem madura, gordo, preenchendo por completo a boca. Final longo.

Senses Touriga Nacional 2010: Adoro este Touriga Nacional. Não me interessa realmente de onde vem ou para onde vai, se está por todo o lado e se será ou não verdadeiramente nacional. Este Touriga Nacional está realmente num bom patamar e com uma relação qualidade-preço de se lhe tirar o chapéu. Violetas escuros e concentrado no aspecto visual. Aromas onde notamos a harmonia existente entre a fruta vermelha e preta em compota, com as notais florais e uma frescura muito agradável. Boca pujante, complexa, cremoso, a fruta madura a continuar a marcar presença. Muito fresco. No final no copo fica aquela sensação de caixa de tabaco mentolada. Adoro.

Adega de Borba Premium 2010: Cor rubi / granada concentrado, profundo, mas não opaco com lágrima persistente. Aromas a frutos vermelhos maduros, bastante maduros mesmo, toque vegetal e especiado. Boca onde a relação entre a fruta madura e um toque a café, toffeee e chocolate funciona na perfeição. O final é longo, persitente  e elegante.

Montes Claros Reserva 2011 Branco: Apresenta uma cor amarela, com nunaces esverdeadas e alguns dourados. Aromas intensos , muito elegante, fruta tropical, um toque de ananás, com madeira bem integrada, muito subtil. Boca macia, com muita finesse , fresco e frutado. Um final longo, elegante e fino. Dúvidas?

Montes Claros Reserva 2010 Tinto: Visualmente caracterizado por cor granada, concentrado, limpo. No nariz é intenso, invade-nos os sentidos, muita fruta vermelha e preta madura, notas compotadas, adocicados com um fundo em chocolate. Rico e complexo. Na boca surge macio, ligeiramente aveludado ao toque, corpulento, com continuidade de muita fruta madura. Investimento para daqui a uns anos abrir e deliciar-me.

Montes Claros Garrafeira 2008: Tenho de o afirmar. É um dos meus rótulos preferidos desta casa. Desde que o conheço que me tem brindado com belíssimos nectáres. Aqui mais um exemplo para consumo imediato ou para guarda com qualidade. Cor granada escura, concentrada, quase opaca, de aspecto cativante. No nariz temos os frutos vermelhos bem maduros, toque de tofee, café, chocolate, cacau e pimenta preta e branca. Boca vivaz, com presença, adstringência inicial suavizando pouco depois, corpolento, largo e equilibrado. Um final delicioso, comprido, guloso e de uma elegância de top.
Na harmonização gastronómica destaco as ligações perfeitas entre o Montes Claros Reserva Tinto 2010 e o Foie Gras cozido a vapor com cerejas do Fundão, o Montes Claros Garrafeira 2008 e a Vitela de Comer à Colher e o Adega de Borba Licoroso Premium com a sobremesa de Chocolate e Framboesas com flor de sal. Um must!

Sem comentários:

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails