sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Alva Magna Reserva 2015 Tinto

ALVA MAGNA RESERVA 2015 TINTO | DÃO | 13% | PVP  13€
TOURIGA NACIONAL, TINTA PINHEIRA, POEIRINHO, JAEN, ALFROCHEIRO
QUINTA VALE DO CESTO, LDA
16

O curioso nome deste vinho da região vitivinícola Dão surge da homenagem ao Rio Alva, um rio de montanha, que nasce na Serra da Estrela e desagua no Mondego. Alva Magna assim ficou, num Dão que primeiro causa impacto pelo formato da garrafa. Numa prova de garrafa tapada poderia enganar muita gente.
Cor rubi profundo, concentro e opaco, de aspecto limpo. Nariz com grande intensidade aromática, fruta preta silvestre, como amora, e de árvore, como ameixa preta ou cereja, com leve perfumado floral, alguma baunilha e fumados em fundo. Na boca mostra boa estrutura e volume, macio e polido, fruta vermelha madura e equilibrado. Final de boca longo, a querer mostrar mais amplitude e comprimento.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Herdade Grande Antão Vaz 2017 Branco

HERDADE GRANDE ANTÃO VAZ 2017 BRANCO | ALENTEJO | 13% | PVP  5,60€
ANTÃO VAZ
HERDADE GRANDE
16

A casta branca dominante nos encepamentos da sub-região da Vidigueira-Alentejo resulta aqui num branco com alguma estrutura e complexidade que permite uma boa ligação tanto com peixes com alguma gordura, como como marisco ou mesmo pratos de carne mais leves.
Cor amarelo citrino, leve palha seca, aspecto limpo e jovem. No nariz a fruta de caroço madura, tropical temperado, papaia e maracujá, alguma marca de pedra lascada, fresco. Boca com ligeiro volume, com boa acidez, equilibrado, fruta sumarenta, mais corpo e complexidade e com final de boca longo.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Quinta dos Currais Síria 2016 Branco

QUINTA DOS CURRAIS SÍRIA 2016 BRANCO | BEIRA INTERIOR | 13% | PVP  4,75€
SÍRIA
QUINTA DOS CURRAIS - SOCIEDADE AGRÍCOLA LDA
16,5

Encontrar este vinho à venda no El Corte Ingles a este preço e sem promoção alguma associada apenas reforça a minha convicção de estar perante uma das melhores relações qualidade-preço que por aí no mercado. No fundo, e não querendo enraivecer o consumidor que gosta de comprar bom e barato, sou levado a crer que é mesmo um vinho que poderia custar mais um bocadinho e ninguém se chateava.
Cor citrina, esverdeados nítidos, aspecto limpo. Aromas a fruta citrina, carregado de uma pedregosidade fresca e intensa. Boca sugerindo algum volume e cremosidade, acidez crocante, fruta sumarenta, citrinos, maça verde, pleno de elegância e num conjunto equilibrado. Termina longo e elegante.

domingo, 16 de setembro de 2018

Quinta do Cardo Colheita Tardia 2015 Branco

QUINTA DO CARDO COLHEITA TARDIA 2015 BRANCO | BEIRA INTERIOR | 12% | PVP  15,50€
SÍRIA
AGROCARDO, SA
17

Como alguns de vocês bem sabem os colheitas tardia/late Harvest são há muito um tipo de vinho que aprecio e não podia deixar de provar uma das mais recentes novidades neste plano chegada da região da Beira Interior. O primeiro colheita tardia da Quinta do Cardo, feito unicamente a partir da casta Síria,  chega pelas mãos do jovem e talentoso Enólogo Luís Leocádio.  Um colheita tardia biológico que alia o potencial do terroir de altitude, casta e a vindima já tardia a meio do mês de novembro de 2015.
Cor amarelo de tonalidade dourada, intenso, aspecto limpo e cativante. Nariz inebriante, complexo, com notas de pêssego, leve citrino, casca de laranja cristalizada, fruta passa como alperce, algum melaço, sem cair em exageros e revelando frescura e elegância.
Na boca conquista pela sua cremosidade, generoso volume e doce aliado uma acidez equilibrada e bela frescura. Não nos deixa cair em enjoos e doce em excesso.
No início de refeição escolha-o para companhia de uma entrada de foie gras com figo fresco, se para sobremesa, não me canso de o casar com fruta tropical variada laminada. Manga, papaia e ananás com uma bolinha de um bom sorbet de tangerina. Magnífico.
Pena é só existirem cerca de 700 garrafas.

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Herdade Monte da Cal Saturnino Grande Reserva 2013 Branco

HERDADE MONTE DA CAL SATURNINO GRANDE RESERVA 2013 BRANCO | ALENTEJO | 13,5% | PVP  14€
ALVARINHO, ANTÃO VAZ, ARINTO
HERDADE MONTE DA CAL, SA
17,5

Posso muito bem dizer que este vinho foi uma das mais recentes grandes surpresas (pela positiva) em termos de vinhos brancos. Em primeiro lugar, pouco conhecia deste produtor alentejano para além do nome do actual Enólogo, o Osvaldo Amado, e que era uma das marcas da Globalwines.
O vinho caiu na mesa após dois topos de gama que já haviam deixado a sua a marca naquela noite e ao passar para este pensei que não poderia ficar melhor. Mas ficou! Que vinho do caraças.
Cor amarelo citrino, reluzente, intenso, com alguns esverdeados, limpo.  No nariz mostra uma sintonia entre as notas mais tropicais e exóticos com fruta seca tostada, alguma especiaria, complexo e desafiante. Cativa desde o inicio.
Na boca na se acanha, vivaz, com acidez crocante a balancear com alguma macieza e untuosidade, bom volume, fruta fresca, no ponto, todo um conjunto pleno de equilíbrio e com um final de boca longo.
Acompanhou um prato de Bacalhau com Grão de Bico, mas também o levaria para um repasto de queijos num final de refeição.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Três Bagos Reserva 2015 Tinto

TRÊS BAGOS RESERVA 2015 TINTO | DOURO | 14% | PVP  30€
TINTA RORIZ, TOURIGA NACIONAL, TOURIGA FRANCA
LAVRADORES DE FEITORIA VINHOS DE QUINTA, SA
16,5

A terceira colheita do Três Bagos Reserva marca também a estreia da nova imagem para esta referência. Os três bagos alinhados na vertical, com as linhas que mimetizam o serpentear das vinhas da região e uma face mais clean que permite uma leitura mais objectiva e directa.
Feito a partir de uvas de vinhas com cerca de 30 anos de idade, fermentou posteriormente, durante o processo de vinificação, em cubas de inox, à qual se seguiu o estágio em inox de 50% do lote, tendo os restantes 50% estagiado metade em barricas de carvalho francês novas e a restante metade em barrica de carvalho francês de segundo ano.
Cor vermelho intenso, concentrado e opaco, mostrando a nível de aromas uma fruta vermelha e preta bem madura, ameixa preta, cereja e amora em destaque, com um casamento perfeito com as notas de barrica, leves, elegante e equilibrado. Na prova de boca a elegância continua a ser nota de destaque, corpulento, com boa densidade, tanino polido e macio, com a fruta madura em bom plano num conjunto equilibrado e com um final de boca longo.
Um bom valor para a sua qualidade, revela grande apetência para a mesa, pratos mais outonais e de inverno, mas que devido à sua frescura e elegância consegue também mostrar-se em boa forma no nosso verão deste ano.

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

By Rui Roboredo Madeira Douro 2013 Tinto

BY RUI ROBOREDO MADEIRA DOURO 2013 TINTO | DOURO | 14,5% | PVP  30€
VINHAS VELHAS
RUI ROBOREDO MADEIRA VINHOS, SA
18

Este é um dos vinhos de uma coleção de vinhos de Rui Roboredo Madeira que começou por representar o seu percurso em três terroirs de excelência: Douro, Beira Interior e Vinhos Verdes. Este é o Douro de 2013.
Cor rubi intenso e concentrado, ainda opaco e de violetas bem escuros e definidos. No nariz mostra a fruta preta em destaque, madura, cereja, amora, ameixa preta, com traço floral bem medido, alguma esteva, especiaria fina, leve mentolado, complexo e desafiante.
Boca segura, está no momento certo para ser bebido, em grande forma, corpulento, de textura mastigável, volumoso, untuosidade ao toque,  tanino presente, polido e guloso, fruta madura num conjunto equilibrado e complexo. Final de boca longo e persistente.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails