sexta-feira, 29 de junho de 2012

Redoma 2011 Rosé

Características
Tipo: Vinho Rosé
Castas:Tinta Amarela, Touriga Franca, Outras
Região: Douro
Teor Alcoólico: 12%
Produtor: Niepoort Vinhos, SA
Preço: 7,80€ vap

Uma palavra de agradecimento à Niepoort Vinhos pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Encontro-me na presença de um rosé moldado para ser bebido a dois. O vinho mais a gastronomia. Portou-se muito bem num primeiro momento a solo, mas cresceu mais um pouco quando lhe juntei a refeição. Numa entrada de refeição, uma massa fria, saladas, pizza e carnes brancas.
A cor rosada intensa de aspecto jovem atrai o olhar, prepara o olfacto para aromas elegantes de morango, groselha e nota minerais estupendas. Na boca mostrar estrutura, base com acidez em perfeito equilíbrio com a fruta fresca. Final elegante, fino e comprido.

Classificação: 82/100

terça-feira, 26 de junho de 2012

Quinta da Cassa 2008

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga Franca
Região: Douro
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: António Emilio Rocha
Preço: 7 € vap

Nota de Prova
Este tinto acompanha idealmente "caça" ou "cassa", mas também prova estar à altura para outro tipo de cozinha portuguesa. No copo surge com uma cor avermelhada escura, de média concentração, mas a caminhar para uma cor mais compacta, violetas escuros e aspecto limpo. Os aromas são intensos a fruta vermelha e preta silvestre bem madura, ameixa preta, floral, com a toque a esteva muito bem integrado com as notas de presença em madeira. Um ligeiro cacau, torrado e final com toque fresco. Na boca toque suave, macio, algo untuoso, que nos enche o palato. Equilibrado e com continuidade de boa fruta e final fresco, longo e que fica. Vamos à caça?

Classificação: 83/100

Rótulo | Castellões Vinho Velho do Porto

Como faço colecção de rótulos de vinho, de vez em quando chegam-me às mãos coisas deste género. Para lám da beleza deste exemplar, com relevos nas moedas, brasão e nome, achei muito curioso um rótulo de vinho do Porto ter na sua imagem o Palácio da Pena aqui da minha Sintra. Tentei encontrar alguma história acerca da mesma, todavia sem sucesso. Alguém conhece ou pode ajudar?

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Quinta Branca 2010 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinto Cão e Tinta Amarela
Região: Douro
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: Quinta Branca / ETI-Empreendimentos Turisticos e Imobiliários, SA
Preço: 5,00€ vap

Uma palavra de agradecimento à Quinta Branca pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
A Quinta Branca, propriedade vitivinícola do Grupo ETI, localizada em Valdigem, na região do Douro, acaba de apresentar o seu primeiro vinho, um Douro tinto DOC de 2010. O projecto irá conhecer uma forte evolução nos próximos três anos, com vista a consolidar e afirmar a sua marca, num trabalho conjunto do enólgo Luis Soares Duarte e da equipa técnica da Quinta.
Apresenta um coloração rubi, de matizes violetas, aspecto jovem e limpo. Aromas plenos de fruta vermelha silvestre madura, intenso, por momentos fez lembrar ainda o lagar após a pisa, ligeiro tostado e leve vegetal. Boca com vida, taninos a dizer presente, equilibrado com boa largura de boca e uma fruta fresca muito interessante acompanhando a prova. Final com comprimento. Surpreendeu-me o baixo teor alcoolico quando a "moda" anda um pouco mais para cima. Vamos aguardar os próximos episódios.

Classificação: 80/100

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Quinta da Garrida 2007 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Tinta Roriz e Touriga Nacional
Região:Dão
Teor Alcoólico: 14%
Produtor: Aliança - Vinhos de Portugal, SA
Preço: -€ vap

Nota de Prova
Sem dúvida um puro Dão. Cor rosada, violeta intensa. Muito forte na componente floral e que o torna especialmente atractivo. Na boca revela toda a sua riqueza: macio, equilibrado e de caracter bem definido. Este vinho apresenta-se como uma das melhores opções na relação qualidade-preço que conheço no Dão. De salientar que foi provado no inicio de 2012e que se mantém fresco e a dar uma prova de bom envelhecimento. Ainda dá prazer.

Classificação: 73/100

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Planalto Reserva 2010

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Malvasia Fina, Gouveio, Viosinho e Códega
Região: Douro
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: Casa Ferreirinha - Sogrape Vinhos, SA
Preço: 5 € vap

Nota de Prova
Este é um clássico. Não só no verão, quando o calor aperta, como em praticamente qualquer estação do ano. Ao olhar uma cor citrina, praticamente translucida, brilhante e cativante. Nariz com boa intensidade a fruta citrina, bem casada com toques de fruta tropical, simples e fresco. Também aqui cativa. Na boca a expectativa confirma-se, continuidade da fruta fresca, alguma elegância, bom equilíbrio de acidez, fruta e corpulência. Mesmo a calhar. Foi bom acompanhante no começo de refeição com diversos tipos de entrada, mas não ficará mal com um peixinho grelhado.

Classificação: 75/100

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Zebro 2009 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Trincadeira, Aragonez, Touriga Nacional e Cabernet Sauvignon
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 14%
Produtor: Sociedade Agrícola da Calha do Grou
Preço: -€ vap

Nota de Prova
Este vinho é produzido com uvas de agricultura biológica. Revela aromas a fruta vermelha bem madura, com toque vegetal num primeiro impacto, suavizando esta sensação com o tempo de garrafa aberta. Na boca surge com média intensidade, suave ao toque, equilibrado com final de boca algo curto, mas muito satisfatória. A conhecer e a acompanhar.

Classificação: 70/100

domingo, 17 de junho de 2012

Fonte da Serrana 2010

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Aragonez, Trincadeira e Touriga Nacional
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Monte da Ravasqueira
Preço: -€ vap

Nota de Prova
Apresenta-se rubi à vista, de aspecto jovem e brilhante. No nariz traz-nos à mente o Alentejo frutado sempre atraente, com uma ténue sensação vegetal. Na boca revela boa acidez, muito fresco e jovem, de fácil prova e certamente de agrado geral. Aconselho que se beba enquanto tiver estas características, ou seja, enquanto novo.

Classificação: 68/100

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Casa de Santar Reserva 1994

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: -
Região: Dão
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: Sociedade Agrícola de Santar, SA
Preço: -€ vap

Nota de Prova
Este vinho é mais uma prova evidente da enorme capacidade dos vinhos do Dão para envelhecerem em garrafa com qualidade. Foi aberta em 2012, mas ainda teria muitos anos de vida pela frente. Licor, cevada, resina ténue e muitos outros aromas apetecíveis. Final longo e harmonioso.

Classificação: 78/100

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Diálogo 2011 Branco

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Rabigato, Códega do Larinho, Gouveio, Dona Branca, Viosinho, Bical
Região: Douro
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Niepoort Vinhos, SA
Preço: 5,50€ vap

Uma palavra de agradecimento à Niepoort Vinhos pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Eis que coloco a garrafa na mesa. - Ai que giro, não vou beber mas deixa-me ler! E há mais? Estes rótulos-Cartoon continuam a surpreender quem não conhece.
A nova edição deste branco continua a marcar pontos pela continuidade da imagem e pelo vinho. Cor citrina e de aspecto brilhante chega-nos no nariz intenso a fruta citrina, com um toque mineral no ponto que lhe garante frescura e notas florais também elas equilibradas com todo o conjunto aromático. Na boca continua fresco e frutado, com lima e alguma fruta de caroço, como o pêssego. Equilibrado e pronto a ser bebido neste verão que se aproxima (espero eu).
Entre amigos causa impacto, desbloqueia uma conversa, um diálogo e acompanha-se logo com o dito.
Classificação: 80/100

terça-feira, 12 de junho de 2012

Blogger | Ser Ou Não Ser? Eis a Questão.

 
Nos últimos dias, em virtude de Jamie Goode, também ele autor de um Blog de Vinhos, ter dito a seguinte frase, "Blogging is dead! People now realise that a blog is just one of many communication tools. I blog, but I'm not a 'blogger'.", voltei a ouvir falar de um tema que de vez em quando volta a ser assunto em terras lusas. Afinal, faz ou não sentido intitular-me de Blogger Vínico? A questão é um pouco matreira, quiça um pouco filosófica, mas tem a sua razão de ser principalmente se olharmos à evolução dos social media disponíveis e a facilidade com que cada vez mais podemos aceder a cada um. Como diz o João Pedro Carvalho no seu Copo de 3, quando muitos de nós começámos já a alguns anos atrás, ser autor de um Blog era o must, o máximo dos máximos dos social media para divulgar uma simples opinião ou conteúdos complexos acerca de que tema fosse. Não vou tão longe com tu JPC. Deixei de ser Blogger?, I don't think so! Também no Pingas No Copo se toca recentemente neste tema no seu último post. Ao de leve, mas está lá. O ponto de foco então era o Blog e hoje o que somos?
A verdade é que hoje, o dito Blogger, tem para além do Blog uma página no facebook, um conta no twitter, um scoop.it, uma newsletter e mais não sei quantas formas de efectuar a sua comunicação. A este tipo de "comunicador" poderemos apenas chamar-lhe Blogger? Será este sujeito um Blogger? Nos cartões que alguns de nós temos poderemos sem pudor alterar o titulo para freak dos social media? Algo mais soft?
Ou nada disto realmente interessa? É que esta hipótese também pode fazer sentido. 
Sem querer cair no abismo de se voltar a questionar o que é no fundo um Blogger Vínico, considero que alguma coisa está a mudar neste âmbito. O actual Blogger tem um papel a interpretar nesta questão, assim como o produtor que parece procurar cada vez mais neste meio divulgar os seus produtos.
O Blogger ainda cá está, mas sem dúvida que está a nascer um novo bicho, um ser mutante com outros poderes para além do simples Blog. Vou aguardar com interesse o desenvolvimento dos próximos episódios.

Abelhoa 2009

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Castelão, Syrah e Cabernet Sauvignon
Região: Península de Setúbal
Teor Alcoólico: 13%
Produtor: Casa Agrícola Assis Lobo, Lda
Preço: -€ vap

Nota de Prova
Aromas algo discretos, fruta madura presente mas pouco surpreendente. Este é um daqueles vinhos bem desenhados e polidos para o quotidiano e para o consumo imediato. Ainda assim, talvez em próximas edições apareça menos ligeiro em tudo, surgindo sobretudo com mais alma.

Classificação: 65/100

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Terras do Minho Touriga Nacional Rosé 2011

Características
Tipo: Vinho Rosé Verde
Castas: Touriga Nacional
Região: Vinhos Verdes
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: Quinta da Lixa, Soc. Agrícola, Lda
Preço: 2,99€ vap

Uma palavra de agradecimento à Quinta da Lixa pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Este vinho ganha logo pela imagem. O contraste de cor arrebata-nos com tanta força que só mais tarde reparamos na abertura tipo screw cap em vez da habitual rolha. Faz sentido? Um vinho de verão, despreocupado, pronto a levar para a praia em vez da cerveja, fresco e de abertura fácil.
Cor rosa forte, laivos salmonados, prende o olhar. Aroma directo na groselha madura e nos morangos, exala frescura aos sentidos. Na boca desce um pouco em relação ao nariz. A fruta fresca está presente, a groselha continua rainha, com uma acidez correcta e equilibrada. Óptima escolha para começar uma refeição ou simplesmente para brindar ao verão. Já havia falado no preço?  

Classificação: 80/100

domingo, 10 de junho de 2012

Quinta da Lixa Alvarinho Trajadura 2011

Características
Tipo: Vinho Branco Verde
Castas: Alvarinho e Trajadura
Região: Vinhos Verdes
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: Quinta da Lixa, Soc. Agrícola, Lda
Preço: 3,99€ vap

Uma palavra de agradecimento à Quinta da Lixa pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Continuamos com Quinta da Lixa. Continuamos com boa relação qualidade-preço. No copo cor citrina, juventude, ligeiros esverdeados,límpido e cintilante. Nariz com aromas iniciais a pêra, algum néctar pêra da Compal, depois, já com mais tempo de copo, surge fruta de caroço, citrinos e boas notas florais. Maça, pêssego e a flor de laranjeira em pleno.Boca com leveza, alguma seda e boa acidez, com a fruta citrina e a maça verde a fazerem o seu trabalho. Gostei da ligeira sensação de secura que provoca. 

Classificação: 80/100

sábado, 9 de junho de 2012

Quinta da Lixa 2011

Características
Tipo: Vinho Branco Verde
Castas: Loureiro, Trajadura e Alvarinho
Região: Vinhos Verdes
Teor Alcoólico: 11,5%
Produtor: Quinta da Lixa, Soc. Agrícola, Lda
Preço: 2,99€ vap

Uma palavra de agradecimento à Quinta da Lixa pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Esta continua a ser, na minha opinião, um excelente opção na velha relação qualidade-preço.Apresenta cor citrina, com laivos esverdeados de tonalidade clara, límpido e aspecto brilhante. Aromas a maça verde, frutos citrinos pela lima e toranja e notas florais. Tudo no sitio, tudo correcto. Boca onde ressalta a sensação de frescura e leveza, agradável limonado, secura bem interessante e bom comprimento. Neste anos de crise, venha o verão.

Classificação: 78/100

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Vinho Ao Vivo Festival Europeu do Terroir 2012 | Os Goliardos

O Vinho ao Vivo está de volta, com uma concentração de produtores de vinho autêntico soberba, não só portugueses como também de outros países europeus. Um encontro do vinho com a música, com a sensibilidade, a autenticidade e a alegria a juntarem-se no Tejo para a grande celebração do vinho! 6 e 7 de Julho, cara a cara, copo no copo!
Nesta 3ªedição do Festival Europeu do Vinho de Terroir, vamos reunir AO VIVO 40 produtores independentes de Portugal, Espanha, França, Itália e a estreia da Áustria, com 25 regiões representadas, que irão dar a descobrir os seus vinhos goliárdicos. Vinhos com tipicidade, feitos com ousadia, exigência e ética. O Vinho ao Vivo ocorre ao ar livre, à beira do Tejo, na esplanada À Margem, em Belém. Haverá concertos de jazz a música clássica e do mundo. Os vinhos provados estarão à venda no local com possibilidade de posterior entrega ao domicílio. Uma festa ímpar em Portugal em prol da diversidade, para provar uma selecção excepcional e única de vinhos de carácter.

O Vinho ao Vivo é uma produção em parceria dos Goliardos e do À Margem. Todos os produtores seleccionados são comercializados/importados pelos Goliardos. A carta de vinhos do A Margem é da responsabilidade dos Goliardos, com aposta numa selecção de qualidade de vinhos de terroir de produtores presentes no Vinho ao Vivo.

PRODUTORES CONFIRMADOS
Portugal: Qt da Pellada (Dão), Fraga Alta (Douro), Qt do Mouro (Alentejo), Sidónio de Sousa (Bairrada), Muxagat (Douro), Vale de Pios (Douro), Mte da Casteleja (Algarve), Luís Patrão (Bairrada), Vale Meão (Douro), Colares, Qta do Dorado (Minho), Qt do Pessegueiro (Douro), Casal Figueira (Lisboa), Afros (Minho), Qt do Infantado (Douro), Rita M Ferreira (Douro), Ad Mte Branco (Alentejo), Ataíde Semedo (Bairrada), Qta do Romeu (Douro), Lagar de Darei (Dão) Itália: Castell’in Villa (Toscana), Podere Le Boncie (Toscana), Cascina Corte (Piemonte), Rinaldi (Piemonte, Barolo), Roagna (Piemonte, Barbaresco), Teobaldo Rivella (Barbaresco) França: Lahaye (Champanhe), Lucas Rieffel (Alsace), La Pépière (Loire, Muscadet), Eric Texier (Ródano), Domaine La Cadette (Borgonha), Elian da Ros (Marmandais), Gonon (Ródano), JP Brun (BJL, Fleurie, Morgon), Tribouley (Roussillon), Domaine Chamonard (Morgon), Domaine Plageoles (Gaillac), C Maréchal (Bourgogne) Espanha: JL Mateo/ Quinta da Muradella (Galiza/Monterrei), Pedralonga (Galiza/Rias Baixas), Bodega Bernabeleva (Madrid), Mas d’en Gil (Priorat), O Rivière (Rioja/Arlanza), Rodrigo Mendez (Galiza/Rias Baixas) Áustria: Weingut Söllner (Wagram), Weingut Geyerhof (Kremstal)

6 e 7 de Julho de 2012
das 19h00 às 24h00
Esplanada à Margem, Belém, Lisboa.
20€ um dia, 30€ dois dias, 50% de desconto se comprados até ao dia 21 de Junho.
Bilhetes à venda através do mail info@osgoliardos.com, basta indicar o nº de bilhetes e se os bilhetes são para 1 ou 2 dias, e nós indicaremos o nib para transferência bancária.

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Olho no Pé 2008 Colheita Tardia

Características
Tipo: Vinho Branco Colheita Tardia
Castas: Vinhas Velhas
Região: Douro
Teor Alcoólico: 13%
Produtor: Folias de Baco, Unipessoal, Lda
Preço: 15€ vap

Nota de Prova
Ultimamente tenho ficado um pouco desapontado com os Colheita Tardia que tenho provado e/ou bebido. Não sei. Falta-lhes qualquer coisa. Este foi um pouco fuga à regra. Deixou-me um leve sorriso no canto do bico.
Cor amarela palha, laivos dourados, muito límpido e atraente. No nariz temos os tão ansiado potencial próprios da botrytis, aquele alperce maduro, mel, fruta seca, flor de laranjeira e fazendo também lembrar as meloas quando já em sobre-maturação. No palato surge untuoso e pastoso, doce, com uma acidez que tenta acompanhar e dar frescura no meio do doce travo. Acaba por não se tornar enjoativo, nem causar um arrepenhamento na garganta causado pelo doce excessivo.  Gostei. Tenho que provar o 2009.

Classificação: 85/100

terça-feira, 5 de junho de 2012

Blogger's Day na Herdade do Mouchão‏ | Os Vinhos

"Os 38 hectares de vinha são constituídos por diversas parcelas, colocadas em diferentes pontos da propriedade.
As mais antigas situam-se em solos de aluvião, numa zona única e irreproduzível, perto da adega, e estão particularmente vocacionadas para a produção de uvas de Alicante Bouschet de elevada qualidade.
Esta casta encontrou na Herdade do Mouchão um “terroir” de eleição
."


Os vinhos foram escolhidos pelo John da Herdade do Mouchão e numa ordem que acabaria por fazer todo o sentido. O local da prova? Na adega, por entre as barricas e paredes que fazem pare da história da casa.

Dom Rafael 1996 Tinto: Cor tijolada de concentração média no núcleo, bastante menos densa nos bordos. Aroma intenso a fruta muito madura, madeira bem integrada, especiarias e leves notas a frutos passa. Na boca ainda guloso e com uma secura no final de boca bastante interessante par a sua idade. Final persistente.

Dom Rafael 2010 Tinto: Cor rubi, aspecto jovem e lágrima visível e persistente. Nariz com predominancia da fruta, madura, com notas de madeira nova, ligeiro adocicado. Boca com boa estrutura, de secura média e com boa fruta . Bom comprimento de boca, sempre fresco.

Ponte das Canas 2009 Tinto: Aqui começámos pelo mais novo. Cor rubi, ligeiro granada com tonalidades violetas e de aspecto límpido. No nariz a fruta vermelha, algum álcool acima da fruta que também tapou um pouco as notas de madeira nova. Na boca a sensação de álcool sobrepõe-se ao conjunto e acidez não acompanha esta sensação. Final prolongado mas um pouco carregado.

Ponte das Canas 2006 Tinto:  Mais uns anos de garrafa e continuamos com um bonito rubi de concentração média, ligeiros atijolados mesclados com rasgos violetas. Aroma com fruta em bom plano, o álcool sente-se mas um pouco mais escondido do que no de 2009, notas licorosas e notas vegetais interessantes. Boca macia, com secura marcante, as notas de álcool voltam a surgir. Final de boca longo, mas com o rasto do travo de álcool.

Mouchão 1984 Tinto: Primeira nota de admiração na cor. Que cor! Um atijolado espesso, de núcleo concentrado, escuro, lembra o tijolo maciço e o barro. Aromas com marca de fruta seca e passas, adocicado, ligeiro cacau, guloso. Boca com atrito, boa acidez, seguro, maduro, com vida ainda pela frente e com notas voláteis de álcool. Boca vivaz, notas balsâmicas, ainda com comprimento e frescura. Muito interessante para a idade.

Mouchão Colheitas Antigas 2002 Tinto: Cor concentrada, de uma granada atraente e com lágrima de aspecto escorreito. Aromas com fruta bastante madura, madeira em excelente integração, subtil, notas especiadas e agradáveis tostados. Na boca está brutal, pujante, com vida, acidez no ponto para este tipo de vinho não tocando na frescura da fruta. Final intenso e extenso, longo, longo, longo....

Mouchão 2007 Tinto: Este ainda não foi para as prateleira. Que pena. Do tipo de vinho que nos coloca um sorriso na face e um turbilhão de expectativa para o momento em que estará à venda. Cor rubi, limpo, com lágrima já espessa no correr pelo copo. Aroma fino, elegante, fruta madura, toque certo da madeira e de especiaria, complexidade e desafiante. No palato enche-nos por completo, vivaz e gordo, posante. Grande vinho. Acidez ideal apenas com necessidade de arredondamento, por mais um pouco, dos taninos, todavia já muito acima da fasquia. Grande final. Deixa vir o dia.

"Nas outras vinhas situadas em zonas mais elevadas, em solos de boa drenagem, castas tintas autóctones tradicionais como a trincadeira, o Aragonez ou o Castelão, partilham os encepamentos com algumas castas brancas como o Antão Vaz, Arinto e Fernão Pires."

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Blogger's Day na Herdade do Mouchão‏ | A Visita

"No coração do alto Alentejo, pontuado por florestas de sobreiro, azinheira, eucaliptos e extensos olivais, está localizada a Herdade do Mouchão."

No passado dia 2 de Junho de 2012, a convite da Herdade do Mouchão, um grupo de Blogger's onde me incluo, rumou ao alto Alentejo e foi conhecer uma das casas emblemáticas de produção de vinho em Portugal: a Herdade do Mouchão.
O nosso guia durante esta visita foi John Fordyce. Na sua companhia foi possível ficar a conhecer um pouco mais cerca da história e tradições deste lugar mítico, não esquecendo todavia, pequenos pedaços menos conhecidos, visitar as vinhas que foram o berço da casta Alicante Bouschet em Portugal, deambular pela histórica adega datada de 1901 e provar as mais recentes colheitas da casa. O dia começou um pouco cinzento, mas com o decorrer dos minutos foi clareando e terminou num belo dia ensolarado.

Marcantes foram, sem dúvida, a visita à Vinha dos Carapetos e à Adega. Percorrer aqueles passos por entre as videiras de Alicante Bouschet, sentido o cheiro da história a cada passo, do saber como viver o vinho a cada palavra ouvida, da natureza que nos envolvia em cada olhar e do simbolismo da mesma nos poucos minutos de silêncio foi como fazer parte de um momento único. Na Adega, os aromas a carvalho, misturado com o toque do vinho, leve e sumptuoso, fez crescer água na boca para a prova que se seguiu. Fomos deixados sozinhos com as garrafas, os copos e as nossas expectativas.
Depois da prova o almoço. Os secretos de porco preto abriram como prato principal acompanhados de um arroz magnifico (alguém me arranje a receita se faz favor). Seguiu o entrecosto e umas costeletas de borrego no ponto tudo regado com Herdade do Mouchão do inicio ao fim. Azeite, vinho de mesa, vinho licoroso, Abafado e uma aguardente para fechar. Não fechou porque não conseguimos deixar de voltar um pouco atrás. Só um pouco. Até ao licoroso. Que bem que acompanhou aquele queijo.
Os meus agradecimentos por um dia onde pude, para além do convívio são, alargar o conhecimento sobre esta casa familiar que nos fez sentir em família.
"Mais de um século após a sua fundação, e depois de ter recuperado das expropriações agrícolas que ocorreram após a revolução de 1974, a Herdade do Mouchão continua na posse da mesma família, com a mesma paixão de determinação desde sempre."

domingo, 3 de junho de 2012

Grandes Quintas Colheita 2009 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Touriga Nacional, Tinto Cão, Tinta Roriz e Touriga Franca
Região: Douro
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Sociedade Agrícola Casa d'Arrochella, Lda
Preço: 6,5€ vap

Agradecimento
Uma palavra de agradecimento à Casa d'Arrochella pela atenção demonstrada para com o Blog Comer, Beber e Lazer na oferta para prova desta garrafa.

Nota de Prova
Douro com cor rubi de média concentração, violetas marcam o bordo do copo num conjunto de aspecto limpo e que cativa.Nariz intenso, ainda antes de me aproximar devidamente e os seus aromas já nos chamavam. Muita fruta vermelha madura, cereja bem madura, notas adocicadas, compotas, especiarias e baunilhados no ponto. Complexo e desafiante. Neste momento estava já bastante satisfeito. Na boca continua a excelente impressão. Corpo, taninos com boa presença, toque suave e já bem redondo. Equilibrio de fruta com os predicados deixados pelo estágio em madeira. Frescura final, persistente. O futuro promete não lhe fazer mal caso não o queira beber já.


Classificação: 89/100

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails