domingo, 17 de março de 2019

Restaurante Ōkah - Lisboa

Estão de regresso os dias primaveris, com sol e temperaturas amenas a pedir que se aproveite a maravilhosa luz de Lisboa. Fui encontrar o Ōkah numa estrutura de contentores de mercadorias, no topo de um edifício histórico situado em Santos, onde antes funcionavam as cantinas e os balneários do Porto de Lisboa, o LACS Rooftop.
A vista que se tem para a nossa Capital e para o Rio Tejo é um privilégio para quem visita o Ōkah e torna-se obrigatório que, antes de nos sentarmos à mesa, se vá até ao rooftop e se veja uma Lisboa em 360º que continua a surpreender.

Deixo o exterior e regresso à sala. Ambiente criativo, original, simples, descontraído e confortável. Os janelões inundam o espaço de luz e, ao mesmo tempo, mantêm o nosso foco na paisagem. Não são necessárias grandes distracções.
A ementa convida a uma viagem pela Ásia. Pela sua gastronomia única, intensa e sofisticada que estão bem patentes na diversidade da carta do Ōkah começando desde logo pelo seu couvert composto por Pão Pita, Creme de Pimento e Iogurte com Pepino e Hortelã. Esqueçam o pãozinho com manteiga e azeitonas. Aqui começa uma viagem. O pão pita ainda quente e os sabores intensos do creme de pimento e a frescura do iogurte com o pepino e a hortelã estão no ponto. O meu preferido é o de pimento. Gostos não se discutem.

O Chef Bruno Rodrigues coloca na mesa um restaurante internacional, contemporâneo e com um toque asiático. Cores, aromas e sabores inspirados nas suas viagens que trouxe e apresenta em pratos despretensiosos e descomplicados, mas repletos de sabor.
A entrada, Ameijoa Garam Massala, é prova desse conceito. Um regalo para os olhos, aromas intensos, provocadores e sabor, muito sabor. O pão pita volta a juntar-se à festa pois o caldo/molho estava fantástico. Não se podia perder.

Para prato principal o prato do dia que não consta da ementa e do qual fiquei fã.  Um delicioso Caril de Frango com Legumes, intenso, picante, mas não impossível de se comer, no ponto. Ainda bem que foi ao almoço.

Para sobremesa oportunidade para provar dois doces completamente diferentes. Num primeiro momento os Cones de Bolacha com Recheio de Côco Queimado Doce. Para quem gosta de doces à base deste fruto é obrigatório.

Num segundo momento,  uma sobremesa com sabores mais conhecidos, numa Pirâmide de Chocolate e Frutos Vermelhos. Uma fusão de sabores com inspiração asiática à descoberta de novos aromas e sensações. A regressar em breve.

__________________________________________
RESTAURANTE ŌKAH
Tipo de Cozinha: Asiática
Copos de Vinho Adequados: Sim
Vinho a Copo:Sim
Estacionamento: Relativamente fácil (Pago e não pago)
Horário: 12:00h às 15:00h / 19:00h às 23:00 (Segunda  a Quinta);
               12:00h às 15:00h / 19:00h às 24:00 (Sexta e Sábado);
               12:00h às 18:00h (Domingo);
Preço: 15€ (Menu Executivo ao Almoço)

Morada: Edifício LACS, Cais Rocha Conde de Óbidos, Santos 1350-352 LISBOA
Telefone: +351 914 110 791 
Facebook: https://www.facebook.com/okahlisboa/

sábado, 16 de março de 2019

No Dia do Pai o Meu Presente (Vinho) Eu Quero que Seja...

"Para o Natal, o meu presente, eu quero que seja... ". Com toda a certeza muitos se lembram desta cantoria que surgia sempre, uns dias antes do dia de Natal, nos canais de televisão que existiam nessa altura. Funcionava. A música ficava no ouvido e o produto promovido vendia como pão quente.
Aproveitando a ideia e sabendo que a minha filha também lê o Blog do Pai de vez em quando, deixo-lhe aqui uma sugestão de cinco vinhos que seriam sempre um belo presente para o Dia do Pai.
Vinhos de excelência, carregados de sentimento, todos eles uma bonita homenagem a essa Figura que é o Pai.

FSF 2014 TINTO | PENÍNSULA DE SETÚBAL | 14% | PVP 35€
SYRAH, TRINCADEIRA, TANNAT
JOSÉ MARIA DA FONSECA VINHOS, SA
Homenagem de Domingos Soares Franco ao seu Pai Fernando Soares Franco (FSF). Um vinho feito através de três das castas preferidas de seu Pai (Trincadeira, Syrah e Tannat) e produzido apenas em anos de destacada qualidade e em quantidades limitadas.
Ao longo de quarenta anos, Francisco Soares Franco incrementou e desenvolveu a Colecção Ampelográfica da Quinta de Camarate, e introduziu castas exógenas à região, mas com elevado potencial enológico.
Foi ainda devido à sua persistência que se manteve a última vinha de Moscatel Roxo na região.

PAI ABEL 2015 BRANCO | BAIRRADA | 13,5% | PVP 28€
BICAL, MARIA GOMES
MÁRIO SÉRGIO ALVES NUNO - QUINTA DAS BAGEIRAS
O orgulho no seu Pai, Abel Nuno, fez com que Mário Sérgio Nuno, lhe prestasse esta Homenagem. Um vinho com carácter e estrutura forte, como a de um Grande Homem. Quis o destino que a primeira colheita deste vinho fosse reprovado pela Comissão Vitivinícola Regional, mas isso não impediu Mário Sérgio de o comercializar com o selo de "Chumbado", quase que criando um termo de qualidade, e de assim ter criado mais um grande vinho da Bairrada.

PAI HORÁCIO GRANDE RESERVA 2015 BRANCO | DOURO | 13,5% | PVP 29€
VIOSINHO, RABIGATO
VINILOURENÇO, LDA
Na década de 80, Horácio Lourenço, após regresso de Angola, começou a plantar vinhas e a sua paixão vitivinícola levou-o a desenvolver afincadamente o seu património. No ano de 2006 Jorge Lourenço, seu filho, cria a Vinilourenço com a sua preciosa ajuda e com a missão de transformar e dinamizar a produção das vinhas anteriormente plantadas.
Este é um tributo ao seu Pai que resulta de um lote dos melhores vinhos varietais da colheita do ano.

QUINTA DO PÔPA HOMENAGEM 2013 TINTO | DOURO | 14,5% | PVP 42,5€
TOURIGA NACIONAL, TINTA RORIZ, VINHAS VELHAS
QUINTA DO PÔPA, LDA
O sonho de Francisco Ferreira, de sua alcunha Pôpa, era o de adquirir um pedacinho do Douro, mas nunca o conseguiu em vida. Já lá vão alguns anos desde que conheci o Stéphane Ferreira e os vinhos da Quinta do Pôpa, mas desde o primeiro minuto que o fio condutor da história sempre foi o de transformar este sonho em realidade. O filho de Francisco Ferreira que em 2003 comprou o que é hoje a Quinta do Pôpa e os seus netos Stéphane e Vanessa Ferreira têm vivido esse sonho e lançaram em 2009 o primeiro destes vinhos.

TIM GRANDE RESERVA 2017 BRANCO | DOURO | 12,5% | PVP 40€
VIOSINHO, GOUVEIO, ARINTO
QUINTA DA ROSA VINHOS, SA
Um vinho cheio de sentimento. A homenagem ao Pai de Sophia Bergqvist, a atual gestora da Quinta de la Rosa. Tim Bergqvist reiniciou o projeto Quinta de La Rosa em 1988 em conjunto com a sua filha dando-lhe o kick necessário para que a Quinta de La Rosa fizesse o caminho para o que é hoje. O rótulo foi criado pelo seu neto Mark, filho Sophia Bergqvist. Um tributo familiar.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Argilla 2015 Branco

ARGILLA 2015 BRANCO | ALENTEJO | 12,5% | PVP  6,50€
ALVARINHO, VERDELHO, VIOSINHO
ANTA DE CIMA SOC AGRICOLA UNIPESSOAL, LDA
16,5

Recordo-me bem de quando os vi e provei pela primeira vez numa das primeiras edições dos Vinhos no Campo Pequeno. Chamaram-me à atenção os rótulos (Branco e Tinto) e o facto de, se não me falha a memória, apenas existirem esses dois vinhos para prova na bancada e já não haver mais garrafas no mercado. Um pequeno produtor a começar que me ficou na memória e que tive a feliz oportunidade de recentemente voltar a... beber.
Cor amarelo citrino, limonado, esverdeados leves, aspecto jovem e jovem. No nariz notas citrinas evidentes, algum maracujá, pedra lascada, floral ténue, mineral e fresco. Boca com algum corpo e volume, ligeira untuosidade, acidez mordaz, acutilante, sumarenta, com a fruta a mostra-se fresca, maça verde,  bom prolongamento final.
Daqueles que vale bem o preço. A posta de bacalhau com presunto agradeceu a companhia.

terça-feira, 12 de março de 2019

Quinta de San Joanne Superior 2015 Branco

QUINTA DE SAN JOANNE SUPERIOR 2015 BRANCO | VINHOS VERDES | 12,5% | PVP  31€
ALVARINHO, MALVASIA FINA
CASA DE CELLO - GESTÃO RURAL. LDA
17,5

A designação de Superior que aparece no rótulo facilmente se vai percebendo à medida que os copos de vão enchendo e a garrafa esvaziando. Vai se mostrando com o tempo, vivendo, evoluindo, mostrando profundidade, complexidade e elegância.
Cor amarelo definido, intenso, ligeiros aloirados, aspecto limpo. Nariz com grande complexidade, flor branca de laranjeira, fruta de caroço, pessêgo e alperce, citrinos, lima e alguma laranja e tangerina, toque salino, pedra lascada, desafiante.
Na boca destaca-se aquela cremosidade, untuosidade matreira que nos agarra, prende e vicia, ladeada por uma frescura e mineralidade vibrante, fruta vibrante,terminando longo, mas que rapidamente nos faz abrir outra garrafa.
E venham daí os anos em garrafa.

terça-feira, 5 de março de 2019

Quinta da Alorna 2016 Tinto

QUINTA DA ALORNA 2016 TINTO | TEJO | 13,5% | PVP  3,99€
TINTA RORIZ, CASTELÃO, SYRAH, ALICANTE BOUSCHET
SOCIEDADE AGRÍCOLA DA ALORNA, SA
16

Acabadinho de chegar às prateleiras, este Quinta da Alorna 3,99€ é apenas da colheita de 2016. Esperar pelo momento certo é cada vez mais uma aposta vencedora e, nesta gama de preço, o resultado não é diferente. Muito equilíbrio, com a fruta madura muito elegante e a frescura de todo o conjunto em destaque.
Cor vermelho rubi, de média concentração, aspecto jovem e limpo. No nariz os frutos vermelhos maduros e pretos silvestres mostram-se em pleno, leve nota de cacau e especiaria, directo, equilibrado e fresco. Na boca volta a destacar a qualidade da fruta, sumarenta, com algum volume, tanino polido, macio e terminando longo e persistente.
Sem dúvida uma das boas opções no mercado para o consumo diário.

segunda-feira, 4 de março de 2019

Quinta de Saes Reserva Estágio Prolongado 2012 Tinto

QUINTA DE SAES RESERVA ESTÁGIO PROLONGADO 2012 TINTO | DÃO | 13% | PVP  13,50€
VINHA VELHA
QUINTA DA PELLADA UNIPESSOAL, LDA
16,5

Curioso como o estágio prolongado em barrica de carvalho francês por cerca de 14 meses não revela um tinto carregado pela madeira, estando esta muito bem integrada e não escondendo uma fruta muito distinta e elegante.
Cor vermelho granada, média concentração, ainda sem traços evidentes de alguns anos de espera, aspecto limpo. No nariz mostra-se uma fruta preta compotada muito elegante, sem ser pesadona, com floral perfumado bem ligado, envolvente de frescura de bosque, pinheiro, turfa molhada e especiaria fina bem colocada, muito equilibrado. Boca com vivacidade, volumoso, enche, de tanino polido, elegante e fresco, com a fruta ainda bem sumarenta, equilibrado e com final longo.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Ramos Pinto Tinta da Barca 2016 Tinto

RAMOS PINTO TINTA DA BARCA 2016 TINTO | DOURO | 15% | PVP  49,50€
TINTA DA BARCA
ADRIANO RAMOS PINTO VINHOS, SA
17

Apetece-me algo. Algo diferente. Um 100% tinta da Barca. Porque não? Da Quinta de Ervamoira, onde existem cerca de 50.000 pés de Tinta da Barca, chega um Douro tinto diferente, principalmente na prova de boca, mais arredondado e polido do que estava à espera, com margem para guarda e uma evolução depois da garrafa aberta que impressiona.
Cor rubi intenso, concentrado, de violetas carregados, aspecto limpo. No nariz mostra-se em bom plano a fruta preta madura, a ameixa e a cereja preta, a amora silvestre, quente, alguma esteva, toque de giesta, notas integradas da barrica, cheio e envolvente. Na boca aparece já com o tanino arredondado, polido, com acidez equilibrada, fruta a rodos, mordiscável, estranha-se a inicio e vai-se gostando, vai evoluindo no copo e na garrafa, mostrando aos poucos que estamos na presença de um vinho muito interessante e completo, terminando longo e persistente.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails