sábado, 30 de Outubro de 2010

Prova de Vinhos QUINTA de SANT'ANA

Participei hoje, no Restaurante Ribeirinha de Colares, na prova dos vinhos da Quinta de Sant'Ana de Mafra. A prova foi conduzida pelo Tomá Landim da Quinta de Sant'Ana e foram provados os seguintes vinhos: Quinta de Sant'Ana - Verdelho 2009, Quinta de Sant'Ana - Alvarinho 2009, Quinta de Sant'Ana - Sauvignon Blanc 2008, Quinta de Sant'Ana - Rosé 2009, Quinta de Sant'Ana Tinto 2008, Quinta de Sant'Ana - Reserva Tinto 2006, Quinta de Sant'Ana - Baron Gustav von Fürstenberg 2007.
Quinta de Sant'Ana - Verdelho 2009: a surpresa de um verdelho produzido em terras de Mafra, de aroma muito fresco e notas dominantes de lima e limão. Na boca nota para o equilibrio entre a fruta e o nivel de acidez, que embora presente, apenas torna este Verdelho mais elegante;
Quinta de Sant`Ana - Alvarinho 2009: mais uma surpresa de um casta tipicamente de terras do Minho. Com um aroma citrino bem mesclado com algumas notas florais. Na boca continuamos num bom plano de relação entre a fruta e o nivel de acidez. Alguma complexidade a pedir acompanhamento gastronómico;
Quinta de Sant`Ana - Sauvignon Blanc 2008: este é um pouco mais exuberante na parte aromática com fruta citrina em destaque, mas também com notas de maracujá e abacaxi. Na boca aquilo que começo a entender como imagem de marca. Tudo muito correcto com um nivel de harmonia fruta/acidez muito bem conseguido. Um branco que não ficará mal na garrafeira por mais 1 ou 2 anos;
Quinta de Sant`Ana - Rosé 2009: um rosé com pouco intensidade aromática, notas de morango no nariz e boca. Fresco e elegante, na boca demonstra ter capacidade para fazer companhia à refeição. Leve doce final que não causa dissabores;
Quinta de Sant`Ana Tinto 2008: passamos aos tintos com um vinho já meu conhecido. Aromas a fruta vermelha bem madura, com ameixa e cereja. Na boca demonstra boa estrutura, complexidade e equilibrio. Final de boca peristente;
Quinta de Sant’Ana - Reserva Tinto 2006: com o reserva damos um salto em termos de intensidade aromática para os frutos pretos bem maduros, compota mesmo e algo especiados. Na boca temos um vinho corpulente, com boa estrutura, com a madeira bem colocada, com continuidade de fruta e um final longo. Mais um para ter na garrafeira durante algum tempo;
Quinta de Sant’Ana - Baron Gustav von Fürstenberg 2007: este, também conhecido pelo Homenagem, foi para mim o Rei da prova. Desde o plano aromático, com notas bem presentas de frutas vermelha e preta, algumas notas de pimenta e a casta Merlot toda ao de cima. Na boca um vinho cheio, guloso, com complexidade e os meses de barrica pouco marcados. Vinho muito bom a merecer presença na nossa garrafeira ou de imediato na nossa mesa.Faltaram os Quinta de Sant`Ana - Riesling 09 e Quinta de Sant`Ana - Fernão Pires 09 mas ficou o convite para no ECVS terminar a prova.
Deixar ainda o meu agrado ao Ribeira de Colares por fazer existir este tipo de evento fora dos centros como Lisboa e Porto. Sintra acabará por entrar também neste circuito e "eno-eventos" juntando a sua beleza também aos prazeres vínicos.

sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

Quinta da Alorna Touriga Nacional & Cabernet Sauvignon Reserva 2008

Quinta da Alorna Touriga Nacional & Cabernet Sauvignon Reserva 2008

Características
Tipo:
Tinto
Castas:
Touriga Nacional e Cabernet Sauvignon
Região: Tejo
Teor Alcoolico: 14 %
Produtor:
Quinta da Alorna
Preço: 6€ pvp

Acerca do Vinho (Rótulo)
Este reserva de cor purpura tem aromas intensos e corpo equilibrado, redondo e bem casado com a madeira e um final de boca complexo e persistente.

Nota de Prova

Ainda alguém tem dúvidas acerca da subida de qualidade dos vinhos da região Tejo? Eu não. E este é mais um belo exemplar de uma região que este ano foi bastante premiada. Este QA apresenta uma cor rubi, purpura bastante profunda e limpida. No nariz revela a fruta preta como rainha, as amoras, ameixas pretas bem maduras estão muito bem inseridas e harmonizadas com a madeira que não marcu em demasia um aroma bem equilibrado. Na boca alguma complexidade, bom corpo, macio, muita fruta e umas notas mentoladas transferido frescura ao vinho. O final é bastante longo. Que dizer de um vinho de 6 euros?

Classificação: 80/100 ou 16/20

quarta-feira, 27 de Outubro de 2010

Prova de Vinhos do Enólogo João Brito e Cunha - CAV

Realizou-se hoje na Coisas do Arco do Vinho uma Prova de Vinhos do Enólogo João Brito e Cunha aos seus Ázeo Colheita Branco 2009, Ázeo Rabigato Branco 2009, Ázeo Reserva Branco 2008, Quinta de S. José Colheita Tinto 2008 e Quinta de S. José Reserva Tinto 2007. Projectos pessoais de João Brito e Cunha onde se apostam em vinhos de qualidade, diferentes, com muita personalidade e garra.
Ázeo Colheita Branco 2009: Viosinho e Rabigato com cerca de 5% de madeira num branco de cor e aromas predominantemente citrinos e notas secundárias florais e minerais. Na boca demonstra frescura, elegância, continuidade de fruta citrina, maça verde. Com boa estrutura e um final longo com bastante frescura.
Ázeo Rabigato Branco 2009: apenas com Rabigato e sem passagem por madeira, apresenta aromas um pouco diferentes do anterior. Ainda citrino, mas mais floral e também mineral. Na boca é mais redondo, mais corpulento mas continuando elegante e com um fim de boca bastante comprido.
Ázeo Reserva Branco 2008: elaborado a partir de vinhas velhas, passou por estágio em madeira de barricas novas e uma parte de barricas usadas. A cor continua a ser citrina mas o aroma é bastante mais complexo que qualquer um dos anteriores, Mais intenso, com fruta citrina e notas especiadas e muita mineralidade. Na boca apresenta-se cheio, untuoso e acidez correcta. Revela grande potencialidade de envelhecimento e sem medo dos anos que podem passar. A frescura continua a ser nota de destaque e puxa a gastronomia.
Quinta de S. José Colheita Tinto 2008: este tinto conseguiu surpreender o meu olfacto. Um conjunto de aromas com a fruta bem madura à cabeça, com notas de frescura, algum mentol, cacau, especiarias e fumados. Na boca um tinto de entrada que bate alguns de topo. Corpo, estrutura, equilíbrio, fruta e um final com persistência admirável. Grande impacto nos meus sentidos.
Quinta de S. José Reserva Tinto 2007: por fim um reserva que já não causou tanta impressão devido a anteriormente termos tido o Colheita 2008. Contudo a mesma personalidade e frescura. Um vinho para apostar para daqui a mais uns anos de garrafa, com um poder de envelhecer bem em potência.
Tal como falado com João Brito e Cunha só é pena haver tão pouco "exemplares" destes verdadeiros néctares por isso é aproveitar enquanto há e nas Coisas do Arco do Vinho... ainda há.

terça-feira, 26 de Outubro de 2010

Terra D'Alter 2009

Terra D'Alter 2009 Branco

Características
Tipo:
Branco
Castas:
Várias Castas
Região: Alentejo
Teor Alcoolico: 13 %
Produtor: Terras D' Alter C.V. Lda

Preço: -€ vap

Acerca do Vinho (Rótulo)
Este vinho é cheio de sabor e personalidade, feito a partir das castas tradicionais Portuguesas. As uvas foram colhidas num estado de óptima maturação controlado pelo acompanhamento analítico dos bagos na vinha. Depois de esmagadas as uvas foram prensadas a frio. O mosto obtido repousou 48 horas seguindo-se uma fermentação durante 20 dias a 12-14ºC. O vinho foi mantido em contacto com as borras finas durante 3 meses antes de ser engarrafado.

Nota de Prova
Bonita cor, brilhante, intensa, nariz focado nos frutos tropicais e citrinos, ananás, lima, lichias, leve toque a maracujá. Na boca revela-se pouco complexo, mas suave e equilibrado, acidez no ponto. Simples, mas acolhedor. Há quem diga que as coisas simples são as melhores do mundo. Se este for o seu caso, este é o seu vinho.

Classificação: 74/100 ou 14,8/20

segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

Bétula 2009

Características
Tipo:
Branco
Castas: Viognier e Sauvignon Blanc
Região: Douro
Teor Alcoolico: 13,5 %
Produtor: Catarina Montenegro Santos
Preço: 15€ pvp

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à Catarina Montenegro Santos da Quinta do Torgal pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Acerca do Vinho (Rótulo)
Produzido no Lugar do Torgal, no coração da freguesia de Barrô e na margem esquerda do Rio Douro, o Bétula Branco é feito a partir das castas Viognier (50%) fermentado em barricas de carvalho francês e Sauvignon (50%) fermentado em inox a baixa temperatura. A vinificação foi efectuada na 3ª semana de Setembro. De cor citrina, mostra um aroma exuberante e complexo a fruta tropical e vegetais. Na boca é plena de bons sabores frutados e uma boa acidez.

Nota de Prova
Produtor para mim desconhecido até à pouco tempo, passa a ser agora daqueles pelo qual espero mais novidades. Este branco apresenta uma cor amarela citrina, muito límpida e cativante ao olhar, sendo depois no nariz um vinho algo complexo com aromas vegetais, fruta tropical, citrino e algo mineral. Um conjunto bem harmonizado, mas que resulta desta "luta" de castas tão interessante e diferente para o Douro. Muito elegante. Na boca a primeira nota para o toque untuoso e sedoso, com continuidade da fruta bem casada com o nível de acidez, em excelente plano, e a barrica que lhe confere estrutura e tosta ao paladar. Final de boca persistente, fresco e marcante.

Classificação: 85/100 ou 17/20

domingo, 24 de Outubro de 2010

VINIPAX 2010: O Rescaldo

Foi à última da hora que decidir ir à Vinipax 2010. A distância em termos de quilómetros do local onde resido, o custo da deslocação e o aproximar rápido do Encontro com o Vinho 2010 e Encontro com os Sabores 2010 em Lisboa, contribuiram para esta minha tardia decisão, todavia, e em virtude do âmbito deste evento ser um pouco mais restrito lá acabei por a visitar.
Após duas horas de caminho e tendo acabado de estacionar a minha viatura no parque destinado aos visitantes da VINIPAX tive tempo para pensar na primeira sugestão à organização para o próximo ano: Promoção e Divulgação. Incrivel como nem sequer um sinal, uma placa a indicar o local do evento. Alguns locais nem sequer sabiam do que se tratava e teve de ser um agente da PSP a indicar o caminho para a "Coisa do vinho" como ele o chamou e que ficava num sitio onde tinha muito espaço para estacionar... Mais promoção que o nosso Vinho merece.
Depois a Vinipax em si. Espaço acolhedor, com boa iluminação e temperatura. Não havia muitos visitantes nas primeiras horas em que estive em provas e o número destes também não aumentou excessivamente ao longo do tempo, por isso era possivel para além das provas ter um pouco mais de atenção particular, um pouco de conversa e aprender mais umas coisinhas. Foi rever algumas pessoas ligadas ao meio já minhas conhecidas, provar alguns vinhos novamente, levar o meu parceiro de visita a conhecer algumas coisas que já previra que lhe agradassem e dar de car com algumas novidades. Em termos das regiões que estavam presentes penso ter sido uma boa preparação para 5 de Novembro. Tudo muito certinho da parte dos produtores/expositores. E a loja no local praticava preços realmente convidativos embora com limitação de garrafas por produtor presente.
Visitei ainda a OLIVIPAX num pavilão à parte e, sinceramente, por mais que possa pensar que é uma ideia diferente ter uma exposição para o Azeite à parte, continuo a gostar mais de ter as duas no mesmo local. Na minha opinião indissociáveis. Muito interessante o método de prova de azeites. O meu Pai é produtor, mas nunca tinha visto uma prova desta forma. Da parte olfativa à gustativa. Interessante. Vou tomar mais atenção.
Quanto ao Beja Gourmet, não tive grande hipótese de a poder avaliar. Quer ao almoço, quer ao jantar, não estava presente no local e no intermeio desse tempo parecia um pavilhão um pouco abandonado. Mesas vazias e de quando em vez havia apresentação de um produto/marc mas sem a devido atenção que lhe deveria ser dada. Sem dúvida a remodelar numa próxima edição.

sábado, 23 de Outubro de 2010

VINIPAX 2010 em Fotos

Hoje as fotografias, amanhã a minha opinião acerca da VINIPAX, OLIVIPAX e Beja Gourmet 2010.

sexta-feira, 22 de Outubro de 2010

Quinta da Murta Rosé 2009

Quinta da Murta Rosé 2009

Características
Tipo:
Rosé
Castas:
Touriga Nacional
Região: Lisboa
Teor Alcoolico: 12 %
Produtor: Encosta da Murta SA

Preço: 3€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento ao Hugo Mendes e à Quinta da Murta pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
O Inverno já está à porta mas, para mim, um Rosé fresquinho ainda é a companhia certa para alguns pratos. Ontem lá teve de ser e ainda bem. Fiquei muito surpreendido com alguns aspectos neste vinho. Em primeiro lugar a cor. Um rosa forte, limpido, brilhante e correcto. Depois o conjunto aromático. Exuberante a morango e framboesas. A minha filha associou-o desde logo a gelatina de morango e, talvez sugestionado ou não, o facto é que lembra muito essa sobremesa ou um sumo de morango. Delicioso este aroma. Na boca de notar o equilibrio entre a fruta que continua presente e a acidez do mesmo. Algo encorpado, mas muito fresco e elegante. O final de boca continua a ser com muita fruta.

Classificação: 72/100 ou 15,5/20

quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

Grandjó 2009 Branco

Grandjó 2009 Branco

Características
Tipo:
Branco
Castas:
Donzelinho Branco, Gouveio, Malvasia Fina, Esgana Cão, Viosinho e Moscatel
Região: Douro
Teor Alcoolico: 12,5 %
Produtor: Real Companhia Velha

Preço: 3,99€ vap

Nota de Prova
Passei por duas vezes pela prateleira antes de o comprar. Confesso ter procurado mais o Colheita tardia, mas como não o encontrei, acabei por trazer este. Um branco marcadamente de cor citrina, novo e brilhante e um nariz com grande intensidade a fruta tropical, melão bem maduro e a minha filhota disse logo manga madurinha. As notas florais estão também presentes na proporção correcta. Na boca a continuidade do sabor frutado, algo doce e muito directo. Agradável sem dúvida e encantará quem gostar de um vinho correcto, directo e fácil de gostar.

Classificação: 75/100 ou 15/20

quarta-feira, 20 de Outubro de 2010

Prova Lavradores de Feitoria - Coisas do Arco do Vinho

Hoje, na Loja Coisas do Arco do Vinho, com os comentários do Enólogo Paulo Ruão, teve lugar uma Prova de vinhos da Lavradores da Feitoria, na qual foram servidos o Três Bagos Sauvignon Blanc 2009, o Meruge 2007, o Quinta da Costa das Aguadeiras Tinto 2007 e o Três Bagos Grande Escolha 2007.
Antes de começar, vou mais uma vez dar os meus parabéns à Coisas do Arco do Vinho pela continuidade na aposta em qualidade das provas propostas; dar os parabéns à Lavradores de Feitoria pela comemoração de uma década de vida de um projecto que continua a crescer; e parabéns aos participantes nas provass cada vez mais participativos juntando-se assim à prova dos vinhos a conversa acerca dos vinhos.
Começámos então a prova pelo Três Bagos Sauvignon Blanc 2009. Um vinho de cor citrina, muito limpida e detentor de uma exuberância aromática notável. Adorei. Notas florais e muita fruta tropical madura em destaque, muito elegante. Na boca, o destaque para o equilibrio da acidez com a fruta, com estrutura e corpo perfeitos. Com um final de boca bastante longo, este é um branco a não perder.
Seguimos para os tintos com o Meruge 2007. E que dizer? Detentor de uma cor rubi/violácea escura e com um verdaeiro perfume a fruta vermelha bem madura, revela-se na boca um vinho portentoso, com equilibrio entre a madeira, taninos e acidez em perfeito estado. Muito sedoso no paladar, quase mastigável e dono de um final commmmmprido. Guardar uma destas garrafas para daqui a 2/3 anos é o conselho.
Depois, um vinho oposto ao anterior, todavia na mesma rota de qualidade: O Quinta da Costa das Aguadeiras 2007. Tonalidade vermelha vivaz e intensa, com nariz a fruta, algum chocolate, mas não em excesso, alguma intensidade, mas algo contida. Na boca sente-se um vinho com pujança, de taninos gordos e redondos. Tudo correcto com a harmonia em plano de destaque. Sinceramente mais pronto para o copo que o anterior, mas o ideal serão duas garrafinhas. Uma para beber o quanto antes e outra para daqui a um par de anos... se aguentar a espera.
Por último, o topo da Lavradores de Feitoria. e agora em lançamento: O Três Bagos Grande Escolha 2007. Cor vermelho escuro, profundo, opaco mesmo, revela aromas intensos a fruta vermelha, a especiarias e fumados. Na boca denota força com elegância, corpulento, cheio, com estrutura e complexidade. A fruta continua a aparecer, sempre muito bem casada com a madeira e os seus taninos bem firmes. O final de boca persistiu durante muito tempo, sempre com notas de fruta presentes.
Uma Grande prova com uma longa conversa com o Paulo Ruão e o lembrar de Terras do Douro e de um restaurante: o Restaurante O Artur de Carviçais... marca sempre.

terça-feira, 19 de Outubro de 2010

Alento 2008

Alento 2008 Tinto

Características
Tipo:
Tinto
Castas:
Aragonês, Trincadeira, Touriga Nacional e Alicante Bouschet
Região: Alentejo
Teor Alcoolico: 14 %
Produtor: Luis Louro

Preço: 4,99€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à Joana Louro da Adega do Monte Branco pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Mais uma alentejano com qualidade.Com uma cor rubi bastante intensa, destaco-o no nariz pelos seus aromas bastante frutados em completa harmonia com notas ligeiras de especiarias. Muito correcto. Na boca revela-se fresco, fluído, de taninos presentes, mas suaves e, claro, a fruta que notei no nariz continua a ser referência no palato. O final de boca tem uma duração média/longa não deixando de pedir comida. Um queijinho de Nisa, umas azeitonas e pão acompanha em beleza.

Classificação: 74/100 ou 15,8/20

segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

Portas da Herdade 2007

Portas da Herdade 2007 Tinto

Características
Tipo:
Tinto
Castas:
Aragonez, Trincadeira e Alicante Boushet
Região: Alentejo
Teor Alcoolico: 13,5 %
Produtor: Companhia das Quintas - Vinhos SA

Preço: -€ vap

Nota de Prova
De 2007 mas provado em 2010, este Regional Alentejano, de cor rubi ainda bem definida, apresenta um aroma marcadamente frutado, a frutos vermelhos bem maduros, bem presentes, bem delineados. Na boca, mostrou ao inicio alguma rebeldia, mas com o decorrer da prova demonstrou ser macio, com algum corpo e estrutura e com final de boca agradável e de média duração. Não desilude, mas não surpreende.

Classificação: 14/20

domingo, 17 de Outubro de 2010

O Vinho e a Publicidade no Portugal de Antigamente

Para além do Vinho, outra das minhas paixões é o passado. O rever do que antigamente se fazia, de como eram as coisas, os locais, as pessoas e as sociedades. Hoje, dei comigo a rever alguns exemplares de posters publicitários antigos relativos ao vinho e desde logo pensei em partilhar com todos algumas dessas autenticas obras de arte.

sábado, 16 de Outubro de 2010

Feiras das Mercês - Carne de Porco à Mercês

Este ano temos Feira das Mercês, temos a Carne de Porco à Mercês, as Castanhas Assadas, os Ranchos, a música tradicional e tudo bem regado com Vinho Nacional. A merecer uma visita.

sexta-feira, 15 de Outubro de 2010

Prova Quinta do Crasto - Coisas do Arco do Vinho

No passado dia 13/10/2010, na loja Coisas do Arco do Vinho, participei na Prova Quinta do Crasto, excelentemente conduzida pelo Pedro Almeida que nos guiou pelos vinhos da Quinta e por um pouco da sua história. Os vinhos em prova foram: Crasto DOC Branco 2009, Crasto DOC Tinto 2008, Crasto Superior Tinto 2007, Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas 2008 e o Porto Quinta do Crasto Vintage 2008.
O primeiro vinho dado a prova foi o Crasto DOC Branco 2009 com um aroma bastante intenso a fruta tropical bem madura, com algumas notas citrinas iniciais muito bem integradas. Na boca nota particular para a sensação de equilíbrio e harmonia do conjunto, com uma acidez não muito elevada, demonstrando ser um vinho elegante, muito directo e com um final de médio comprimento.
De seguida, o Crasto DOC Tinto 2008. Um vinho com uma cor violeta escura, com notas aromáticas bem destacadas a frutos vermelhos bem maduros e o floral da Touriga Nacional também com boa presença. Na boca temos mais um vinho correcto, bem equilibrado, com algum corpo, com os frutos silvestres em permanente destaque e um final de boca agradável e de persistência adequada.
O Crasto Superior Tinto 2007 elevou de seguido o patamar de qualidade da prova. Superior no rótulo devido à origem das uvas para produção do mesmo serem de Quintas do Douro Superior, mostrou estar já no ponto para fazer as nossas delicias. Uma cor violeta límpida e brilhante, com aromas intensos a frutos vermelhos e preto e no palato sente-se um vinho corpulento, com os taninos bem presentes, equilibrado com a fruta sempre a acompanhar e com um final de boca com um comprimento bem longo.
Por último, nos vinhos de mesa, o Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas 2008. Para mim uma prova que perdeu um pouco ao inicio, mas que foi ganhando outra vida ao longo dos minutos em copo. Talvez se tivesse sido aberto com alguma antecedência ou colocado num decanter tivéssemos tido outra oportunidade. Deste modo, apesar da inegável qualidade deste vinho, penso ter estado muito fechado e a necessitar de respirar um pouco. Daqui a alguns anos será uma prova a não perder.
O Porto Quinta do Crasto Vintage 2008 fechou a noite em beleza. Um Porto com uma cor bastante opaca e onde os aromas a fruta vermelha bem madura ou mesmo já compota são Reis. Na boca revela um excelente volume, corpo e uma estrutura bastante firme. Guardem na garrafeira para uma oportunidade especial ou bebam-no já. Gostei e gravei a frase do Pedro Almeida. O Vinho não é um biblot... é para ser bebido.
Os finais de tarde das Quartas-feiras continuam a significar Grandes provas, Grandes vinhos e Grandes experiências tendo como anfitrião esta pequena Grande loja: Coisas do Arco do Vinho.

quarta-feira, 13 de Outubro de 2010

Vencedor do Passatempo "Um Vinho, Uma Conversa" - Quinta da Murta

O vencedor do Passatempo "Um Vinho, Uma Conversa" - Quinta da Murta é o participante com o nickname EJuliao. Este foi encontrado através da inserção dos nomes de todos os participantes que enviaram a resposta correcta à pergunta efectuada e colocaram no comentário a frase "Eu quero um Kit de Prova Arinto Bucelas Quinta da Murta", numa aplicação que escolhe de forma aleatória um vencedor. O segundo nome a sair, e que será considerado como suplente, para o caso de não ser possivel o contacto com o vencedor no prazo de 5 dias, foi o participante com o nickname Antonio Caiado.

terça-feira, 12 de Outubro de 2010

Passatempo "Um Vinho, Uma Conversa" - Hugo Mendes

No passado dia 1 de Outubro tivemos a primeira parte do Passatempo "Um Vinho, Uma Conversa". Tivemos mais que um vinho. Um Kit Prova Arinto Quinta da Murta. Agora uma pequena conversa com Hugo Mendes, o Enólogo da Quinta da Murta. Amanhã a divulgação do vencedor do Passatempo.Como define os Vinhos da Quinta da Murta?
Presentemente, os vinhos Quinta da Murta pretendem ser uma alternativa aos vinhos globalizados. Aos vinhos cuja origem se confunde. Pretendem ser genuínos e acima de tudo que expressem esta magnífica região! A nossa intervenção é no sentido de os polir e não de os moldar.
Como vê o futuro da Quinta da Murta e dos vinhos da região de Bucelas?
O Futuro da Quinta da Murta está intimamente ligado ao futuro de Bucelas como região fornecedora de vinhos diferenciados e entendidos pelo consumidor. Pessoalmente, estou convencido que onde podemos efectivamente fazer a diferença (enquanto região) é nos vinhos de guarda brancos, do género espumantes e fermentados em madeira. O tempo deu-nos know-how suficiente para tirar o melhor partido das várias variáveis. Falta a acção concreta, e o reconhecimento do mercado.
Porque o painel de azulejo como imagem da Quinta da Murta?
Desde o primeiro rótulo, da primeira garrafa (1994) que o azulejo faz parte da imagem da Quinta da Murta. Penso que já nessa altura, se aproveitou a existência física do painel representado, juntamente como um dos símbolos de Portugal. Presentemente, continuamos convictos que a associação ao azulejo nos identifica quanto à origem e serve ainda como sinal do nosso profundo respeito e admiração pela história e tradição, sem descorar o conhecimento que a modernidade nos oferece. Penso que a forma como este elemento se integra na imagem está em consonância com isso!

segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

O Vinho de Colares - Exposição e Prova de Vinhos

A Exposição "O Vinho de Colares" decorreu de 24 de Julho a 10 de Outubro passado, nas Caves Visconde Salreu no Banzão, em Colares. A Exposição já a havia visitado, por ocasião das comemorações do Dia do Vinho a 4 de Julho deste ano, mas as provas tinham ficado por fazer, todavia, neste Domingo, tive o prazer deste reencontro, com uma vistosa placa no exterior das Caves, que me permitiram nova visita, mas desta vez com provas.
Neste último dia dois vinhos em prova da Fundação Oriente produzido pela Quintas das Vinhas de Areia. O Colares Branco 2008 e o Colares Tinto Ramisco 2005. A prova foi efectuada em copos de prova schott zwiesel adquiridos nas próprias caves por 2 € cada, mas a restante parte da prova poderia ter sido mais cuidada. Enquanto que o Colares Ramisco 2005 foi provado à temperatura ambiente (18º a 20º aprox.), também o Colares Branco 2008 o foi. Depois, embora há quem ache dispensável, penso que a presença de alguém ligado aos vinhos ou pelo menos capaz de esclarecer a curiosidade do visitante mais ávido por conhecimento deveria ter estado presente.
Provei em primeiro lugar o Colares Branco 2008. Um vinho de cor bastante limpida e cintilante e de aromas predominantes a citrinos, com notas a frutos doces em fundo. Na boca um branco elegante, suave e muito equilibrado. Penso que se na temperatura ideal teria sido uma grande prova. Gostei bastante pelo que não desdenharei uma prova com as condições mais apropriadas.
Depois o Colares Tinto Ramisco 2005. Um vinho com uma cor atrativa, todavia de pouca concentração. Nariz com muita fruta e intensamente floral, muito interessante. Na boca demonstra alguma corpolência, mais fruta vermelha, sumo e equilibrado. Ao inicio alguma relutância, mas depois demonstra ser capaz de boa figura em qualquer copo. O final de boa é bastante longo e frutado.
Agora venham outras provas dos outros Colares.
Estes vinhos encontram-se à venda na própria exposição por 15€ cada .

domingo, 10 de Outubro de 2010

Colinas de São Lourenço 2005

Colinas de São Lourenço 2005 Tinto

Características
Tipo:
Tinto
Castas:
Touriga Nacional, Aragonez e Baga
Região: Bairrada
Teor Alcoolico: 13 %
Produtor: Colinas de São Lourenço

Preço: -€ vap

Acerca do Vinho (Rótulo)
Criadas nas suaves colinas da Região da Bairrada, as uvas foram colhidas manualmente, transportadas em pequenas caixas e vinificadas por casta a temperaturas controladas. É um vinho que resulda do melhor conjunto das castas de Touriga Nacional, Aragonez e Baga que estagia parcialmente durante um ano em barrica de carvalho francês. Após o engarrafamento estagia ainda um minimo de 6 meses em garrafa. De cor vermelha intensa, aroma a fruta madura com notas a baunilha, é um vinho macio na boca, com bom corpo, persistência e muito carácter.

Nota de Prova
Este vinho é um verdadeiro filho da revolução vínica operada há alguns anos na Bairrada. Bonita cor de um rubi intenso, aromas de fruta vermelha bem madura mas ainda assim com frescura suficiente para que a prova não morra, apesar de já se sentirem a germinar os aromas terciários. Na boca é encorpado, de média persistência. O seu carácter redondo faz-me pensar que se encontra na fase final do periodo de consumo. Beba-o tanto quanto antes.


Classificação: 73/100 ou 14,6/20

sábado, 9 de Outubro de 2010

Improve Wine - Loja On-Line: Chegada das Ofertas

E cá chegaram as ofertas resultantes do Passatempo da noite de Inauguração da Loja Improve Wine. Agora só me falta gastar os dois vouchers e fazer a minhas provas destes vinhos.

quarta-feira, 6 de Outubro de 2010

Tapada dos Monges 2008


Características
Tipo: Verde
Castas: Vinhão
Região: Vinho Verde
Teor Alcoolico: 11 %
Produtor: Manuel da Costa Carvalho Lima & Filhos, Lda
Preço: -€ vap
Acerca do Vinho (Rótulo)
O Tapada dos Monges Vinhão é um Vinho Verde tinto elaborado a partir de uma das mais nobres castas da região - Vinhão - que lhe confere uma cor vermelha rubi carregado, um aroma frutado e um paladar a frutos maduros típico da casta.

Nota de Prova
O vinho apresenta-se, como já seria de esperar, fechado de cor, tons de tinta vermelha, intenso, carregado, opaco, aroma igualmente intenso a frutos vermelhos apreciados pela manhã. Na boca o vinho revela-se forte, muito robusto, indomável e a pedir comida também ela de forte tempero. Vinho para apreciadores do género. Um vinho verde extreme de Vinhão, da zona de Fafe, a acompanhar com pratos de lampreia, cabidelas, leitão de Negrais e caça em geral.
Classificação: 66/100 ou 13,5/20

terça-feira, 5 de Outubro de 2010

Restaurante "O Cruzamento" - Grândola

Nos últimos anos, começa a ser local de paragem obrigatória sempre que venho de viagem dos Algarves. Um restaurante que descobri já vai para algum tempo e que não me canso de visitar sempre que a ocasião se proporciona. Em Grândola, a poucos minutos após saída da A2, lá se encontra o Restaurante "O Cruzamento", de cozinha tipicamente regional e onde as delicias passam pelas Migas com Bacalhau na Brasa, o Jantarinho Alentejano, as Migas de carne de Porco, as Pataniscas de Bacalhau com Arroz de Feijão, o Ensopado de Borrego ou o Pudin de Mel para sobremesa. Escolha o que escolher prepare-se para ficar deliciado e... cheio pois as doses e meias doses são muito bem servidas. Os preços também são muito aceitáveis e é provável que no incio lhe pareça que alguém se enganou quando lhe entregram a conta.
O serviço é familiar, caseiro embora por vezes lento, mas a casa também está sempre cheia e com gente à porta o que não facilita. Quanto ao serviço de vinhos ainda tem muito para crescer. Apesar de pela sala podermos ver alguns bons exemplares da região vitivinicola do Alentejo, é com algum pesar que se repara que estão mal acondicionados, sujeitos ao calor e humidade em excesso e sempre na vertical. O serviço de copos também é limitado e a carta pouco cuidada. Enfim, não se pode ter tudo. Venha daí mais um prato.
No final da refeição pode ainda dar um saltinho à parte Café do Restaurante e admirar a fabulosa colecção de garrafas de whisky aí dispostas. E todas cheias. Tentador.
Ora, para quem gosta de bom prato ficam as indicações:
Morada: Estrada Nacional 120 - Bairro da Tirana 7570 GRÂNDOLA
Contacto: 269476610
GPS: 38.207721,-8.561271
Preço médio por refeição: 11 €
Atendimento: Familiar, Acolhedor, Simpático
Satisfação: 8/10

segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

Casal D'Além 2008

Casal D'Além 2008 Branco
Características
Tipo:
Branco
Castas:
Arinto
Região: Bucelas
Teor Alcoolico: 12 %
Produtor: Carlos Canário

Preço: -€ vap

Acerca do Vinho (Rótulo)
Elaborado com uvas da casta Arinto, vindimadas em caixas de 20kg, fermentou a 16º C após maceração pelicular. De cor citrina, aroma jovem e intenso a frutos tropicais, tem sabor frutado, fresco e elegante.

Nota de Prova
Estará já frio para um vinho branco bem fresco? Ainda não. Este Casal D'Além apresenta uma cor citrina muito limpida e brilhante. Bonita e atractiva. No nariz revela aromas citrinos adocicádos como a lima, mesclados com a aromática fruta tropical com presença intensa e agradável. Na boca apresenta-se fresco, descomplicado, frutado com final de boca bastante citrino. Boa surpresa.

Classificação: 74/100 ou 14,8/20

domingo, 3 de Outubro de 2010

Quinta do Tedo 2007

Características
Tipo:
Tinto
Castas: Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga Franca
Região: Douro
Teor Alcoolico: 14 %
Produtor: Vincent Bouchard
Preço: -€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à Quinta do Tedo pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Acerca do Vinho (Rótulo)
Vincent Bouchard farms 15 hectares of terraced vineyards within an ecological reserve, at the confluence of the Tedo and Douro Rivers. This is the heart of the Douro Valley and the vineyards are rated A by the Portuguese authorities, equal to grande cru. Moreover, as a "single quinta" all of the farms's grapes are estate grown. This sun-drenched vines grow in schist soil and slope dramatically down to the rivers: a feast to the eyes and the source of excellent dry and sweet wines. Using remarkable indigenous grapes, the Quinta makes this richly-layerd dry Douro wine.

Nota de Prova
Um vinho diferente. Muito pouco comercializado em Portugal esta foi uma oferta da Quinta do Tedo que apreciei bastante. Na prova surpreendeu-me de imediato a cor. Um rubi muito profundo, sangue, com alguns laivos violetas. Muito limpido e brilhante. Depois, no nariz, a intensidade da fruta vermelha e preta bem madura inundou-me a imaginação. Notas fugazes de baunilha e madeira completam o bouquet. Na boca é corpolento, com bom equilibrio entre a fruta e a madeira, com a continuidade da fruta em bom plano e um final de boca espantoso.

Classificação: 82/100 ou 16,5/20

sexta-feira, 1 de Outubro de 2010

Passatempo "Um Vinho, Uma Conversa" - Quinta da Murta

Este mês o Passatempo "Um Vinho, Uma Conversa" é em colaboração com a Quinta da Murta. E o prémio em jogo um Kit de Prova Arinto Bucelas Quinta da Murta constituido por 3 Garrafas com Arinto trabalhado de três maneiras diferentes: Espumatizado, fermentado em cuba e fermentado em madeira.
Participar é muito simples. Basta responder à questão "Qual a imagem de marca utilizada pela Quinta da Murta nos rótulos dos seus vinhos?" , colocar no comentário do passatempo "Eu Quero um Kit de Prova Arinto Bucelas Quinta da Murta" e enviar a resposta para o mail comerbeberlazer@hotmail.com com nick utilizado no comentário, nome completo e número para contacto para o caso de ser o vencedor.
De entre as respostas serta será sorteado o vendcedor através de processo automático.
Regras:
- Apenas serão aceites respostas até ao próximo dia 10-10-2010 às 23:59;
- Só serão aceites respostas com comentário no blog;
- Apenas será aceite uma participação por pessoa;

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails