domingo, 26 de agosto de 2018

Restaurante No Tacho - Coimbra

Percorro as ruas estreitas do centro histórico de Coimbra sempre com a mira apontada aos locais de restauração pelos quais vou passando na ânsia de encontrar poiso para almoçar. Procuro locais que desconheça, mas não procuro o preço mais baixo, quero algo que me faça aquele click e que seja a melhor relação qualidade-preço-satisfação.

Ao passar pelo No Tacho, de ementa do dia descriminada cá fora e de porta semi-cerrada, percebemos, após breve espreitadela para o interior, que seria ali o nosso almoço. Espaço cuidado, de aspecto muito clean, mas a puxar aos pequenos restaurantes de outrora, com mesas que apesar de simples e minimalistas nos chamaram de imediato e com uma sensação de conforto, charme e intimidade que ainda não tínhamos encontrado na nossa demanda.

Entrámos. Fomos recebidos com muita simpatia, ainda havia a possibilidade de escolher a mesa o que foi bom, mas fomos aconselhados a marcar mesa numa próxima ocasião. O espaço é pequeno e costumam encher muito rápido. Na ementa, com a confecção a cargo do Chef César Vieira,  basicamente pratos com ingredientes bem conhecidos do receituário português. Para além disso, foi-nos indicado que o conceito base da casa passa por trabalhar os melhores produtos nacionais sempre com os frescos do mercado local. A ementa não é gigantesca, porém a qualidade parece assegurada. O Chef Vítor de Oliveira é a cara por trás do conceito, na idealização de cada prato e na forma como cada palha é movida.

Após feito o pedido, na mesa o pão, a manteiga, as azeitonas, o azeite virgem extra Terras Dazibo e o vinagre Moura Alves. Delicioso para ir começando a picar até chegar à mesa, acabadinhos de fazer, os Bolinhos de Bacalhau. Perfeitos. Crocantes por fora, com a textura certa no interior, com os fios do bacalhau a fazerem uma teia enquanto os abria ao meio.

Também para ir picando e chegou à mesa uma Tabúa de Queijos, Enchidos e Fumados. Aqui é mesmo arrepiar caminho. Queijos tradicionais portugueses de diversas curas e origens, enchidos, alguns vindos de terras de nuestros hermanos, e entre outros, o presunto de vaca do Joaquim Arnaurd que até faz esquecer o tradicional de porco.

Depois começámos pelos pratos principais, sempre em modo partilha para ir provando tudo. Este é um dos meus conselhos se puderem e tiverem o tempo extra para isso. Peçam um ou dois pratos de cada vez, vão partilhando pois não devem perder pitada.
O Bacalhau da Islândia Confitado com Citrinos e Pimentas foi o primeiro. Bacalhau no ponto de cozedura, ainda com aquela goma e macio, numa bela ligação com os citrinos, leves, e as notas mais apimentadas.

Seguiu-se um prato que classifico como Must Taste. O Arroz do Mondego Com Peixe da Nossa Costa é de comer e chorar por mais. Mais uma vez confirmo que a qualidade do arroz faz muita diferença em qualquer prato com este ingrediente, todavia, todo o caldo e intensidade de sabor supera as expectativas. Que o diga a minha filha que num silêncio momentâneo soltou um convincente "Isto está muito bom!". 
Do peixe para a Carne. A nossa Marinhoa, uma carne de excelente qualidade em que o principal papel do Chef é conseguir não estragar um produto que por si só já brilha. Mais uma vez o ponto de cozedura está perfeito, com todos os sucos a serem aproveitados, sem grandes "mariquices" a envolver o prato. Keep it Simple.

Para terminar, o Lombinho de Porco Alentejano. Bela apresentação, dose farta e que sabor. Assim vale a pena. Sem se apresentar seco, com sabores muito equilibrados, talvez lhe coloca-se mais umas areias de sal marinho, mas isso sou eu que neste tipo de prato adoro sentir o explodir do sal em mistura com a carne.

Para sobremesa, e sempre para partilhar pois, apesar de bem almoçados, a gulodice falou primeiro, um pecaminoso Pudim de Gemas e Vinho do Porto e um pratos de Queijos mesmo para finalizar. Confesso que há muito tempo não me sentia tão satisfeito de corpo e alma com uma refeição.

Por último, tenho de destacar a enorme qualidade existente na garrafeira do restaurante. Não tem uma lista exaustiva, mas tem uma lista capaz de convencer o mais exigente. Até os vinhos dos Açores estão cá presentes e os preços do vinho a copo decididamente conseguiram afastar-me de outro tipo de bebidas.
_______________________________________________________
RESTAURANTE NO TACHO
Tipo de Cozinha: Portuguesa. Mediterrânea
Copos de Vinho Adequados: Sim
Vinho a Copo: Sim
Estacionamento: Com Parqueamento Pago a 500 m
Horário: Todos os dias das 12:30h às 15:30h e das 19:30h às 22:15h Excepto Domingo das 12:30h às 15:30h e Segunda-feira (Fechado)
Preço Médio p/ Refeição: 25€

Morada: Rua da Moeda Nº 20, 3000-282 COIMBRA
Telefone:  +351 911 925 961
Na net: http://www.notacho.pt/

Sem comentários:

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails